Rio critica “perda de tempo” com o caso dos SMS

Estela Silva / Lusa

O economista Rui Rio, ex-presidente da Câmara Municipal do Porto

O economista Rui Rio, ex-presidente da Câmara Municipal do Porto

O ex-presidente da Câmara do Porto Rui Rio disse hoje, em Coimbra, que se deve reconhecer que o Governo “conseguiu uma solidez superior” à esperada e criticou a “perda de tempo” com o caso dos SMS da Caixa Geral de Depósitos.

“Devemos todos reconhecer que apesar de tudo, o Governo conseguiu uma solidez superior àquela que todos nós estávamos a pensar que seria possível. É um facto“, vincou o economista social-democrata, realçando que negar esse facto é “perder a objetividade na análise das coisas”.

No entanto, Rui Rio continua a acreditar que seria preferível uma “outra solução governativa”, que poderia fazer mais pelo desenvolvimento do país do que a atual, “que está muito marcada na extrema esquerda”.

“Aquilo que o Estado tem de fazer não é completamente compaginável com o equilíbrio que tem de fazer à esquerda”, nomeadamente na questão da desburocratização ou da estabilidade do quadro macroeconómico, argumentou Rui Rio, que falava como orador da conferência “As Razões Internas da Crise”, em Coimbra.

Durante a sessão, após a pergunta de um dos membros da plateia, o ex-autarca do PSD abordou ainda a questão da Caixa Geral de Depósitos (CGD).

Andamos aqui a perder tempo do SMS para cá ou para lá ou da declaração de rendimentos nos jornais ou no Tribunal Constitucional. Vale o que vale”, constatou.

Para o ex-presidente da Câmara Municipal do Porto, o que “verdadeiramente não se discute é como é que se chegou aos cinco mil milhões” necessários para a recapitalização da CGD e “de quem é a responsabilidade”.

“Só uma sociedade que não está muito equilibrada é que anda aqui a forçar um administrador da Caixa a pôr os seus rendimentos nos jornais para todos sabermos o que ele e a mulher e os filhos têm”, considerou.

“Mas, ao mesmo tempo, quando se pede ao povo para ter conhecimento de quem são os principais devedores da Caixa que nos levaram a isso, aí já não se pode publicamente dizer nada”, acrescentou.

“Não compreendo. Não estou de acordo”, vincou o político social-democrata, que mereceu uma salva de palmas no final da sua intervenção sobre a CGD por parte da plateia da conferência, uma iniciativa da Coimbra Business School – Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra.

Banco de Portugal não esteve à altura das circunstâncias

Rui Rio considerou ainda que o Banco de Portugal “não esteve à altura das circunstâncias” e apelou a uma reforma do sistema político. “Não posso considerar que as entidades reguladoras, a começar pelo Banco de Portugal, funcionam bem, porque funcionam mal”, afirmou.

O economista social democrata salientou que “não há dúvida nenhuma” que o Banco de Portugal “não esteve à altura das circunstâncias“.

Isto é factual. Podemos agora divergir porque é que não esteve à altura das circunstâncias e atribuir responsabilidades a A e a B, mas que não esteve, não esteve, ao longo de anos e anos”, vincou Rui Rio, sublinhando ainda que também “a banca não esteve” à altura.

O ex-autarca do PSD defendeu também uma reforma do sistema político, considerando que se está perante um “regime esgotado por força” dos mais de 40 anos de idade, “de uma sociedade que mudou muito” e cujas mudanças o regime não conseguiu acompanhar.

Rio considerou que o regime, com um tempo “exatamente igual ao do Estado Novo“, está “desgastado”.

O Estado Novo chegou podre ao fim. Este não está podre, mas com sinais evidentes de disfunções”, notou, defendendo a necessidade de se fazer uma reforma do sistema político.

A partir dessa medida, será possível reformar a justiça, “que não tem capacidade para se auto-reformar”, e que “se calhar funciona ainda pior do que a política”, referiu.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Holanda reduz velocidade máxima nas autoestradas em prol da qualidade do ar (e deixa o primeiro-ministro "muito infeliz")

O Governo holandês vai baixar os limites de velocidade nas autoestradas do país para travar as emissões de monóxido de nitrogénio, que contribui para a degradação da camada de ozono. O primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, anunciou …

Facebook para iOS utiliza câmara do iPhone sem que o utilizador note

Há um erro na aplicação do Facebook para iOS - sistema operativo do iPhone - que liga a câmara do telemóvel sem que o utilizador se aperceba quando este faz scrool no feed de …

Tesla vai abrir a sua primeira fábrica na Europa

O construtor de carros elétricos Tesla vai abrir uma fábrica nos arredores de Berlim, anunciou o presidente executivo da empresa, Elon Musk, na terça-feira à noite ao receber um prémio na capital alemã. “Tenho uma informação …

Continental vai contratar 300 engenheiros para o Porto

A Continental vai instalar no Porto um centro de desenvolvimento de tecnologias que poderá empregar "cerca de 300 engenheiros" e apoiará o desenvolvimento de soluções para veículos elétricos, condução autónoma e cibersegurança, anunciou esta quarta-feira …

Comissão Europeia aprova comercialização da primeira vacina para o Ébola

A Comissão Europeia anunciou no início da semana que concedeu uma autorização para a comercialização da primeira vacina contra o Ébola, designada Ervebo e produzida pela farmacêutica Merck. A vacina estava a ser produzida desde o …

Facebook lança o seu próprio MB Way

O Facebook lançou nos Estados Unidos uma nova funcionalidade para facilitar pagamentos através das quatro principais aplicações do grupo, que é semelhante ao funcionamento das transações com o MB Way. Em comunicado, Deborah Liu, responsável do …

O dilema dos chumbos, o "engano" de Ventura e o "falso liberal". O primeiro debate aqueceu

O primeiro debate quinzenal da legislatura arrancou esta quarta-feira e ficou marcado pelas retenções até ao 9.º ano - Chumba ou não chumba?, quis saber a direita, bem como pelo aumento do salário mínimo nacional …

Sondagem europeia defende tratado internacional que proíba "robôs assassinos"

Quase três em cada quatro pessoas querem que o seu governo colabore com outros países para proibir sistemas letais de armas autónomas. A organização não-governamental Human Rights Watch (HRW) divulgou esta quarta-feira os resultados de uma …

Pentágono está a criar bactérias que detetam explosivos no subsolo

O Pentágono, em conjunto com a empresa de defesa Raytheon, está a desenvolver um sistema capaz de produzir bactérias geneticamente modificadas no subsolo, com o objetivo de detetar explosivos no subsolo. Neste projeto, iniciado pela Agência …

Hospitais voltam a não poder aumentar número de trabalhadores sem visto da tutela em 2020

Os hospitais vão continuar em 2020 impedidos de aumentar o número de trabalhadores sem a autorização prévia do Ministério da Saúde, segundo um despacho a que a agência Lusa teve acesso. O despacho assinado pelo secretário …