Robô-preguiça está a ajudar a conservar o Jardim Botânico de Atlanta

No Jardim Botânico de Atlanta, no estado norte-americano da Geórgia, vive um robô-preguiça muito peculiar, que tem como missão salvar algumas das espécies mais ameaçadas do mundo.

Os robôs parecem estar sempre associados a comportamentos rápidos e ágeis, mas, na natureza, o ritmo é mais lento. Desta forma, monitorizar o meio ambiente é um trabalho mais adequado para robôs persistentes, silenciosos e de movimento suave.

O SlothBot é um robô de alta tecnologia, lento, com baixo consumo de energia e capaz de permanecer no topo das árvores para supervisionar animais e plantas. Com vários componentes impressos em 3D, o robô construído por uma equipa de investigadores do Instituto de Tecnologia da Geórgia está a ser testado no Canopy Walk.

Inspirado no estilo de vida relaxado das preguiças, o SlothBot é o exemplo robótico de que ser-se lento pode ser ideal para determinadas funções. Estes animais são “estrategicamente lentos, e é disso que precisamos se quisermos implantar robôs durante longos períodos de tempo”, explicou Magnus Egerstedt, professor na Georgia Tech School of Electrical and Computer Engineering.

Segundo o EurekAlert, o robô é alimentado por dois painéis fotovoltaicos e move-se ao longo de um cabo pendurado em duas árvores, tendo como missão monitorizar a temperatura, o clima, os níveis de dióxido de carbono e outras informações no Jardim Botânico de Atlanta.

Com um metro e meio de comprimento, o SlothBot tem uma concha impressa em 3D que o ajuda a proteger os seus motores, engrenagens, baterias e equipamentos de deteção de intempéries. Este robô-preguiça move-se apenas quando necessário para medir mudanças ambientais, como fatores climáticos e químicos, que só podem ser observados com uma presença de longo prazo.

Quando as suas baterias precisarem de ser carregadas, o robô vai mover-se em busca do Sol. “O objetivo mais emocionante a demonstrar com o SlothBot é a união da robótica e da tecnologia com a conservação”, afirmou Emily Coffey, vice-presidente de conservação do Jardim Botânico de Atlanta.

Além de ajudar na conservação, o SlothBot pode ter aplicações na agricultura de precisão – a câmara do robô e outros equipamentos sensoriais podem ajudar na deteção precoce de doenças nas culturas, medir a humidade e observar a infestação de insetos.

Depois da estadia no Jardim Botânico de Atlanta, os investigadores pretendem levar o SlothBot para a América do Sul, com a missão de observar a polinização das orquídeas ou a vida dos sapos ameaçados. “É muito fascinante pensar em robôs que se tornam parte do ambiente, um membro de um ecossistema.”

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Paços de Ferreira 0-5 Benfica | Seferovic “parte tudo” na Capital do Móvel

Na noite deste sábado, o Benfica somou o sétimo triunfo consecutivo no campeonato, ao golear o Paços de Ferreira por 5-0, num embate relativo à 26.ª jornada do campeonato. A equipa de Jorge Jesus, que acabou …

Após terramotos e deslizamentos, a "cidade moribunda" de Itália ainda resiste no topo de uma montanha

Chamar-se a si mesmo de "Cidade Moribunda" pode não parecer a melhor forma de atrair turistas, mas Civita, em Itália, aprendeu a viver com o facto de estar a morrer. Há vários séculos, a cidade …

"Alexa, estou com calor." Já é possível controlar o ar condicionado de um Lamborghini apenas com a voz

A Amazon está a dar um grande passo na indústria automóvel ao integrar a Alexa no Huracán EVO da Lamborghini, não apenas para fazer perguntas, mas dando ao assistente virtual a capacidade de controlar as …

Nova tecnologia pode enviar luz solar para o subsolo

Investigadores da Universidade Tecnológica de Nanyang, na Singapura, inventaram um novo dispositivo que pode ajudar o país a iluminar a sua crescente infraestrutura subterrânea. A Singapura é um dos países que tem apostado cada vez mais …

Livro lança "caça ao tesouro" a urna de ouro oferecida por Inglaterra a França antes da Entente Cordiale

Um novo enigma literário está prestes a chegar às estantes de livros com uma recompensa incomum. Pistas em "The Golden Treasure of the Entente Cordiale" podem levar leitores no Reino Unido e França a um …

Para evitar casos de burnout, LinkedIn deu uma semana de férias aos quase 16 mil funcionários

O LinkedIn decidiu dar uma semana de férias (remunerada), que começou esta segunda-feira, a todos os seus funcionários espalhados pelo mundo. O objetivo? Desconectar, recarregar baterias e prevenir casos de burnout.  "Queríamos ter a certeza de …

Pequenos nadadores-robô curam-se a si próprios (e em movimento)

Uma equipa de investigadores da American Chemical Society desenvolveu pequenos robôs nadadores que conseguem curar-se a si mesmos magneticamente. O tecido vivo pode curar-se autonomamente de muitos ferimentos, mas fornecer habilidades semelhantes a sistemas artificiais, como …

Tondela 0-2 FC Porto | Missão cumprida com serviços mínimos

Missão cumprida. O FC Porto fez poupanças no jogo com o Tondela, mas levou os três pontos para casa, graças a um triunfo por 2-0. Os “dragões” foram claramente superiores no primeiro tempo, marcaram por Toni …

Portugal pode atingir linha vermelha dos 120 novos casos por 100 mil habitantes em dois meses

Portugal pode atingir uma taxa de incidência de de 120 casos por 100 mil habitantes daqui a dois ou mais meses se se mantiver o atual ritmo de crescimento deste indicador. Esta é a conclusão de …

Akon ainda não construiu a "Wakanda da vida real", mas o Uganda já lhe está a dar terrenos para a segunda

O artista de R&B Akon ainda não concretizou a sua visão ambiciosa de uma cidade “futurística” alimentada por uma criptomoeda chamada “Akoin” e construída num terreno que lhe foi dado pelo governo senegalês. Contudo, o …