Ucrânia diz que Rússia não responde a pedido de conversações, mas conta com o apoio da NATO

premier.gov.ru

O presidente da Rússia, Vladimir Putin

O Presidente ucraniano, Volodimir Zelenskii, disse que ainda não conseguiu falar com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, para discutir a escalada do conflito no Leste da Ucrânia.

A Rússia e a Ucrânia acusam-se mutuamente de serem os culpados pelo agravamento da situação na região do Donbass, onde as tropas ucranianas lutam contra forças apoiadas pela Rússia desde 2014, num conflito que já fez 14 mil mortes segundo as autoridades ucranianas.

Iuliia Mendel, porta-voz de Volodimir Zelenskii, disse à Reuters, esta segunda-feira, que o Presidente ucraniano tem tentado falar com Vladimir Putin sobre o assunto.

“O gabinete do Presidente pediu para falar com Vladimir Putin. Ainda não recebemos uma resposta e esperamos sinceramente que isto não signifique uma recusa ao diálogo”, disse Mendel.

Por sua voz, o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, disse que não viu nenhum pedido de conversações “nos últimos dias”.

Segundo o Público, quando questionado sobre se Putin tinha algo a dizer a Zelenskii, Peskov disse que esperava que o que chamou de “sabedoria política” prevalecesse em Kiev quando se tratasse de diminuir a escalada e evitar uma guerra.

Apoio do ocidente

O chefe da diplomacia ucraniana será recebido na terça-feira na NATO para conversas sobre as tensões causadas pelos movimentos de tropas russas na fronteira com as áreas mantidas pelos separatistas apoiados por Moscovo.

Dmytro Kuleba será recebido na terça-feira de manhã pelo secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, antes de participar numa reunião da comissão NATO-Ucrânia, informou hoje a Aliança Atlântica.

O chefe da diplomacia norte-americana, Antony Blinken, também é esperado em Bruxelas, de terça a quinta-feira, “para consultas com aliados da NATO e autoridades europeias”, disse o porta-voz da Aliança, Ned Price.

Jens Stoltenberg também receberá o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, na quarta-feira, com a situação na Ucrânia no topo da agenda de discussão.

No domingo, os Estados Unidos avisaram Moscovo de que haveria “consequências” na eventualidade de um ataque militar russo contra a Ucrânia, mas o Kremlin respondeu que não tencionava fazer qualquer movimentação agressiva contra o país vizinho.

Os Estados Unidos discutiram o assunto com a França e a Alemanha, e Blinken lembrou numa entrevista televisiva que “há agora mais tropas russas concentradas na fronteira (ucraniana) do que em qualquer momento desde 2014, quando da primeira invasão russa”.

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, pediu na semana passada à NATO para acelerar a adesão do seu país, para enviar um sinal à Rússia, mas a Aliança está a observar a maior cautela neste pedido, com medo de uma instrumentalização política.

Ucrânia e Rússia têm-se acusado mutuamente por responsabilidade direta no aumento da intensidade do conflito e, esta semana, o Kremlin já admitiu que reforçou o contingente militar ao longo da fronteira entre os dois países, provocando reações de preocupação por parte da União Europeia e dos Estados Unidos.

O confronto armado entre as forças ucranianas e rebeldes apoiados pela Rússia no leste da Ucrânia, que começou em 2014, já custou a vida de cerca de 14.000 pessoas, em sete anos, de acordo com a ONU.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Arquivos da polícia do Estado Islâmico revelam como era a vida sob o califado

Arquivos da polícia do Estado Islâmico, conhecida como shurta, revelam como era a vida sob o califado. Os polícias eram tão bem pagos que não podiam ser subornados. Não é sempre que os regimes mirram …

Barco português detido por ancorar ilegalmente em águas da Malásia

Um navio mercante registado em Portugal está retido na Malásia por ter alegadamente ancorado em águas territoriais do país sem autorização, avançou esta sexta-feira a Guarda Costeira malaia. Num comunicado, Nurul Hizam Zakaria, diretor da agência …

”Eficácia e qualidade”. OMS aprova vacina chinesa da Sinopharm

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou, esta sexta-feira, o uso de emergência da vacina chinesa contra a covid-19 da Sinopharm. Trata-se da primeira vacina desenvolvida pela China a ser aprovada pela organização, lembra a agência …

Sem estado de emergência não pode haver confinamento de pessoas saudáveis

O constitucionalista Jorge Reis Novais defendeu hoje que sem estado de emergência que suspenda a garantia do artigo 27.º da Constituição não pode haver confinamento de pessoas saudáveis, até uma eventual revisão constitucional. Por outro lado, …

"Neuro-direitos". O Chile quer proteger os seus cidadãos do controlo da mente

O Chile quer tornar-se o primeiro país a proteger as pessoas do controlo da mente, à medida que a capacidade de mexer com cérebros se aproxima cada vez mais da realidade. O senador Guido Girardi está …

Emprego, formação e pobreza. Cimeira Social marca "o mais ambicioso compromisso" da UE

A Cimeira Social arrancou, nesta sexta-feira, no Porto, com a presença de 24 dos 27 chefes de Estado e de Governo da UE, num evento que pretende definir a agenda social da Europa para a …

"Uma cena da Idade Média". Refugiado encontrado morto e cercado de ratos em acampamento grego

O jovem, proveniente da Somália, foi encontrado morto dentro de uma tenda no início desta semana. No momento em que as autoridades chegaram ao local, cerca de 12 horas após a morte do rapaz, o …

Coreia do Norte alega que a covid-19 poderia flutuar em balões vindos do Sul

A Coreia do Norte pediu aos seus cidadãos que não leiam panfletos de propaganda enviados através de balões do Sul, alegando que a covid-19 poderia entrar no país através das gotículas. De acordo com a agência …

Autoagendamento a partir dos 60 anos deve arrancar no final da próxima semana

O autoagendamento para a vacinação contra a covid-19 deverá passar a contemplar as pessoas a partir dos 60 anos, em vez dos atuais 65, já no final da próxima semana, adiantou hoje à Lusa fonte …

Comandos. MP pede condenação de cinco arguidos a penas entre dois e 10 anos de prisão

O Ministério Público (MP) pediu hoje a condenação de cinco dos 19 arguidos no processo relativo à morte de dois recrutas dos Comandos, em 2016, a penas de prisão entre dois e 10 anos. Nas alegações …