Roosevelt e Churchill planeavam invadir os Açores

O Presidente dos Estados Unidos Franklin Roosevelt e o primeiro-ministro britânico Winston Churchill tinham um plano para invadir os Açores se Salazar não concedesse facilidades militares aos Aliados com a ameaça nazi, disse um especialista em relações internacionais.

O especialista em relações internacionais Luís Andrade afirma, em declarações à agência Lusa, que Salazar “protelou sistematicamente” a concessão de facilidades aos britânicos nos Açores porque pensava ser “relativamente cedo para que isso acontecesse, receando uma retaliação por parte da Alemanha nazi”.

Com a invasão aliada de África em 1942, o especialista refere que “começou-se a desenhar, embora de forma ténue, que os Aliados pudessem ganhar a guerra”, tendo, apesar de tudo, Salazar esperado até agosto de 1943 para a assinatura de um acordo formal com a Inglaterra que permitia às forças britânicas instalarem-se na ilha Terceira.

“Quer o Presidente Roosevelt como o primeiro-ministro Churchill se, de facto, nesta altura, Salazar não tivesse acedido ao pedido britânico, já tinham planeada uma invasão dos Açores por parte dos Aliados”, declara o professor catedrático.

Luís Andrade destaca, contudo, que anteriormente a este período, houve um plano alemão (Félix) para invadir os Açores que acabou por não se materializar, porque foi transmitido a Adolf Hitler pelo almirante envolvido nesta matéria que “o problema não era tomar os Açores mas mantê-los”, uma vez que a Inglaterra “ainda controlava o Atlântico”.

O especialista explica que a relação de Portugal com os norte-americanos “foi diferente [da britânica] porque não havia nenhum acordo bilateral” e a contrapartida que foi encontrada para ceder a Washington facilidades militares, em 1944, na ilha de Santa Maria, foi a questão de Timor, que tinha sido invadido pelos japoneses, tendo-se pedido apoio americano neste dossiê.

O Presidente Roosevelt – que tinha na Casa Branca um quadro da baía de Ponta Delgada como recordação da sua estada nos Açores, enquanto subsecretário de Estado da Marinha – admitiu mesmo aplicar a doutrina Monroe, de 1823, ao arquipélago, que sustentava não permitir aos europeus intromissões nos assuntos internos americanos.

“Ao afirmar isso estava a referir que os Açores eram fundamentais para a defesa dos Estados Unidos, uma vez que havia a consciência, em termos estratégicos, de ser fundamental o controlo do arquipélago para lutar contra o expansionismo germânico, por via da sua ameaça submarina no Atlântico Norte”, disse Luís Andrade.

De acordo com Eduardo Mayone Dias, escritor e professor universitário da Universidade de Los Angeles, já em julho de 1940, o Ministério de Guerra português tinha enviado um telegrama ao Governador Civil dos Açores onde este é alertado para uma perigo iminente de invasão do arquipélago.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Alemanha enviara uma carta a Lisboa pressionando-a para que o país denunciasse uma aliança com Londres e estabelecesse um pacto com a Espanha, país aliado de Berlim.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para futuros desastres

Especialistas ouvidos pelo portal One Zero acreditam que cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para populações que possam vir a enfrentar desastres naturais no futuro potenciados pelas alterações climáticas. À medida que os desastres naturais …

Descobertas três novas espécies de pterossauro em Marrocos

Cientistas encontraram três novas espécies de pterossauro, que viveram no deserto do Sahara, há 100 milhões de anos, em Marrocos. De acordo com o site EurekAlert!, estas três novas espécies de pterossauro faziam parte de um …

Texto português do século XVI mostra eficácia da quarentena

Um especialista australiano descobriu num texto português do século XVI uma prova de que a quarentena ou o isolamento podem impedir a globalização de uma doença como a covid-19, que já provocou mais de 30 …

Coronavírus. Mercados chineses continuam a vender morcegos

Nem com a pandemia de covid-19 a China abre mão dos seus velhos hábitos. Embora o novo coronavírus tenha tido origem num mercado de animais exóticos, em Wuhan, muitos destes sítios continuam a funcionar normalmente …

No Twitter, o discurso de ódio contra chineses cresceu 900%

A L1ght, uma empresa que mede a toxicidade das plataformas digitais, partilhou recentemente um relatório no qual revela que o discurso de ódio contra a China e contra os chineses teve um crescimento de 900%. Donald …

Há mais pessoas em quarentena do que vivas durante a 2ª Guerra Mundial

Um terço da população mundial - 2,6 mil milhões de pessoas - está em quarentena. São mais seres humanos em isolamento do que aqueles que estavam vivos para testemunhar a 2ª Guerra Mundial. Na terça-feira, o …

Biblioteca virtual no Minecraft dá voz a jornalistas censurados de todo o mundo

Enquanto governos de todo o mundo reprimem a liberdade jornalística e censuram a sua imprensa nacional, a Reporters Without Borders está a trabalhar para chegar ao público através de um canal improvável: uma enorme biblioteca …

Há mais 19 mortos em Portugal. Número de casos confirmados perto dos 6.000

Portugal registou, este domingo, mais 19 mortes devido ao surto de covid-19. O número de casos confirmados é de 5.962, mais 792 em relação aos números de sábado. A Direção-Geral de Saúde revelou este domingo o …

Criança de 14 anos morre com covid-19 no Hospital da Feira

Uma criança de 14 anos morreu, este domingo, no Hospital de São Sebastião, na Feira, vítima de covid-19. Sofria de psoríase, doença que pode debilitar o sistema imunitário. O rapaz era morador em Ovar e tinha …

A Estação Matternet é um "portal seguro de drones" para hospitais

O sistema é simples: a equipa médica do hospital coloca as amostras que precisam de ser testadas no interior da estação, e esta encarrega-se automaticamente de as colocar num drone. Depois, o topo da torre …