Rússia arrisca maior isolamento por agressão “inaceitável”

patquinnforillinois / Flickr

Joe Biden, vice-Presidente dos EUA

Joe Biden, vice-Presidente dos EUA

 

O vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, advertiu esta sexta-feira, durante uma visita a Kiev, que a Rússia arrisca um maior isolamento e possíveis novas sanções por causa da agressão “inaceitável” no leste da Ucrânia.

“É simplesmente inaceitável que no século XXI países tentem redefinir pela força as fronteiras na Europa (…) ou intervenham militarmente porque não gostam da decisão que o vizinho tomou”, afirmou Biden, após um encontro com o Presidente ucraniano, Petro Poroshenko.

O representante norte-americano advertiu igualmente que a Rússia não cumpriu os compromissos assumidos em setembro na capital bielorussa de Minsk, onde foi assinado um acordo de cessar-fogo.

“Enquanto isso continuar, a Rússia irá enfrentar custos elevados, maior isolamento”, frisou.

Moscovo nega apoiar militarmente os separatistas que lutam na região leste da Ucrânia, mas o Ocidente continua a acusar a Rússia de envolvimento, o que está a provocar a pior degradação das relações diplomáticas desde o final da Guerra Fria.

Biden visitou Kiev por ocasião das comemorações do primeiro aniversário do início dos protestos populares da praça Maidan, que acabaram por derrubar o regime pró-russo do então Presidente ucraniano Viktor Ianukovich.

As cerimónias de hoje foram marcadas pelos ânimos mais exaltados de algumas pessoas. Quando o Presidente Poroshenko depositou uma coroa de flores em memória das vítimas dos protestos foi vaiado por algumas dezenas de pessoas.

“Vergonha! Porque é que ninguém foi punido?“, gritaram as pessoas, algumas familiares das vítimas.

“Poroshenko, onde estão os assassinos dos nossos filhos?”, lia-se num cartaz, segundo as agências internacionais.

O movimento Maidan começou após o pró-russo Ianoukovitch ter renunciado a um acordo de associação com a União Europeia (UE), em benefício do reforço da cooperação com Moscovo.

Reprimido pelas forças de segurança do regime pró-russo, o movimento de contestação ficaria marcado pela morte de uma centena de pessoas.

Os líderes ucranianos esperavam que Biden aproveitasse esta vista a Kiev para anunciar uma ajuda adicional dos Estados Unidos para as forças ucranianas que combatem no leste.

Washington tem limitado o seu apoio a uma assistência não letal, mas Kiev quer que a ajuda vá mais longe, nomeadamente com o fornecimento de armas de munições.

Durante a conferência de imprensa na capital ucraniana, Joe Biden não fez qualquer menção direta sobre este assunto, mas o gabinete do vice-presidente norte-americano informou, num comunicado, que a Casa Branca prometeu mais 20 milhões de dólares (cerca de 16 milhões de euros) para apoiar reformas ao nível da justiça e mais três milhões de dólares (2,4 milhões de euros) em ajuda alimentar e apoio aos deslocados.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas criam algoritmo para identificar covid-19 a partir do som da tosse

Investigadores de vários países criaram um algoritmo que afirmam poder identificar se uma pessoa tem covid-19 a partir do som da sua tosse. Cientistas do México, Estados Unidos, Espanha e Itália, liderados por uma equipa do …

Para proteger o fundo do mar, novo sistema permite atracar vários barcos com uma só "âncora"

Quando vários barcos se amontoam numa enseada durante a noite, cada um deles lança uma âncora que pode potencialmente danificar os corais e a vida marinha no fundo do mar. O sistema Seafloat foi criado …

Japão e Estados Unidos assinam acordo de cooperação para exploração da Lua

O Ministério da Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia do Japão e a agência espacial dos Estados Unidos (NASA) assinaram um acordo de colaboração entre os dois países no programa Artemis, para a exploração da …

Washington Redskins mudam de nome por ser considerado racista

A equipa de futebol americano, até aqui denominada de Washington Redskins, vai abandonar essa designação, considerada de teor racista, para designar nativos da América do Norte. Em comunicado, a equipa de Washington explicou que, depois de uma …

Flores precisaram de cerca de 50 milhões de anos para se tornarem o que são hoje

As plantas com flor evoluíram há cerca de 100 milhões de anos, mas precisaram de outros 50 milhões de anos para diversificar e tornarem-se aquilo que são hoje, sugere uma equipa de investigadores. Os cientistas documentaram …

Estudo sugere que imunidade à covid-19 pode desaparecer em poucos meses

A imunidade adquirida por anticorpos após a cura da covid-19 pode desaparecer em alguns meses, o que poderá complicar o desenvolvimento de uma vacina eficaz a longo prazo, sugere um estudo britânico divulgado esta segunda-feira. "Este …

60 anos depois, já se sabe o que aconteceu aos 9 russos que desapareceram na Montanha da Morte

Passados 61 anos, o mistério da morte de nove esquiadores russos que faziam uma caminhada pelos Montes Urais, perto da chamada Montanha da Morte, foi finalmente resolvido. Em 1959, nove viajantes russos que faziam uma caminhada …

Médicos Sem Fronteiras é "institucionalmente racista", acusam atuais e ex-colaboradores

Uma declaração assinada por mil atuais e ex-funcionários revela que a Organização Não Governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras (MSF) é "institucionalmente racista" e reforça o colonialismo e a supremacia branca no trabalho humanitário que pratica. Na …

Empresa culpada pela crise de opioides fez contribuições políticas após declarar falência

A Purdue Pharma, empresa culpada pela crise de opioides nos Estados Unidos, fez contribuições políticas após ter sido processada e declarado falência. Os opioides são usados para aliviar a dor, mas também provocam uma sensação exagerada …

Norte-americano morre após ir a festa para provar que a covid-19 é uma farsa

Um norte-americano de 30 anos, de San Antonio, no estado do Texas, morreu de covid-19 depois de ir a uma festa para provar que a doença era uma farsa, informou a media local. O homem foi …