Rússia está à procura de compradores para cereais roubados à Ucrânia

2

Kyryl Levenets / Unsplash

Campo de trigo em Sumy Oblast, na Ucrânia.

Os Estados Unidos estão convencidos de que a Rússia está à procura de compradores para milhões de euros em cereais roubados à Ucrânia.

O chefe da diplomacia norte-americana, Antony Blinken, considerou esta segunda-feira “credível” a informação segundo a qual a Rússia “rouba” as exportações de cereais ucranianos, bloqueadas por causa do conflito, “para vendê-los para seu próprio lucro”.

“Há relatos confiáveis de que a Rússia está a roubar as exportações de grãos da Ucrânia para vender para o seu próprio lucro”, disse Blinken numa conferência do Departamento de Estado sobre insegurança alimentar decorrente da invasão russa da Ucrânia, acusando o Presidente russo, Vladimir Putin, de “chantagem” para que as sanções internacionais fossem suspensas contra a invasão.

Blinken acusou ainda Moscovo de acumular as suas próprias exportações de alimentos, depois de impor um “bloqueio naval no mar Negro que impede o transporte de colheitas ucranianas” ao redor do mundo.

O jornal New York Times informou que Washington alertou 14 países, principalmente em África, em meados de Maio, que navios de carga russos estavam a transportar “grãos ucranianos roubados”. Antony Blinken mencionou este artigo do diário norte-americano, sem, contudo, confirmar diretamente o alerta dirigido aos países africanos.

O embaixador ucraniano em Ancara acusou na passada sexta-feira a Rússia de “roubar” e exportar cereais ucranianos, em particular para a Turquia.

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, disse esta segunda-feira que 20 a 25 milhões de toneladas de grãos estão atualmente bloqueadas na Ucrânia, um volume que pode triplicar até ao outono. Juntas, a Ucrânia e a Rússia produzem quase um terço do trigo e da cevada do mundo e metade do óleo de girassol, enquanto a Rússia e a sua aliada Bielorrússia são dos maiores produtores mundiais de potássio, um ingrediente-chave de fertilizantes.

Contudo, a invasão iniciada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia levou a um aumento dos preços mundiais de cereais e óleos, cujos valores superaram os alcançados durante a primavera árabe de 2011 e os “motins da fome” de 2008.

  ZAP // Lusa

2 Comments

  1. E o que é que ele espera, que países esfomeados tenham isso em atenção? que escolham entre comer ou morrer?

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.