/

“Rendimento mínimo” é a ajuda mais eficaz entre os apoios às crianças

1

Pixabay

Abono de família lidera na redução da exposição à pobreza mas o RSI é o mais eficaz a baixar a “intensidade” da pobreza.

Num país onde cerca de 20% das crianças e jovens estão em risco de pobreza (dados de 2020), é importante olhar para o que o Estado consegue fazer para suavizar a situação das crianças mais frágeis economicamente.

Portugal investe menos do que os outros países da Europa em transferências sociaismetade da média europeia.

“A taxa de pobreza da área do euro reduz-se em 10 pontos percentuais com a inclusão destas transferências [sociais, excepto pensões], enquanto o seu efeito é de apenas 5 pontos percentuais em Portugal”, indicam os autores de um estudo sobre estas ajudas.

A análise foi publicada na Revista de Estudos Económicos do Banco de Portugal. O documento intitula-se “O papel das prestações familiares na redução da pobreza infantil em Portugal” e é citado pelo Jornal de Negócios.

Entre os apoios, o abono de família é o que reduz mais a exposição das famílias à pobreza.

Por outro lado, o auxílio que ajuda mais a reduzir a pobreza entre os mais novos, em termos práticos (intensidade), é o Rendimento Social de Inserção (RSI), ainda conhecido por muitos como “rendimento mínimo”.

Esta conclusão está relacionada com um factor: o RSI é atribuído às famílias mais pobres.

Estas transferências de dinheiro para as famílias pais pobres ou com mais filhos subiram em Portugal, mas a percentagem do Produto Interno Bruto (PIB) que é gasta nestes auxílios continua a ser uma das mais baixas na Zona Euro.

O abono de família, o RSI e a dedução fiscal por dependente custam 2 mil milhões de euros, ou 0,87% do PIB deste ano. O RSI representa apenas 0,1% do PIB.

Caso não existissem estas três ajudas, em Portugal a taxa de pobreza infantil aumentaria em 7,4%.

Os autores do estudo deixam ainda um reparo importante: no caso do abono de família, um aumento pequeno do salário origina, no topo de cada escalão de rendimento, uma “redução abrupta” no benefício recebido.

  ZAP //

1 Comment

  1. O Governo do Sr.º Primeiro-Ministro António Costa, está a dar subsídios até 4800.00 € a Estrangeiros para virem viver para Portugal. Esta situação é muito grave, estão a dar o dinheiro dos contribuintes que financia o Orçamento do Estado (OE) a Estrangeiros, enquanto que os Portugueses e principalmente a Classe-Média Portuguesa passam dificuldades e são submetidos ao desemprego, pobreza, miséria, e fome.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.