Decisão inédita: Amnistia Internacional retira título a Suu Kyi por trair valores

O prémio Embaixadora da Consciência, a mais alta distinção da Amnistia Internacional, foi retirado a Aung San Suu Kyi por ter traído os valores que um dia representou.

A líder de Myanmar, antiga Birmânia, Aung San Suu Kyi traiu os valores que um dia representou pelo que lhe é retirado o prémio Embaixadora da Consciência, a mais alta distinção da Amnistia Internacional, anunciou esta segunda-feira a organização.

A Amnistia declara-se “profundamente consternada” por Aung San Suu Kyi já não ser “um símbolo de esperança, coragem e defesa eterna dos direitos humanos” e face à sua “vergonhosa traição” considera que não pode justificar a conservação do prémio.

Num comunicado, a organização de defesa dos direitos humanos indica que o seu secretário-geral, Kumi Naidoo, escreveu no domingo à líder birmanesa, prémio Nobel da Paz 1991, para a informar “com grande tristeza” que lhe ia retirar o prémio, atribuído em 2009.

“Como Embaixadora da Consciência da Amnistia Internacional a nossa expectativa era que continuasse a utilizar a sua autoridade moral para falar contra a injustiça sempre que se deparasse com ela, em particular em Myanmar”, escreveu.

A Amnistia Internacional assinala que desde que Aung San Suu Kyi se tornou líder de facto do governo de Myanmar, em abril de 2016, “a sua administração tem estado ativamente envolvida em múltiplas violações dos direitos humanos“.

Recorda ainda ter “criticado repetidamente” a responsável e o seu governo por “não falarem sobre as atrocidades militares contra a população rohingya (minoria muçulmana) do Estado de Rakhine, que viveu durante anos sob um sistema de segregação e discriminação semelhante ao apartheid“.

E precisa que, durante a onda de repressão iniciada em agosto de 2017, “as forças de segurança de Myanmar mataram milhares, violaram mulheres e raparigas, detiveram e torturaram homens e rapazes e incendiaram centenas de habitações e aldeias”. Mais de 720.000 rohingyas birmaneses fugiram para o vizinho Bangladesh desde aquela altura.

A organização reconhece que “o governo civil não controla os militares”, mas considera que Aung San Suu Kyi e o seu gabinete têm “protegido as forças de segurança” da prestação de contas “rejeitando, minimizando ou negando alegações de violações e dificultando investigações internacionais sobre abusos”.

O governo birmanês é acusado ainda de “ter ativamente instigado hostilidade contra os rohingyas” classificando-os de terroristas, acusando-os de queimarem as próprias casas e de mentirem sobre violações. “O fracasso de Suu Kyi em falar pelos rohingyas é uma das razões pelas quais já não podemos justificar o seu estatuto como Embaixadora da Consciência”, afirmou Kumi Naidoo.

“A sua negação da gravidade e escala das atrocidades significa que há poucas perspetivas da melhoria da situação”, salienta a Amnistia Internacional.

Aung San Suu Kyi também tem falhado em relação à situação nos Estados de Kachin e Shan (ambos no norte do país), não usando “a sua influência e autoridade moral para condenar os abusos militares”, para pressionar no sentido de uma responsabilização ou “para falar pelos civis das minorias étnicas que sofrem o peso dos conflitos”, considera.

A organização acrescenta que a líder birmanesa tem falhado mesmo nas áreas onde o governo civil “tem considerável autoridade para fazer reformas para melhor proteger os direitos humanos”, como as relacionadas com a liberdade de expressão, associação e reunião.

“Nos dois anos desde que a administração de Aung San Suu Kyi assumiu o poder, defensores dos direitos humanos, ativistas pacíficos e jornalistas têm sido detidos e outros enfrentam ameaças e são hostilizados e intimidados devido ao seu trabalho”, assinala a organização.

A Amnistia Internacional recorda que quando Aung San Suu Kyi pode receber o galardão, em 2013, lhe pediu para continuar a olhar para e pelo seu país e para o ajudar a ser a nação “onde a esperança e a história se fundem“.

“A Amnistia Internacional levou o pedido de Aung San Suu Kyi muito a sério e é por isso que nunca ignorará as violações dos direitos humanos em Myanmar”, disse Kumi Naidoo, adiantando que a organização continuará a lutar pela justiça e direitos humanos no país “com ou sem” o apoio de Suu Kyi.

A atuação de Aung San Suu Kyi em relação à perseguição dos rohingyas levou a que no último ano lhe tenham sido retirados vários prémios, como o Elie Wiesel do Museu do Holocausto dos Estados Unidos ou o da Liberdade de Edimburgo concedido pela cidade escocesa.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Polícia de Nova Iorque de origem tibetana acusado de espiar ao serviço da China

Um polícia nova-iorquino originário do Tibete foi acusado de espionagem pelas autoridades norte-americanas por, supostamente, ter recolhido para o Governo chinês informações sobre a comunidade tibetana em Nova Iorque. De acordo com a acusação das autoridades …

Football Leaks. PJ desconhecia acesso das autoridades francesas às provas

O inspetor da PJ, José Amador, revelou, esta terça-feira, que esta polícia não teve conhecimento do acesso das autoridades francesas às provas apreendidas a Rui Pinto durante a sua detenção na Hungria. Na quinta sessão do …

Aldeões ajudam tropas indianas que enfrentam militares chineses nos Himalaias

Cerca de 100 residentes da vila de Chushul atravessam o território indiano de Ladakh para chegar a um pico dos Himalaias conhecido como Black Top, a uma altitude de mais de 4500 metros, levando suprimentos …

Detido na Rússia líder religioso que diz ser a reencarnação de Jesus

O líder religioso, que diz ser a reencarnação de Jesus, foi detido, na Rússia, esta terça-feira, durante uma operação especial. De acordo com as imagens divulgadas pelo jornal The Guardian, vários agentes da polícia, armados e …

Covid-19: Universidade de Coimbra tem novo programa de rastreio aleatório para alunos e docentes

A Universidade de Coimbra (UC) preparou um Plano de Prevenção e Protocolo de Atuação para garantir o regresso às aulas em segurança para alunos, professores, docentes e comunidade. "Tendo em conta a situação pandémica que estamos …

Jogador substituído aos 14 segundos

Substituição insólita foi realizada na primeira divisão da Estónia. Jovem nem tocou na bola. Jogo da 21.ª jornada do campeonato nacional da Estónia, primeira divisão. O FCI Levadia recebe o JK Nõmme Kalju e vence por …

"Ato que nenhum fim pode justificar". Vaticano critica a aceitação mundial da eutanásia

Através de um novo documento, o Vaticano condenou a disseminação da aceitação internacional da eutanásia e do suicídio assistido, inclusive em alguns países tradicionalmente católicos da Europa. O Vaticano referiu no documento publicado hoje - e …

Facebook teme sair da Europa caso não possa transferir dados para os EUA

A Comissão de Proteção de Dados irlandesa propôs que os dados dos cidadãos europeus não possam sair do continente. O Facebook diz que não sabe como poderá continuar a prestar os seus serviços na Europa …

O guarda-redes do Chelsea é o melhor em quê? "Em cometer erros"

Kepa alvo de críticas fortes. Frank Lampard confirmou a chegada de mais um guarda-redes, proveniente de França. O Chelsea volta a ser notícia por causa do mercado e volta a ser notícia por causa de um …

Promotores assumem pela primeira vez que Trump pode ser investigado por fraude fiscal

O gabinete do procurador do distrito de Manhattan, que tem travado uma batalha legal com o Presidente dos Estados Unidos (EUA) para obter as suas declarações de impostos, sugeriu na segunda-feira, pela primeira vez, que podia …