Museu do Holocausto retira prémio de direitos humanos atribuído a Suu Kyi

Esta quarta-feira, o Museu do Holocausto, em Washington, retirou um prémio atribuído à líder da Birmânia, Aung San Suu Kyi, alegando passividade face à crise da minoria rohingya.

O Museu do Holocausto dos Estados Unidos retirou o prémio de direitos humanos que atribuíra à Nobel da Paz Aung San Suu Kyi, líder de Myanmar, por ter falhado na resposta à perseguição dos rohingya no país. A líder foi distinguida pelo Museu com o prémio Elie Wiesel, em 2012.

Numa resposta ao anúncio do museu, um porta-voz da líder de facto de Myanmar (antiga Birmânia) disse que a decisão parecia baseada em “informações erradas” e afirmou que a notícia deixa o governo do país “muito desapontado e triste”.

Esta é o mais recente abalo para a reputação de Suu Kyi, comprometida pelos massacres e perseguições de que têm sido alvo os rohingya em Myanmar.

Por ter passado anos em prisão domiciliária por se opor à ditadura militar no seu país, tornou-se um símbolo da luta pelos direitos humanos e ganhou o Prémio Nobel da Paz em 1991.

Em 2015, o seu partido ganhou uma vitória esmagadora e Suu Kyi assumiu o cargo recém-criado de conselheira do Estado, embora o exército ainda tenha um poder político e económico significativo.

Esperava-se que Suu Kyi fizesse a transição de respeitada figura da oposição para a de líder política reformista, mas os defensores dos direitos humanos consideram-na uma desilusão, sobretudo devido à situação dos rohingya.

Na semana passada, três laureadas com o Nobel da Paz acusaram a líder birmanesa e o exército da Birmânia de genocídio pelo papel que desempenharam na violência contra os rohingya.

O êxodo da minoria étnica e religiosa começou no final do mês de agosto do ano passado, durante a operação militar desencadeada pelo exército de Myanmar contra o movimento rebelde Exército de Salvação do Estado Rohingya, que acusam de ser responsável por ataques contra postos militares e policiais.

O Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos considerou estar em curso uma “limpeza étnica“, sublinhando que há indícios de genocídio contra a minoria muçulmana da Birmânia.

Cerca de 690 mil muçulmanos rohingya que viviam na região oeste da Birmânia refugiaram-se em campos de refugiados no Bangladesh, naquela que é considerada uma das crises humanitárias mais graves do início do século XXI.

A Birmânia não reconhece a minoria rohingya. Em 1982, retirou a nacionalidade birmanesa aos pertencentes a esta minoria e impôs restrições à sua liberdade de movimentos: não podem viajar ou casar sem autorização, nem têm acesso ao mercado de trabalho ou a serviços públicos como escolas e hospitais.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Hong Kong: Reforço policial, Parlamento suspenso e escolas fechadas

O Parlamento de Hong Kong foi suspenso, esta quarta-feira, e a segurança foi reforçada na cidade e nos campus universitários, com as escolas a fecharem num momento em que prosseguem os confrontos entre manifestantes e …

Debate quinzenal: Políticas de rendimento, Rio ao ataque com o lítio e a primeira vitória dos pequenos

Os debates quinzenais com o primeiro-ministro regressam esta quarta-feira. António Costa vai abrir o debate com uma intervenção sobre "políticas de rendimento", mas as atenções estão centradas na primeira vitória dos pequenos partidos. As políticas de …

Governo vai propor 635 euros para salário mínimo em 2020. Proposta não agrada patrões

Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, vai apresentar esta quarta-feira na Concertação Social a proposta de aumento para o salário mínimo nacional para 2020, com uma atualização de 35 euros. Esta quarta-feira, …

Novo alvo do Sporting consumia e traficava droga (e tentaram matá-lo seis vezes)

Michael, jogador de 23 anos do Goiás, é alvo do Sporting já neste mercado de transferências de inverno. O brasileiro teve uma adolescência marcada pelo consumo e tráfico de drogas. Aos 23 anos de idade, Michael …

O misterioso monstro Tully acabou de ficar ainda mais misterioso

Uma nova investigação desmente um anterior estudo que argumentava que Tully era um vertebrado. A verdadeira natureza desde "monstro" continua um mistério para a comunidade científica. De vez em quando, os cientistas descobrem fósseis que são …

Vítor Pereira condenado a oito meses de prisão com pena suspensa

O treinador português foi condenado, esta terça-feira, a oito meses de prisão com pena suspensa, na Grécia, por incitamento à violência. Vítor Pereira foi condenado pela justiça grega a oito meses de prisão, com pena suspensa, …

Hospital da Cruz Vermelha pode vir a ser vendido à Santa Casa da Misericórdia

A Cruz Vermelha Portuguesa quer vender o respetivo hospital, em Lisboa, e a Santa Casa da Misericórdia da capital está interessada na aquisição. A Cruz Vermelha acredita que a venda pode acontecer até ao final do …

Tribunal de recurso absolve Benfica de jogo à porta fechada

O Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa absolveu o Benfica das penas de disputar um jogo à porta fechada e do pagamento de uma multa de 56.250 euros, pelo seu relacionamento com grupos organizados de …

Senadora da oposição declara-se Presidente interina da Bolívia. Morales fala no “golpe mais matreiro e nefasto da história”

A senadora da oposição Jeanine Áñez assumiu esta terça-feira a Presidência interina da Bolívia, depois da renúncia de Evo Morales, numa sessão parlamentar que decorreu sem a presença de representares do Movimento para o Socialismo. Segundo …

Cientistas implantaram chip no cérebro de um paciente para ajudá-lo a superar o vício em opióides

West Virginia é o Estado norte-americano com a maior taxa de mortes relacionadas com opióides. Agora, é também o primeiro a usar estimulação cerebral profunda para combater este vício. A Universidade de West Virginia, nos Estados …