Ciência explica como se espalham as ideologias religiosas

JMJ Rio 2013 / Flickr

Um estudo internacional, sobre a história do Cristianismo, concluiu que a forma mais rápida de expandir uma religião é através de líderes poderosos. O segredo para disseminar uma crença passa por atrair as figuras-chave da comunidade.

A descoberta revela que o alcance de uma religião não está tão associado ao facto de todos os fiéis passarem a palavra. Está, na verdade muito mais ligado a líderes poderosos que exercem controlo sob pequenos grupos.

O estudo, publicado na semana passada na Nature Human Behaviour, reuniu uma equipa interdisciplinar de investigadores de todo o mundo, que discutiu se o Cristianismo cresceu como resultado de forças culturais de cima para baixo ou de baixo para cima.

Conduzido por Joseph Watts, do Instituto Max Planck para a Ciência da História Humana, a pesquisa analisou vários séculos de registos históricos bem detalhados de um banco de dados de culturas austronésias.

Estas comunidades do sudeste asiático eram compostas por diversos aglomerados de pessoas distantes, descendentes de uma população de Taiwan, espalhando-se até ao oeste de Madagáscar e ao leste de Rapa Nui.

Durante o século XVI e XIX, o Cristianismo foi adotado como fé central por estas culturas diferentes que se encontravam sob a influência de missionários europeus itinerantes. A maioria das populações acabou por se converter em apenas três décadas.

A diversidade de culturas austronésias conjugada com o facto de serem recentes e bem documentas, forneceram uma oportunidade perfeita para estudar as várias hipóteses associadas à disseminação de um conjunto de crenças.

O Cristianismo – que surgiu há mais de 2 mil anos como uma ramificação do judaísmo – tornou-se a religião mais popular do mundo, com mais de 2 mil milhões de fiéis.

O que este novo estudo procurou compreender foi como se deu o crescimento do Cristianismo e que fatores potenciaram a sua disseminação por todo o mundo. Os cientistas recorreram à estatística para comparar a taxa de adoção do Cristianismo com as várias características socioculturais.

Segredo está nas “figuras-chave” da comunidade

O Cristianismo parece ter-se espalhado mais rapidamente sob a influência de líderes fortes, que dominavam pequenos grupos compostos por súbditos leais.

“Notámos que as duas culturas que demoraram mais tempo a converter-se, eram as mesmas que viviam sem qualquer forma de organização política“, aponta o estudo.

Segundo os investigadores, os missionários aprenderam a atrair figuras-chave das comunidades, oferecendo-lhe bens materiais e oportunidades de comércio. Esta também era uma estratégia sólida de sobrevivência: os missionários eram novos na região e, por isso, queriam dar-se com as pessoas mais influentes.

No entanto, foram estas estruturas políticas sólidas que ajudaram a levar o Cristianismo mais longe e de forma mais rápida.

O estudo aponta ainda que os grupos mais pequenos eram mais propensos a notar as mudanças dos grupos vizinhos – característica descrita como transmissão cultural dependente da frequência.

Os autores consideram um povo ou comunidade “convertida”, quando mais de metade da sua população adota uma nova doutrina.

O estudo está longe de ser a palavra final sobre a forma como os grandes sistemas culturais, como as religiões, competem e convertem uma comunidade em detrimento de uma outra. No entanto, esta pesquisa fornece mais evidências que descrevem fatores importantes para o tema.

“Conhecer apenas algumas características de cada população, como o seu tamanho e a sua organização política, melhora drasticamente a nossa capacidade de prever corretamente se uma ideia se vai espalhar ou não na sociedade”, concluiu Nicole Creanza, especialista em evolução cultural e genética da Universidade de Vanderbilt, nos Estados Unidos, que não participou na pesquisa.

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Realmente tem lógica – as pessoas influentes e governantes, estão interessados que o povo esteja acorrentado à religião, isto é, que se agrupem ao rebanho e vivem amedrontados…

  2. As religiões espalham-se principalmente por falta de cultura/educação/ciência, além claro do obscurantismo/”manhas” típico das religiões!
    E, o Cristianismo não tem mais de 2000 anos – senão era mais antigo do que o próprio Cristo!!

  3. O medo, a ignorância e a fragilidade de muitas pessoas leva outros mais oportunistas a aproveitarem-se da fragilidade de cada um para atingirem os seus fins, por essa razão se vão inventando religiões ao gosto de cada um e cada qual com um fim específico sobretudo o de uma vida fácil para os cabecilhas das mesmas.

    • Claro e como dizia o Edir Macedo da IURD: se um crente não tem dinherio para contribuir para a igreja, Deus vai ajudar outra pessoa!!

Cabras sapadoras que ajudam no combate aos incêndios em Portugal chegam ao “New York Times”

O jornal norte-americano The New York Times visitou a aldeia de Vermelhos, no interior do Algarve, para mostrar como as cabras foram promovidas a um “bombeiro low-cost” "Portugal tem tido dificuldades em encontrar soluções para …

Estado recebeu 28 milhões de euros de jogos de casino. Movimentados mais de 4 milhões por dia em 2018

Em 2018, entraram nos cofres públicos 28 milhões de euros provenientes dos casinos e bingos portugueses, num ano em que o volume do jogo ultrapassou os 1.6 mil milhões de euros. Contas feitas, os apostadores movimentaram …

Bundesbank alerta que economia alemã pode estar a entrar em recessão

O Bundesbank alertou que a economia alemã, a maior da Europa, pode estar a recuar durante os meses de verão, depois da contração já registada no segundo trimestre, aumentando a possibilidade de entrar em recessão. No …

Turismo sustentável promove o Alqueva, o "grande lago" da Europa

Thiago Kalisvaart vem de uma família holandesa que navegou durante gerações, seguiu a tradição e lançou-se à água. Mas não navega os mares. Iça as suas velas no Alqueva, o maior lago artificial da Europa …

Estados Unidos dão mais 90 dias para negócios com a Huawei

O Governo norte-americano prolongou, esta segunda-feira, por 90 dias as isenções que permitem ao grupo chinês de telecomunicações Huawei continuar a fazer negócios nos Estados Unidos, indicou o secretário do Comércio, Wilbur Ross. Os EUA consideraram …

Venda de elefantes selvagens de África para zoológicos e parques de diversão proibida pela ONU

A Convenção sobre Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas (CITES) deu, no domingo, um passo importante para a proibição da venda de elefantes selvagens a jardins zoológicos, uma "vitória histórica" saudada pelos ecologistas. Uma larga maioria de …

Benfica tem o mesmo plano de Félix para Florentino

Florentino Luís é uma das maiores promessas da equipa do SL Benfica. As "águias" sabem disso e têm um plano para o jogador semelhante ao de João Félix. O SL Benfica não quer dar os seus …

Donald Trump volta a indicar Pence para vice-presidente em segundo mandato

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, disse no domingo que concorrerá à reeleição no próximo ano com Mike Pence como vice-presidente. "Estou muito feliz com o Mike Pence", afirmou aos jornalistas, antes de embarcar …

Já mais de 5.000 pessoas assinaram a petição contra Museu de Salazar

Pelo menos 5.650 pessoas já assinaram uma petição pública pela intervenção do Governo socialista para impedir a instalação de um museu sobre a antiga ditadura do Estado Novo e seu líder, Salazar, em Santa Comba …

Otília é a 18.ª mulher este ano a morrer num contexto de violência doméstica

Um casal foi encontrado morto em casa, este domingo, em Famalicão. As autoridades apontam para um caso de homicídio, seguido de suicídio, num ambiente de violência doméstica. Segundo o Público, o alerta soou por volta das …