Por que nos rimos quando sabemos que é errado

Por vezes rimos nas situações mais inconvenientes, mesmo quando não o queremos fazer. Os cientistas explicam porque razão um riso “proibido” pode ser, por vezes, prazeroso.

Para o povo Batek da floresta tropical da península da Malásia, o riso pode ser perigoso. Entre os tabus destes caçadores-coletores, rir em certas situações pode causar tempestades, doenças ou até a morte. E ainda assim, às vezes, os Batek — como qualquer outra pessoa — riem quando sabem que não deveriam. De facto, o riso pode ser especialmente prazeroso quando proibido.

O que é que este paradoxo nos diz sobre as ideias de certo e errado? Um estudo, recentemente publicado na revista American Ethnologist, com os Batek sugere que ao examinar risos contagiosos e incontroláveis pode ajudar a explicar porque é que fazemos coisas que não devemos.

Rir quando não devemos pode ser uma forma de moldar as nossas crenças éticas interagindo com os outros, testando os limites do certo e do errado. Para entender isto, devemos olhar não apenas para o que é engraçado, mas para como é que as pessoas riem.

Na floresta Batek, rir de qualquer coisa que esteja prestes a comer arriscaria diarreia e até morte em circunstâncias extremas. Rir perto de frutas, flores, abelhas, mel, certos insetos ou na verdade qualquer coisa que tenha a ver com a ecologia da estação da fruta acarreta enormes riscos. Estes incluem lagartas a sair dos olhos, uma cabeça inchada gigantesca ou incapacidade de falar.

Também pode afetar a própria estação da fruta, fazendo com que algumas frutas ou flores não apareçam. Rir muito, muito alto ou de certas criaturas — em particular sanguessugas e outros invertebrados — pode causar terríveis tempestades.

Aderir a estes tabus é visto como um comportamento ético, uma maneira de as pessoas demonstrarem respeito pelas pessoas não-humanas da floresta que fornecem sustento aos Batek. Mas às vezes as pessoas não conseguem controlar o riso.

Sociedade ou individual?

Há muito que os académicos debatem se a nossa ética é moldada pela sociedade ou se a controlamos como indivíduos. No entanto, momentos de risos proibidos entre os Batek mostram que ambas as possibilidades podem ser verdade.

Por um lado, as nossas ideias sobre o que é engraçado são moldadas pelos nossos contextos sociais. Por outro lado, as pessoas sempre terão as suas próprias reações às coisas que acontecem. Os contextos sociais ajudam a moldar essas reações, mas não são a única coisa que determina o nosso comportamento. O riso pode surgir, quer seja ou não cultural ou socialmente apropriado.

Quando se trata da ética do riso, as pessoas podem reconhecer as regras do que é apropriado, mas também lidar como bem entendem. A quantidade de liberdade que as pessoas têm para escolher o que é ético reflete a sua compreensão mais ampla dos relacionamentos com os outros.

Na sociedade igualitária de Batek, onde nenhuma pessoa tem autoridade sistemática sobre outra, a autonomia individual é primordial. Este foco na autonomia é o motivo pelo qual os Batek não se punem por risos inadequados, mesmo quando são considerados errados e arriscam consequências perigosas para o grupo, como a ira do trovão.

Por causa disto, o riso é uma ferramenta única para a socialização. Há uma interação constante entre fazer a coisa certa e fazer a quantidade certa da coisa errada. E entender como isso funciona através do riso ajuda as pessoas a estabelecerem os seus valores éticos pessoais em relação ao resto do grupo.

  ZAP // The Conversation

PARTILHAR

RESPONDER

Duas vendedoras num mercado japonês

Da noite para o dia, Japão tornou-se uma história "covidiana" de sucesso

Em meados de agosto, o Japão atingiu o pico de 6.000 casos diários de covid-19. Quase do dia para a noite, o país asiático observou, espantosa e inesperadamente, uma queda acentuada no número de infeções. …

Marcelo promulga diploma sobre preços dos combustíveis, mas diz que é insuficiente

O Presidente da República promulgou, esta quarta-feira, o diploma que permite ao Governo limitar os preços dos combustíveis, mas aponta questões por resolver. Numa nota colocada no portal da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa …

Médica que deu alta a criança que morreu em Évora acusada de negligência

O Ministério Público (MP) acusou de homicídio por negligência uma médica do Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE) que, em 2019, deu alta a uma criança de 20 meses que acabou por morrer poucas …

A escritora Paulina Chiziane

Escritora moçambicana Paulina Chiziane vence Prémio Camões

A escritora moçambicana Paulina Chiziane é a vencedora do Prémio Camões 2021, numa escolha feita por unanimidade, anunciou a ministra da Cultura, esta quarta-feira. "No seguimento da reunião do júri da 33.ª edição do Prémio Camões, …

Costa promete apresentar medidas para conter preço dos combustíveis esta semana

O primeiro-ministro garantiu, esta quarta-feira, que o Governo vai apresentar até ao final da semana um conjunto de medidas para enfrentar a crise dos combustíveis. Num debate na Assembleia da República sobre a reunião do Conselho …

Fesap junta-se à Frente Comum e anuncia greve para 12 de novembro

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (Fesap), da UGT, anunciou, esta quarta-feira, que vai avançar para a greve no dia 12 de novembro, fazendo coincidir o protesto com a paralisação nacional já marcada pela …

Patrões acusam Governo de usar a concertação social para viabilizar o Orçamento

Os patrões veem as alterações à lei laboral como uma estratégia do Governo para aprovar o Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), enquanto as centrais sindicais consideraram estas mudanças insuficientes. As alterações à legislação laboral não …

Um rato

Nova Iorque alvo de aumento recorde de casos de doença rara transmitida por ratos

Uma doença bacteriana rara, espalhada através da urina de rato, está a assolar a cidade de Nova Iorque. Este ano, pelo menos 15 pessoas terão contraído a doença. Destas, 13 foram hospitalizadas e uma morreu. A …

Portugal regista mais três mortes e 927 casos de covid-19

Portugal registou, esta quarta-feira, mais três mortes e 927 casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 927 novos …

Festejos do Sporting. IGAI garante que "não omitiu informação ou branqueou factos"

A inspetora-geral da Administração Interna garantiu no Parlamento, esta quarta-feira, que a IGAI "não omitiu informação ou branqueou factos" no relatório sobre os festejos do Sporting, sustentando que tudo o que foi investigado consta do …