Robô-preguiça está a ajudar a conservar o Jardim Botânico de Atlanta

No Jardim Botânico de Atlanta, no estado norte-americano da Geórgia, vive um robô-preguiça muito peculiar, que tem como missão salvar algumas das espécies mais ameaçadas do mundo.

Os robôs parecem estar sempre associados a comportamentos rápidos e ágeis, mas, na natureza, o ritmo é mais lento. Desta forma, monitorizar o meio ambiente é um trabalho mais adequado para robôs persistentes, silenciosos e de movimento suave.

O SlothBot é um robô de alta tecnologia, lento, com baixo consumo de energia e capaz de permanecer no topo das árvores para supervisionar animais e plantas. Com vários componentes impressos em 3D, o robô construído por uma equipa de investigadores do Instituto de Tecnologia da Geórgia está a ser testado no Canopy Walk.

Inspirado no estilo de vida relaxado das preguiças, o SlothBot é o exemplo robótico de que ser-se lento pode ser ideal para determinadas funções. Estes animais são “estrategicamente lentos, e é disso que precisamos se quisermos implantar robôs durante longos períodos de tempo”, explicou Magnus Egerstedt, professor na Georgia Tech School of Electrical and Computer Engineering.

Segundo o EurekAlert, o robô é alimentado por dois painéis fotovoltaicos e move-se ao longo de um cabo pendurado em duas árvores, tendo como missão monitorizar a temperatura, o clima, os níveis de dióxido de carbono e outras informações no Jardim Botânico de Atlanta.

Com um metro e meio de comprimento, o SlothBot tem uma concha impressa em 3D que o ajuda a proteger os seus motores, engrenagens, baterias e equipamentos de deteção de intempéries. Este robô-preguiça move-se apenas quando necessário para medir mudanças ambientais, como fatores climáticos e químicos, que só podem ser observados com uma presença de longo prazo.

Quando as suas baterias precisarem de ser carregadas, o robô vai mover-se em busca do Sol. “O objetivo mais emocionante a demonstrar com o SlothBot é a união da robótica e da tecnologia com a conservação”, afirmou Emily Coffey, vice-presidente de conservação do Jardim Botânico de Atlanta.

Além de ajudar na conservação, o SlothBot pode ter aplicações na agricultura de precisão – a câmara do robô e outros equipamentos sensoriais podem ajudar na deteção precoce de doenças nas culturas, medir a humidade e observar a infestação de insetos.

Depois da estadia no Jardim Botânico de Atlanta, os investigadores pretendem levar o SlothBot para a América do Sul, com a missão de observar a polinização das orquídeas ou a vida dos sapos ameaçados. “É muito fascinante pensar em robôs que se tornam parte do ambiente, um membro de um ecossistema.”

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Benfica 3-0 Standard Liège | “Águia” voa de forma imperial

A noite foi de festa no Estádio da Luz para os cerca de 4875 espectadores – 7,5% por cento da lotação – que se deslocaram ao reduto dos “encarnados” esta quinta-feira. O Benfica venceu por 3-0 …

Urnas abertas no Minecraft. Servem para ensinar os jovens a votar nas eleições

A organização não partidária e sem fins lucrativos Rock the Vote e a empresa criativa Sid Lee uniram-se para criar um servidor de "casa de votação" no popular jogo Minecraft antes das eleições presidenciais de …

Zorya Luhansk 0-2 Braga | “Nota artística” em triunfo minhoto

Dois jogos, duas vitórias para o Sporting de Braga no Grupo G da Liga Europa. Uma entrada de rompante em jogo, com dois golos espectaculares nos primeiros 11 minutos, permitiram aos “arsenalistas” controlar e lidar …

Amostra de ADN desvenda homicídio cometido há quatro décadas

Uma amostra de ADN, colhida de um norte-americano da Carolina do Sul após este ser detido por apontar uma arma, permitiu às autoridades desvendar um caso antigo, identificando-o como principal suspeito do homicídio de uma …

Investigadores portugueses criam simuladores para treinar médicos à distância

Investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) desenvolveram, durante o confinamento, um método para os estudantes treinarem para cenários de emergência sem saírem de casa. Em declarações à Lusa, Carla Sá Couto, do …

Restam apenas dois rinocerontes brancos do norte (mas há uma esperança para salvar a espécie)

Com a morte do último macho em 2018, o rinoceronte branco do norte chegou ao ponto em que não pode ser salvo naturalmente. Com apenas duas fêmeas restantes, a subespécie é agora tida como oficialmente …

Há uma região na América do Norte sem qualquer caso de covid-19. Tem a dimensão do México

Nunavut, uma região localizada no norte do Canadá, continua sem registar nenhum caso de covid-19. A receita para o sucesso tem vários ingredientes, mas as caraterísticas especiais da região e as medidas rígidas tomadas logo …

Site da campanha de Trump foi alvo de ataque. Hackers "fartaram-se das fake news"

O website oficial da campanha presidencial de Donald Trump foi alvo de um ataque informático que o deixou temporariamente desfigurado na noite desta quarta-feira. Os hackers responsáveis substituíram o habitual conteúdo por uma mensagem normalmente utilizada …

CV30. O poderoso anticorpo descoberto por cientistas que dá luta ao novo coronavírus

Investigadores do Fred Hutchinson Cancer Research Center, nos Estados Unidos, descobriram um potente anticorpo, encontrado no sangue de um recuperado de covid-19, que interfere com a superfície espinhosa do novo coronavírus, fazendo com que partes …

Igreja flutuante "nasceu" num canal de Londres

A Denizen Works recentemente concluiu uma igreja flutuante pouco ortodoxa em Londres, no Reino Unido. O projeto tem um novo teto que pode ser baixado ou levantado conforme as necessidades. Batizado de Génesis em homenagem ao …