Reviravolta política em Israel pode manter Netanyahu no poder

Gali Tibbon / Afp Pool

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel

Benjamin Netanyahu e o seu rival Benny Gantz estão prestes a fechar um acordo para uma governação alternada, com o atual primeiro-ministro a comandar a primeira volta. Esta medida surge após três eleições inconclusivas no país.

Segundo noticiou a NPR, Gantz, antigo chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, entrou na política em 2019 para derrubar Netanyahu. Embora tenha recusado fazer parte de um governo liderado por este, mudou de opinião na quinta-feira, apelando a um governo de união, decisão potenciada pela pandemia de coronavírus.

“Estes não são dias comuns e exigem decisões extraordinárias”, disse no Twitter.

No mesmo dia, com o apoio de Netanyahu, Gantz apresentou a sua candidatura a presidente do parlamento de Israel, o Knesset. Até então, Gantz estava pronto para avançar com uma legislação que impedia Netanyahu de formar governo. Caso avançasse, Netanyahu forçaria mais uma ronda de eleições.

Gantz afirmou que a única razão para se apresentar como candidato à presidência do Knesset passava por aumentar a probabilidade de se formar um governo de união. De acordo com os media israelitas, este não deve permanecer na posição, ocupando, provavelmente, o cargo de ministro dos Negócios Estrangeiros.

O Haarets avançou que setenta e quatro parlamentares a favor de Gantz e 18 contra. Os legisladores que o apoiaram acusam-no agora de trair a esquerda central.

Yair Lapid, co-líder da aliança azul e branca da qual Gantz fazia parte, criticou a decisão, afirmando que “o que está a ser formado não é um governo de união ou de emergência. É outro governo de Netanyahu”. Gantz “rendeu-se sem lutar”, disse, frisando que “a crise do coronavírus não nos dá o direito ou permissão para abandonar os nossos valores”.

Até agora, Gantz, pretendia não o cargo de presidente do parlamento, mas o de chefe do governo. Foi aliás encarregue pelo Presidente israelita, Reuven Rivlin, de constituir um executivo no passado dia 16. Netanyahu, contudo, tem argumentado que deveria permanecer como primeiro-ministro à luz da epidemia de coronavírus.

Esta não é a primeira vez que a crise do coronavírus tem efeitos no futuro político de Netanyahu. Como já noticiado, o seu julgamento por corrupção foi adiado devido a medidas de emergência em resposta à pandemia.

Israel tem mais de 2.660 casos de infeção, incluindo oito mortos, e as autoridades reforçaram as restrições, proibindo os cidadãos de saírem de casa, exceto para comprar alimentos e medicamentos, receber cuidados de saúde ou trabalhar.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Catorze detidos nos novos protestos em Barcelona a favor de Pablo Hasél

Pelo menos 14 pessoas foram detidas pela polícia catalã, este sábado, durante os distúrbios que se seguiram a mais uma manifestação em Barcelona a reclamar a libertação do rapper Pablo Hasél. Segundo o jornal Público, pelo …

Procuradores avançam para tribunal contra nomeações de chefias

O Conselho Superior do Ministério Público (CSMP) está envolvido numa nova polémica, depois do concurso que culminou na indigitação de José Guerra para a Procuradoria Europeia. Segundo avança o Jornal de Notícias, este domingo, um concurso para …

A partir de segunda-feira, eletrodomésticos vão ter novas etiquetas energéticas

As organizações não-governamentais ambientalistas saúdam as novas etiquetas energéticas, que entram em vigor esta segunda-feira, mas pedem “mais atenção” ao consumidor e “maior rapidez” na reclassificação de “mais produtos”. Em comunicado, a cooligação Coolproducts, um grupo …

Depois do balde de água fria da pandemia, Israel vai ficar melhor do que nunca. Tudo pelos turistas

Israel está fechado em casa e viajar para este país não faz parte dos planos de muitas pessoas. No entanto, este período de acalmia pode mesmo ser o melhor momento para planear uma viagem - …

Menos 1,3 milhões de consultas nos hospitais e menos 151 mil cirurgias em 2020

No ano em que a pandemia chegou a Portugal, houve menos 151 mil cirurgias e menos 1,3 milhões de consultas nos hospitais públicos. A covid-19, que chegou a Portugal a 2 de março de 2020, obrigou …

Várias escolas de Tóquio pedem "certificados de cabelo real" aos alunos

As escolas japonesas são conhecidas pela sua rigidez relativamente à aparência dos seus alunos, tanto que os estudantes que não seguem o padrão de "cabelo liso e preto" têm de apresentar provas. Dados divulgados, esta semana, …

UE estima normalidade nas vacinas daqui a duas semanas. Orbán recebeu vacina chinesa

A União Europeia (UE) estima que dentro de duas a três semanas "tudo vai funcionar normalmente" na produção e distribuição de vacinas nos Estados-membros. Entretanto, o primeiro-ministro húngaro já foi vacinado (mas com uma vacina …

"Os dados de milhões de pessoas estão em risco", alertam denunciantes da Amazon

Denunciantes da Amazon alertam que os dados de milhões de pessoas estão em risco devido à falta de preocupação da empresa com a cibersegurança. A par da Google, Apple, Microsoft e Facebook, a Amazon é uma …

Mais 41 mortes e 718 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Portugal registou, este domingo, mais 41 mortes e 718 novos novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 718 …

Navalny chega a colónia penal a leste de Moscovo

O principal opositor do Kremlin chegou, este domingo, a uma zona a cerca de 200 quilómetros a leste de Moscovo para ser transferido para uma colónia penal onde vai cumprir a sua pena, informou um …