Rui Moreira apela ao “investimento” das empresas na solidariedade social

Dave Moreira / Wikimedia

foto: DaveMoreira / Wikimedia

foto: DaveMoreira / Wikimedia

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, apelou ao contributo e apoio por parte dos empresários, comerciantes e banqueiros da cidade nas instituições de solidariedade social, sugerindo uma eventual “majoração desse investimento”.

Segunda-feira à noite, no jantar-debate sobre o tema “O Porto que queremos”, organizado pela Associação Portuguesa de Gestão e Engenharia Industrial (APGEI), Rui Moreira estabeleceu como “primeira prioridade aqueles que mais precisam”.

“E para isso nós vamos precisar da rede social, mas também vamos precisar das senhoras e dos senhores que aqui estão. Nós vamos precisar que as pessoas de negócios, os empresários, os comerciantes do Porto – que são afinal a nova burguesia da cidade – não acreditem que este problema possa ser resolvido apenas por recurso aos instrumentos tradicionais do Estado social”, apelou.

Na opinião do presidente independente da Câmara do Porto, para resolver o problema social da cidade do Porto, é preciso que “os empresários, os comerciantes, os banqueiros e todos aqueles que têm negócio na cidade contribuam à sua maneira”.

“Nós acreditamos – e para isso disporemos de recursos municipais – que talvez a melhor forma de avaliar aonde podemos investir melhor os recursos que temos para fazer chegar aqueles que mais precisam é exatamente em parcerias com empresas e isso podemos fazer replicando o investimento que as empresas fazem nas IPSS”, explicou.

Rui Moreira deu o exemplo do modelo europeu e também do americano em que isto “começa a ser replicado”, sugerindo que “aquilo que for aplicado com parcimónia na solidariedade social pode ser um bom investimento para as empresas”, principalmente se for possível, “através do município, fazer uma majoração desse investimento”.

“Mas nós não queremos uma contribuição cega nem queremos uma contribuição que seja apenas uma forma de alijarmos responsabilidades”, garantiu.

Rui Moreira dirigiu-se à plateia presente explicando que precisa que “a experiência” existente na gestão das empresas “seja posta ao serviço das IPSS porque muitas vezes o maior fator que elas têm é incapacidade de gerirem os seus destinos”.

“Uma dificuldade muito grande de identificarem os seus territórios tradicionais e confundirem muitas vezes aquilo que sabem fazer com aquilo que gostariam de fazer, muitas vezes com a tentativa generosa de atrair mais fundos. Precisamos do vosso auxílio”, apelou.

Rui Moreira – que falou ainda da aposta na cultura e na coesão social – considerou ainda querer “fazer do Porto é uma cidade que seja competente a fazer aquilo que pode fazer” e “não é um Porto que pretenda ser Barcelona ou Paris ou Londres”.

“Nós não temos condições para ser capital de coisa nenhuma e, em rigor, nós somos uma cidade que somos anti-capital. Não contra a capital mas anti-capital”, enfatizou.

Entre os vários temas abordados ao longo das perguntas e respostas que surgiram no debate, destaque para a eventual fusão entre Porto, Gaia e Matosinhos, proposta sobre o qual o autarca se manifestou totalmente contra, defendendo, no entanto, “a necessidade de criar maiores sinergias com as cidades mais próximas”.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"DeepNude". Inteligência Artificial "tirou a roupa" a mulheres nas redes sociais

A empresa de informação Sensity alertou que mais de 100 mil imagens foram carregadas para um canal de Telegram onde um bot "tirou a roupa" de mulheres. A empresa de segurança Sensity revelou recentemente que existe …

Poluição atmosférica "custa" a cada citadino europeu 1.276 euros por ano

A poluição atmosférica "custa" 1.276 euros por ano a cada cidadão europeu residente em cidades, de acordo com um estudo da Aliança Europeia de Saúde Pública (EPHA) divulgado esta quarta-feira. O estudo chegou ao valor médio …

"Emergência arqueológica". O degelo dos Alpes está a "libertar" artefactos escondidos há milhares de anos

As alterações climáticas podem estar a ajudar os arqueólogos a encontrar artefactos escondidos nos glaciares do Alpes há milhares de anos. O derretimento dos glaciares dos Alpes está a "liberta" objetos que permaneceram congelados no tempo …

Thermite RS3 é o primeiro robô de combate a incêndios dos EUA (e está pronto a entrar ao serviço)

O Corpo de Bombeiros de Los Angeles, nos Estados Unidos, deu as boas-vindas ao mais recente membro da equipa: um bombeiro robótico. O Thermite RS3 é um rover de controlo remoto capaz de bombear milhares de …

Inventor dinamarquês que matou jornalista no seu submarino escapou da prisão (mas já foi apanhado)

O inventor dinamarquês Peter Madsen, condenado a prisão perpétua por torturar e assassinar a jornalista sueca Kim Wall, fugiu da prisão esta terça-feira.  As autoridades dinamarquesas capturaram-no minutos depois. Peter Madsen, o dinamarquês condenado a prisão …

Molécula descoberta por menina de 14 anos pode levar a uma cura para a covid-19

A jovem norte-americana de 14 anos, Anika Chebrolu, descobriu uma molécula que pode levar a uma potencial cura para a covid-19. Enquanto cientistas dos quatro cantos do mundo trabalham no desenvolvimento de uma vacina para a …

Cerca de 1.300 reclusos fogem de prisão no Congo após ataque do Estado Islâmico

Cerca de 1.300 reclusos escaparam de uma prisão na República Democrática do Congo na manhã de terça-feira, após um ataque reivindicado pelo Estado Islâmico, informou a Organização das Nações Unidas (ONU). Embora as autoridades locais tenham …

Amesterdão vai usar flores para impedir que os ciclistas estacionem bicicletas nas pontes

A cidade conhecida pelo uso de bicicletas, vai agora tomar uma medida em relação ao estacionamento destas nas pontes. Tudo para proteger as vistas para os seus famosos canais. Amesterdão orgulha-se de ser uma das cidades …

Morreu voluntário envolvido no ensaio da vacina de Oxford. Tinha 28 anos e era médico recém-formado

As autoridades de saúde brasileiras divulgaram esta quarta-feira a morte de um voluntário dos testes da vacina contra a covid-19, desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca e pela Universidade de Oxford. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), …

Milo, o "comunicador de ação" que permite conversar em grupo durante atividades ao ar livre

Chegou o Milo, o novo aparelho que vai revolucionar as aventuras em grupo. Este pequeno dispositivo permite-lhe conversar com o seu grupo à distancia sem precisar de levar o smartphone para o meio da montanha, …