Reino Unido já prepara a reabertura de escolas. Venezuela envia oxigénio para o Brasil

O Reino Unido registou 406 mortes e 18.607 novos casos de covid-19 esta segunda-feira, os valores diários mais baixos das últimas semanas, indicou o Governo britânico, que desencadeou operações de rastreamento locais para travar uma variante muito infecciosa.

Entre 26 de janeiro e 1 de fevereiro, foram registadas 8.033 mortes, o que equivale a uma média diária de 1.148 e um decréscimo de 7,4% em relação aos sete dias anteriores.

Também a média diária de infeções caiu para 23.732 casos entre 26 de janeiro e 1 de fevereiro, período em que 166.126 receberam um resultado de teste positivo, uma redução de 29,7% em relação aos sete dias anteriores.

Apesar da evolução positiva, as autoridades mantêm o apelo para as pessoas respeitarem as regras do confinamento em vigor, o qual não deverá ser levantado antes de ser concluída a primeira fase da campanha de vacinação dos quatro grupos prioritários, até 15 de fevereiro.

“Não podemos ser complacentes, e é absolutamente necessário que todos continuem a fazer a sua parte, ficando em casa e protegendo o NHS [serviço de saúde público] enquanto a vacinação continua”, urgiu o ministro da Saúde, Matt Hancock, em comunicado.

Até ao fim do dia de domingo tinham sido inoculadas 9.296.367 pessoas com uma primeira de duas doses, enquanto 494.209 já receberam a segunda dose.

Além disso, a data até aqui anunciada para a reabertura de escolas era a 8 de março, mas mesmo essa foi apresentada pelo Governo britânico como provisória – tudo dependeria, dizia-se, da evolução pandémica.

Agora, o jornal britânico The Telegraph garante que Boris Johnson instou os seus ministros a acelerarem os preparativos para o regresso do ensino presencial.

A reabertura de escolas estará já a ser planeada por o pico de infeções desta nova vaga de contágios já ter passado, de acordo com as estimativas do diretor geral da Saúde de Inglaterra, Chris Whitty.

O Reino Unido é um dos países mais afetados pela pandemia covid-19. Até hoje regisou 106.564 mortes confirmadas, o maior número na Europa e o quinto a nível mundial, atrás dos Estados Unidos, Índia, Brasil e México.

Maduro chama mesquinho a Bolsonaro

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou esta segunda-feira que o seu país vai passar a enviar oxigénio de forma permanente para Manaus, Brasil, no âmbito do combate à covid-19, acusando o seu homólogo brasileiro de ser “mesquinho”.

“Estamos a fazer uns acordos para enviar oxigénio permanentemente para Manaus. Um gesto de amor. A resposta que deu Bolsonaro [ao envio de oxigénio para o Brasil] foi mesquinha, de ódio”, disse o chefe de Estado venezuelano.

Nicolás Maduro falava, em castelhano, durante uma entrevista ao portal brasileiro Opera Mundi, transmitida pelo canal estatal Venezuela de Televisão (VTV), em que sublinhou que o Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, apenas tinha que agradecer o gesto.

“Apenas tinha que dizer ‘obrigado, muito obrigado’”, disse, em português.

Maduro apelou para que se abandone “a luta ideológica entre o Trump de Brasil, Jair Bolsonaro, e nós, a esquerda”.

No momento de salvar vidas há que pôr de lado a ideologia, e centrar-se no ser humano, em salvar a vida do ser humano”, disse.

“O Brasil deve saber que é nossa obrigação a solidariedade com a Amazónia. Somos povos irmãos e o nosso desejo é fortalecer o encontro fraterno e a cooperação mútua, que a fronteira entre o Brasil e a Venezuela seja para a paz e a solidariedade”, disse.

Maduro explicou que o oxigénio foi enviado recentemente para o Brasil por iniciativa de trabalhadores venezuelanos, destacando que a Venezuela conta com “uma estrutura construída pela revolução bolivariana, que suportou, nos últimos dois anos, as agressões da extinta administração [norte-americana] de [Donald] Trump”.

Por outro lado, afirmou acreditar que Jair Bolsonaro recusaria um encontro com ele porque “tem medo”.

“Tem medo, não quereria olhar-me nos olhos, a sério”, disse o Presidente venezuelano, insistindo que se algum dia acontecesse o “milagre” de um encontro, lhe “estenderia” os braços, defendendo que ambos “devem entender-se”.

“Enquanto ele for o Presidente do Brasil e eu da Venezuela, temos que ter a capacidade de Estado, porque somos chefes de Estado, de ouvir-nos, falar e cooperar”, frisou.

Maduro sublinhou ainda que “se Jair Bolsonaro tivesse agarrado o telefone e ligado” para dizer-lhe que necessitava de oxigénio “teria procurado atempadamente e não teria havido essa emergência”.

“Muitas coisas teríamos resolvido com uma chamada telefónica”, frisou.

A 17 de janeiro, Nicolás Maduro anunciou que a Venezuela estava a enviar “um apoio humanitário ao povo de Manaus, o oxigénio necessário para combater a covid-19″.

A ajuda, 14 mil botijas individuais de oxigénio para ajudar no colapso hospitalar de Manaus, a segunda maior cidade da Amazónia brasileira, chegou a 20 de janeiro por via terrestre.

O Amazonas atravessa uma grave crise de saúde, cuja falta de camas de hospital, oxigénio e outros equipamentos obrigou a transferência de dezenas de pacientes para outros Estados brasileiros. Essa escassez de oxigénio causou a morte por asfixia a dezenas de cidadãos, principalmente em Manaus.

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo maior número de mortos (mais de 222 mil óbitos, em mais de 9,1 milhões de casos), depois dos Estados Unidos.

Índia com o valor mais baixo em oito meses

Já a Índia registou 94 mortes por covid-19 e 8.635 casos nas últimas 24 horas, o valor mais baixo de infeções em oito meses, de acordo com dados divulgados pelo Ministério da Saúde indiano.

O país não tinha um número de contágios tão baixo desde 2 de junho de 2020, quando a contagem diária foi de 8.909, segundo a imprensa local.

A Índia tem vindo a reduzir a progressão da doença nos últimos meses, depois de atingir o valor mais alto de infeções em meados de setembro de 2010, com 97.894 contágios num só dia.

Desde o início da pandemia, o país contabilizou mais de 10,7 milhões de casos do novo coronavírus (10.766.245), mantendo-se como o segundo com mais infeções, atrás dos Estados Unidos, que no último balanço contavam com mais de 26,3 milhões.

Com um total de 154.486 mortes, a Índia é o quarto país do mundo com mais óbitos, a seguir aos Estados Unidos, Brasil e México, de acordo com a contagem independente da Universidade norte-americana Johns Hopkins.

O país tem atualmente 163.353 casos ativos da doença.

A Índia começou uma gigantesca campanha de vacinação em 16 de janeiro, tendo até agora vacinado perto de quatro milhões de pessoas (3.950.156), indicou o Ministério da Saúde indiano.

Cerca de 300 milhões de pessoas (o equivalente à população dos Estados Unidos) deverão ser inoculadas até julho, na primeira fase da campanha de vacinação, num país com 1,3 mil milhões de habitantes.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

"Sonho que se tornou pesadelo". Fernando Santos admite mudanças no onze

O selecionador Fernando Santos disse hoje que Portugal vai carimbar a passagem aos ‘oitavos’ de final do Euro2020 e admite fazer mudanças na equipa para o encontro da derradeira jornada do Grupo F, com a …

Cientistas descobriram dois novos tipos de células cerebrais em ratos

Cientistas descobriram dois novos tipos de células gliais, um tipo de células do sistema nervoso central que dá suporte ao cérebro, em ratos. De acordo com o site EurekAlert!, investigadores da Universidade de Basileia, na Suíça, …

As bactérias intestinais podem influenciar a gravidade de um AVC

Uma equipa de investigadores da Cleveland Clinic, nos Estados Unidos, descobriu uma nova associação cérebro-intestino que está a surpreender a comunidade científica. Os resultados do estudo mostram como um metabólito produzido por bactérias intestinais pode amplificar …

O icónico Tamagotchi está de volta, mas desta vez em forma de smartwatch

No ano em que se celebram os 25 anos do Tamagotchi, surge uma nova versão do icónico brinquedo. O Smart é um Tamagotchi na forma de um relógio inteligente, para se usar no pulso. O …

Rã com olhos vermelhos descoberta no Equador. Chama-se Led Zeppelin

Os seus olhos vermelhos cativaram os investigadores, que decidiram batizar de Led Zeppelin uma nova espécie de rã terrestre descoberta no Equador. A Pristimantis ledzeppelin foi descoberta pelos equatorianos David Brito e Carolina Reyes, cientistas do …

Itália 1 - 0 País de Gales | “Azzurri” vencem mas galeses apuram-se

Imparável! Com o apuramento para os “oitavos” já no bolso, a Itália entrou em campo com nada mais, nada menos do que oito mexidas em relação à equipa que tinha iniciado o último jogo, frente …

Casa de banho do século XII encontrada em bar de tapas em Sevilha

Recentemente, um grupo de trabalhadores encontrou uma casa de banho do século XII dentro de um bar de tapas espanhol. A descoberta está a ajudar a perceber como era a vida em Sevilha na época. No …

Suíça 3 - 1 Turquia | Seferovic e Shaqiri “abrem o livro”

A Suíça venceu de forma categórica a Turquia por 3-1, afastou os turcos da prova e terminou o Grupo A no terceiro lugar, com quatro pontos, esperando agora pelo final da fase de grupos para …

Presidente eleito do Irão promete governo "revolucionário e anticorrupção"

O Presidente eleito do Irão, o clérigo ultraconservador Ebrahim Raissi, prometeu hoje formar um governo "trabalhador, revolucionário e anticorrupção", aludindo ao estrito cumprimento dos princípios do sistema teocrático do país. Num comunicado, Raissi apresentou-se como “um …

Na Coreia do Norte, um pacote de café pode chegar aos 80 euros

Residentes norte-coreanos dizem que uma pequena embalagem de chá preto ou um pacote de café podem chegar aos 60 e 80 euros, respetivamente. Esta semana, o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, reconheceu que o …