Roosevelt e Churchill planeavam invadir os Açores

O Presidente dos Estados Unidos Franklin Roosevelt e o primeiro-ministro britânico Winston Churchill tinham um plano para invadir os Açores se Salazar não concedesse facilidades militares aos Aliados com a ameaça nazi, disse um especialista em relações internacionais.

O especialista em relações internacionais Luís Andrade afirma, em declarações à agência Lusa, que Salazar “protelou sistematicamente” a concessão de facilidades aos britânicos nos Açores porque pensava ser “relativamente cedo para que isso acontecesse, receando uma retaliação por parte da Alemanha nazi”.

Com a invasão aliada de África em 1942, o especialista refere que “começou-se a desenhar, embora de forma ténue, que os Aliados pudessem ganhar a guerra”, tendo, apesar de tudo, Salazar esperado até agosto de 1943 para a assinatura de um acordo formal com a Inglaterra que permitia às forças britânicas instalarem-se na ilha Terceira.

“Quer o Presidente Roosevelt como o primeiro-ministro Churchill se, de facto, nesta altura, Salazar não tivesse acedido ao pedido britânico, já tinham planeada uma invasão dos Açores por parte dos Aliados”, declara o professor catedrático.

Luís Andrade destaca, contudo, que anteriormente a este período, houve um plano alemão (Félix) para invadir os Açores que acabou por não se materializar, porque foi transmitido a Adolf Hitler pelo almirante envolvido nesta matéria que “o problema não era tomar os Açores mas mantê-los”, uma vez que a Inglaterra “ainda controlava o Atlântico”.

O especialista explica que a relação de Portugal com os norte-americanos “foi diferente [da britânica] porque não havia nenhum acordo bilateral” e a contrapartida que foi encontrada para ceder a Washington facilidades militares, em 1944, na ilha de Santa Maria, foi a questão de Timor, que tinha sido invadido pelos japoneses, tendo-se pedido apoio americano neste dossiê.

O Presidente Roosevelt – que tinha na Casa Branca um quadro da baía de Ponta Delgada como recordação da sua estada nos Açores, enquanto subsecretário de Estado da Marinha – admitiu mesmo aplicar a doutrina Monroe, de 1823, ao arquipélago, que sustentava não permitir aos europeus intromissões nos assuntos internos americanos.

“Ao afirmar isso estava a referir que os Açores eram fundamentais para a defesa dos Estados Unidos, uma vez que havia a consciência, em termos estratégicos, de ser fundamental o controlo do arquipélago para lutar contra o expansionismo germânico, por via da sua ameaça submarina no Atlântico Norte”, disse Luís Andrade.

De acordo com Eduardo Mayone Dias, escritor e professor universitário da Universidade de Los Angeles, já em julho de 1940, o Ministério de Guerra português tinha enviado um telegrama ao Governador Civil dos Açores onde este é alertado para uma perigo iminente de invasão do arquipélago.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Alemanha enviara uma carta a Lisboa pressionando-a para que o país denunciasse uma aliança com Londres e estabelecesse um pacto com a Espanha, país aliado de Berlim.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

George Floyd. Portugal junta-se às manifestações mundiais contra o racismo

Cinco cidades portuguesas juntam-se hoje à campanha de solidariedade mundial contra o racismo, associando-se à luta pela dignidade humana na sequência da morte, a 25 de maio, do afro-americano George Floyd, sob custódia da polícia …

Covid-19. México investiga mercado negro de atestados de óbito falsos

As autoridades da Cidade do México anunciaram que estão a investigar um suposto mercado negro de atestados de óbito relacionado com a covid-19, no dia em que o país registou 625 mortes nas últimas 24 …

Astrónomos descobrem "réplica" do Sol e da Terra a três mil anos-luz

O que diferencia esta descoberta de outros exoplanetas parecidos com a Terra é que a sua estrela tem uma semelhança impressionante com o nosso Sol. Entre os dados da missão Kepler, uma equipa de investigadores identificou …

Sem romarias e festas, milhares de famílias estão a entrar em falência

Milhares de famílias cujo rendimento depende das romarias e festas populares estão a atravessar sérias dificuldades económicas. Os prejuízos ultrapassam os 50 milhões de euros. A suspensão das festas populares e romarias religiosas em todo o …

Corpo de Maria Velho da Costa ficou 11 dias na morgue. Filho critica MP e fala em "massacre psicológico"

Os restos mortais da escritora Maria Velho da Costa, que faleceu a 23 de Maio, ficaram no Instituto de Medicina Legal, em Lisboa, durante 11 dias, sem que a família tivesse conhecimento de que já …

"Vocês são uns ingratos". Vieira arrasa equipa após empate com o Tondela

Luís Filipe Vieira foi ao balneário falar com os jogadores após o empate com o Tondela. O presidente benfiquista mostrou-se irritado e acusou os futebolistas de ingratidão. Depois do empate do SL Benfica com o CD …

Costa tirou o tapete ao seu "super-ministro" (que é cada vez mais candidato a líder do PS)

Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas, já foi um peso-pesado do Governo de António Costa, mas o primeiro-ministro desautorizou-o na discussão sobre o futuro da TAP, num claro sinal de que a "lua-de-mel" entre os …

Há dois candidatos na calha para suceder a Centeno. Siza Vieira fora da corrida

Pedro Siza Vieira era apontado como o favorito a suceder a Mário Centeno na pasta das Finanças, mas recusou essa possibilidade. Nelson de Souza e João Leão são agora os dois principais candidatos. Com a saída …

Ventura chega-se à "família Bolsonaro" e vai trabalhar com a extrema-direita europeia

O Chega de André Ventura tem mantido contactos internacionais, nomeadamente nos EUA e no Brasil, no sentido de estabelecer ligações que consolidem a sua força política. Terá mantido reuniões com elementos "próximos da família Bolsonaro" …

Surtos em Lisboa levam a que cirurgias e consultas não urgentes voltem a ser suspensas

O governo suspendeu novamente a atividade não urgente nos hospitais de Lisboa, Amadora, Sintra, Loures e Odivelas, devido à concentração de casos de covid-19, disse hoje à agência Lusa fonte do Ministério da Saúde. “As orientações …