Chef que trabalhou em Buckingham e na Casa Branca revela as preferências da rainha e de Bush

DR

Chef Enrico Derflingher

O chef Enrico Derflingher já alimentou algumas das figuras mais poderosas do mundo. Do Palácio de Buckingham à Casa Branca, o chef italiano sabe melhor do que ninguém quais são as preferências culinárias de Isabel II ou do ex-presidente dos EUA, George W. Bush.

Nascido em Lecco, nas margens do famoso Lago Como, no norte da Itália, Derflingher começou por trabalhar nas cozinhas do Palácio de Buckingham com apenas 26 anos de idade.

Tudo começou quando o chef respondeu a um anúncio num jornal que pedia um cozinheiro para trabalhar na Embaixada de Itália em Londres. O italiano respondeu ao anúncio, mas teve uma surpresa: afinal, a vaga era para trabalhar na cozinha de um dos palácios mais famosos do mundo.

Durante o tempo em que trabalhou para a família real, Derflingher estava encarregue de supervisionar as oito cozinhas oficiais do Palácio de Buckingham, respeitando rígidas regras da Casa Real.

“Éramos obrigados a preparar menus não só para eventos, mas para todos os dias da semana”, explica ao VICE, acrescentando que “fazia o menu todas as segundas-feiras de manhã, para que estivesse disponível para todos, incluindo para a princesa Diana. Eu morava no Palácio de Kensington, onde ela e o príncipe Carlos viviam”.

O chef recorda algumas das iguarias prediletas dos membros da monarquia e diz que “o príncipe Carlos, em particular, amava a horticultura e prestava muita atenção ao que era servido”, dando preferência a “manteiga que vinha das vacas, a caça das caçadas e a legumes da horta”.

O filho mais velho da monarca também “adorava massas recheadas como ravioli e lasanha, enquanto Diana preferia esparguete”, conta, dizendo que a “rainha gostava de cordeiro ou bife com salada”.

De acordo com Derflingher, também na hora de se alimentar, a Rainha Isabel II é rígida. A monarca exerce contenção e formalidade nas escolhas alimentares e não seria provável que fizesse nenhum pedido extravagante.

A vida culinária no palácio, diz o chef, era pontuada por refeições programadas ao segundo. “Ao meio-dia, a família fazia uma refeição rápida, depois vinha o chá das 5. Logo de seguida, tomavam um aperitivo e, quando faltava um minuto para as 20h, a rainha sentava-se à mesa”.

A correria e exigência do palácio pode ter sido um desafio na carreira do italiano, mas o trabalho para altas personalidades não ficou por aqui. Após estar em Buckingham, Derflingher seguiu diretamente para cozinhas da Casa Branca, nos Estados Unidos. Em 1989, o chef foi contratado pelo Presidente George H. W. Bush.

O cozinheiro relembra que o ambiente vivido nos Estados Unidos era totalmente diferente daquilo a que estava habituado no Reino Unido. “As formalidades reais foram substituídas pela informalidade do Presidente. Ele adorava fazer churrascos texanos no jardim e era obcecado por segurança”, afirma.

Depois de comandar algumas das maiores cozinhas do mundo, Derflingher decidiu abrir o Hotel Eden em Roma, onde trabalhou durante nove anos. Chegou a receber clientes como Margaret Thatcher e o filho do Presidente norte-americano com quem trabalhou.

Atualmente, Derflingher está a trabalhar num “projeto ambicioso” na China, que envolve serviços de catering e escolas de culinária italianas.

Ana Isabel Moura, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Marcelo sai do Infarmed "irritantemente otimista". "Onde avança a vacina, o vírus recua"

O Presidente da República elogiou, esta terça-feira, o processo de vacinação, considerando que "é excecional" o ritmo a que tem avançado, e declarou-se "irritantemente otimista", expressão que antes atribuía ao primeiro-ministro. "Eu agora também estou, como …

EUA. Casos de covid-19 podem ter sido subestimados em 60%

O número de casos de covid-19 nos Estados Unidos (EUA) pode ter sido subestimado em até 60%, com as infeções relatadas a representarem "apenas uma fração do número total estimado". Esta é a conclusão de um …

Portugal com mais seis mortes e 2316 novos casos de covid-19

Portugal registou, esta terça-feira, mais seis mortes e 2316 casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 2316 novos …

Um quarto dos processos às companhias aéreas por falta de testes à covid já resultou em multas pagas

A Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) instaurou, entre 2020 e a semana passada, 539 processos a 40 companhias aéreas por transportarem passageiros para o território nacional sem o respetivo teste negativo à covid-19. Cerca …

Colômbia pede que a Venezuela seja declarada como país promotor do terrorismo

A Colômbia pediu esta segunda-feira aos EUA que declarem a Venezuela como país promotor do terrorismo por alegadamente "proteger" guerrilheiros colombianos do Exército de Libertação Nacional (ELN) e do Grupo Armado Residual (Gaor 33, composto …

Treze meses depois, Coreias voltam a falar ao telefone

As comunicações telefónicas estavam cortadas entre as duas Coreias desde junho de 2020, mas os dois países retomaram os contactos esta terça-feira. As duas Coreias retomaram esta terça-feira a comunicação telefónica 13 meses depois de ter …

Benfica: Kaio Jorge não quer jogar em Portugal (e alínea pode impedir saída)

Santos aceitou proposta vinda da Luz mas o jovem avançado prefere o campeonato italiano. E ainda há uma alínea no contrato que vai ser analisada. O Benfica apresentou uma proposta pela contratação de Kaio Jorge, com …

Quase 70% dos internados em UCI têm menos de 59 anos

Quase 70% dos doentes com covid-19 em unidades de cuidados intensivos (UCI) têm menos de 59 anos, revelou a Ordem dos Médicos, indicando que em enfermaria os doentes abaixo dessa faixa etária são cerca de …

Reunião no Infarmed. Especialistas propõem plano de quatro níveis (e a máscara cai no nível 2)

A sede da Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed), em Lisboa, voltou a acolher mais uma reunião de peritos esta terça-feira. Foi apresentada uma proposta de alteração da matriz de risco. Portugal não está em condições de …

Mais de 11.300 suspeitas de reações adversas às vacinas registadas em Portugal

Mais de 11.300 suspeitas de reações adversas às vacinas contra a covid-19 foram registadas em Portugal e houve 68 casos de morte comunicados em idosos, mas não está demonstrada a relação causa-efeito, segundo o Infarmed. De …