Já se sabe porque é que o nosso rosto é completamente diferente do dos nossos antepassados

O rosto dos humanos modernos é completamente diferente do nossos antepassados – e os cientistas quiseram saber porquê.

Uma equipa internacional de investigadores, entre os quais o paleoantropólogo espanhol Juan Luis Arsuaga, co-diretor dos depósitos de Atapuerca, propõe que a evolução dos nossos rostos poderia ter sido direcionada, pelo menos em parte, pela necessidade que os humanos tiveram em desenvolver uma ampla gama de habilidades sociais.

Como hominídeos de cérebro grande e de rosto pequeno, os nossos rostos são muito diferentes dos outros hominídeos extintos, como os neandertais.

Conforme explicado pelos investigadores num artigo publicado na revista Nature Ecology and Evolution, a necessidade de comunicar socialmente nunca foi considerada um fator importante na evolução das características faciais dos humanos modernos. Mas os rostos devem ser considerados como o resultado de uma combinação de influências muito diversas, variando de biomecânico ao fisiológico e, também, ao social.

Para demonstrar isso, os cientistas traçaram as mudanças que os nossos rostos sofreram desde os primeiros hominídeos africanos até aos nossos dias.

“Acredito que, entre outras funções, o rosto humano também cumpre a da comunicação social. O rosto de alguns fósseis antigos parece-nos sem expressão, enquanto um crânio moderno tem expressão. Por mera intuição, comecei a perguntar se o rosto era algo mais que um órgão para apoiar a visão, a mastigação e o cheiro. E se fosse também um órgão que serve para comunicar?“, explicou à ABC Arsuaga.

Para os cientistas, os nossos rostos não só evoluíram devido a fatores como dieta ou clima, mas para fornecer mais oportunidades para gestos e comunicação não-verbal, habilidades que eram vitais ao estabelecer os grupos que, acreditam, ajudaram a espécie a sobreviver.

De acordo com Paul O’Higgins, da Universidade de Nova York, “hoje podemos usar os nossos rostos para indicar mais de 20 diferentes categorias de emoções, através da contração ou relaxamento dos músculos faciais. É improvável que os nossos primeiros ancestrais humanos tivessem a mesma destreza facial”.

Por exemplo, em vez da crista frontal afiada presente noutros hominídeos, os humanos modernos desenvolveram uma frente suave, com sobrancelhas visível e cheias de pelo, capaz de uma maior variedade de movimentos.

A cara mudou antes do cérebro

“Quando se trata de estudar um crânio”, explica Arsuaga, “adotamos uma perspetiva modular. Ou seja, não estudamos tudo, mas decompondo-o em partes, assumindo que cada um desses componentes tem uma função diferente. Concluímos que, pelo menos nos neandertais, a evolução da face é anterior à evolução do cérebro. Cérebro e face são módulos diferentes e não relacionados”.

Pouco tempo depois, descobriu-se que, no caso do Homo sapiens, aconteceu exatamente a mesma coisa. “Em ambas as espécies existem diferentes unidades morfofuncionais, ou módulos, que não evoluem ao mesmo tempo. O que nos ensina que nem tudo na evolução muda ao mesmo ritmo. Podemos decompor todo o corpo em módulos independentes que evoluem e combinam-se em taxas diferentes. Aplicando esta abordagem modular à evolução humana, a própria perspetiva da evolução muda completamente“.

O rosto humano poderia evoluir como um “módulo independente” do resto dos outros “módulos” que compõem o corpo. O rosto foi moldado, em parte, para lidar com as mudanças nas demandas mecânicas de alimentos durante os últimos cem mil anos. Desta forma, os rostos foram reduzidos à medida que a capacidade de cozinhar e processar alimentos tornou a mastigação mais fácil.

Ao mesmo tempo, porém, e especialmente desde o surgimento da agricultura, os grupos humanos tornaram-se cada vez mais numerosos e estáveis. Com isso aumentaram, também, as necessidades de comunicação com os outros. Um rosto capaz de expressar emoções e sentimentos instantaneamente seria, nesse contexto, uma grande vantagem evolutiva.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Iraque condena três franceses a pena de morte por pertencerem ao Estado Islâmico

Três homens de nacionalidade francesa foram este domingo condenados a pena de morte, pelo tribunal de Bagdade, capital do Iraque, por pertenceram ao Estado Islâmico, avança a AFP, que cita o juiz que leu a …

Oposição levou mais gente às ruas do que Bolsonaro

Manifestações a favor do presidente Jair Bolsonaro e da reforma da previdência, o principal objetivo do governo neste ano, moveram milhares de brasileiros em pouco mais de 130 cidades de 26 estados do Brasil. No passado …

Utentes da Soflusa estão “cansados” de constantes supressões

Os utentes da Soflusa mostraram-se esta segunda-feira "cansados" das constantes supressões das ligações fluviais entre o Barreiro e Lisboa, que estão hoje a acontecer durante todo o dia devido à falta de mestres. "Já estou a …

Banco Alimentar recolhe 1.605 toneladas de alimentos no fim de semana

O Banco Alimentar contra a Fome recolheu 1.605 toneladas de alimentos durante o fim de semana da campanha nacional que decorreu em mais de duas mil superfícies comerciais, anunciou a presidente do Banco Alimentar contra …

Sérgio Conceição apontado à Lazio

A imprensa italiana aponta esta segunda-feira o treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, à Lazio. O técnico português, recorde-se, passou pelo emblema italiano em duas ocasiões como jogador de futebol. O jornal italiano Il Messaggero adianta …

Filial portuguesa de multinacional alemã envolvida em subornos em Angola

A sucursal portuguesa em Angola da multinacional alemã Fresenius Medical Care, que actua na área médica, esteve envolvida num esquema de pagamento de subornos a médicos e militares angolanos que renderam 124 milhões de euros …

CGD acaba com empresa que criou há quase 20 anos com a PT

Criada há quase 20 anos pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) e pela Portugal Telecom (PT), a Caixanet foi liquidada no início deste ano, bem como a Caixa Tec e a Sogrupo, duas outras empresas …

MB Way. Bancos "fecham" aplicação para cobrar comissões diferenciadas nas transferências

Em pleno arranque do 'open banking', os bancos estão a substituir a aplicação MB Way por soluções próprias que "amarram" os clientes, com o propósito de cobrar comissões diferenciadas nas transferências através do telemóvel. Segundo noticiou …

A abstenção venceu. É a mais alta de sempre

A abstenção foi a grande figura das eleições europeias deste domingo, tendo 68,7% dos portugueses optado por não votar. A abstenção em Portugal voltou a atingir um novo recorde, enquanto que a taxa de participação …

Neurocirurgia do Hospital de São João deixa os contentores ao fim de 12 anos

O novo serviço de neurocirurgia do Hospital de S. João, no Porto, está a funcionar desde este sábado. Ao fim de 12 anos, os serviços de neurocirurgia do Hospital de S. João, no Porto, deixaram de …