//

É impossível fiscalizar novas regras da DGS para eventos familiares. “Tem de ser na base da denúncia”

2

california_bakery / Flickr

A Direcção-Geral de Saúde (DGS) passou a recomendar a realização de testes à covid-19 em eventos familiares com mais de dez pessoas, como casamentos e baptizados. Mas para fiscalizar esse tipo de situações, só “na base da denúncia”.

O alerta é do dirigente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP), Paulo Santos, que fala de uma tarefa “complexa” perante “diversos quadros familiares, muitas vezes em locais reservados ou particulares ou privados”, conforme declarações à TSF.

Tem de ser na base da denúncia, e essa actuação vai ser cada vez mais complexa se o normativo que sai cá para fora não estabelece as regras bem claras e objectivas, para que os polícias possam intervir nesse tipo de cenário”, aponta ainda Paulo Santos.

O dirigente da ASPP aponta também que são precisos mais agentes para poder fiscalizar a implementação das normas que preveem a realização de testes em eventos como casamentos, baptizados e aniversários, bem como em outros momentos que juntem mais de 10 pessoas de fora do mesmo agregado familiar.

“Não diria que é uma missão impossível, mas certamente, para darmos cumprimento à missão de forma cabal, será necessário pôr-se efectivo e uma planificação clara do que é possível fazer”, constata ainda Paulo Santos.

O líder sindical também critica a DGS, considerando que “este tipo de regras e normas que são aplicadas, muitas vezes não têm em conta aquilo que é a realidade do efectivo policial”.

  ZAP //

2 Comments

  1. Tem de haver agentes para fiscalizar casamentos, batizados e aniversários… é preciso agentes para fiscalizar as praias… e, por fim, É PRECISO AGENTES NAS RUAS A FISCALIZAR OS PORTUGUESES!!! Não me parece que tenhamos assim tantos agentes…

  2. Mesmo com denúncia antecipada aos agentes da autoridade, existem eventos que furam as regras sanitárias e não são impedidos de os realizar, promover e concretizar. E até se dão ao luxo de os propagandear nas redes sociais!

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.