Reconhecimento facial pode ajudar a resolver o assassinato de Abraham Lincoln

Alexander Gardner (1821–1882)

Abraham Lincoln, o 16.º presidente dos EUA

Uma equipa de detetives, que participam na série Mummies Unwrapped, da Discovery Channel, usou a tecnologia de reconhecimento facial para oferecer novas ideias sobre um dos mais famosos assassinatos da história dos EUA: o do presidente Abraham Lincoln.

Durante a Guerra Civil, na noite de 14 de abril de 1865, Lincoln decidiu assistir a um espetáculo no Ford’s Theater, em Washington, DC. Lá, terá sido baleado na cabeça pelo ator John Wilkes Booth.

Enquanto a nação lamentava a perda do seu 16º presidente, soldados da União perseguiam Booth, que muitos na plateia reconheceram imediatamente, já que era um ator bem conhecido. O homem fugiu primeiro para o sul de Maryland e depois para a Virgínia.

Duas semanas depois de ter matado o presidente, as tropas da União cercaram um celeiro da Virgínia, onde Booth e o seu co-conspirador estavam escondidos e atearam-lhe fogo. No caos que se seguiu, Booth foi baleado e morto.

Esta é a história contada nas escolas. Contudo, a tecnologia do século XXI está a fazer com que as pessoas questionem o que aprenderam nas aulas de História.

O Philadelphia Inquirer conta uma história de detetives que usam a tecnologia de reconhecimento facial para se debruçar sobre imagens históricas e dar algum crédito a uma teoria da conspiração que circulou entre os aficionados por anos – que Booth não morreu naquele celeiro, mas sobreviveu até 1903 usando uma identidade falsa.

A tecnologia de reconhecimento facial emparelhou fotos de Booth com as de John St. Helen de 1877 e o cadáver embalsamado de um David E. George de 1903. O software de reconhecimento facial, já com fotos de cinco mil outros homens brancos, começou a analisar meticulosamente os rostos em busca de semelhanças: os espaços entre os olhos, as linhas da mandíbula, as formas dos narizes e os ossos das bochechas.

Em menos de um minuto, os resultados voltaram e deixaram os investigadores atordoados. Os dados mostraram uma forte possibilidade de que todas as três fotografias fossem do mesmo homem. Eram uma combinação quase perfeita.

Ainda assim, os especialistas ainda duvidam que Booth tenha sobrevivido. Quando questionado sobre estas alegações, o historiador e autor David Jaher, que está a escrever um livro sobre a família Booth, disse: “Se esse é John Wilkes Booth, vou empurrar um amendoim pela ponte do Brooklyn com o nariz”.

Jaher recordou que pelo menos 25 pessoas testemunharam a morte de Booth em primeira mão, incluindo amigos e um cúmplice, e que o corpo foi examinado por um cirurgião que o conhecia bem, identificando-o pelas tatuagens e cicatrizes que tinha no corpo. Além disso, não houve relatos sobre a sobrevivência de Booth, o que Jaher acha altamente suspeito.

“Ele era uma das pessoas mais identificáveis na América naquela época”, disse Jaher. “Teria sido como Tom Cruise a assassinar George Bush. Não era possível ele conseguir ficar incógnito todos esses anos”.

Em 1995, foram feitas tentativas para exumar os restos mortais num cemitério de Baltimore para verificar se havia marcas de identificação – uma perna esquerda partida e um polegar direito esmagado – e sobrepor fotografias para combinar com o crânio com fotos de Booth. O juiz recusou o pedido depois de determinar que não poderia ser provado onde o corpo foi enterrado.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

O monumento mais alto do cemitério de Nova Orleães conta uma história de vingança e mesquinhez

Com 24 metros de altura, o Monumento Moriarty é o mais alto no cemitério Metairie de Nova Orleães, nos Estados Unidos. A sua construção conta uma história de mesquinhez: o memorial foi uma desculpa para …

FBI detém membro de um dos mais perigosos e lucrativos grupos de hackers

O FBI deteve recentemente um alegado membro de um dos mais temidos grupos de piratas informáticos do mundo, conhecido como Fin7. O grupo é suspeito de ataques informáticos que levaram a uma receita ilícita estimada em …

Artista gráfico faz reconstrução facial de Henrique VII de Inglaterra

Um artista gráfico fez uma reconstrução ultrarrealista de Henrique VII, Rei de Inglaterra entre 1485 e 1509. De acordo com o site Live Science, Matt Loughrey produziu a imagem de Henrique VII a partir da sua …

Marcelo promulga diploma que permite festa do Avante! (mas deixa recados ao Governo)

O Presidente da República promulgou, esta terça-feira, o diploma do parlamento sobre proibição de festivais e espetáculos de natureza análoga até 30 de setembro devido à covid-19, mas com reparos sobre "a garantia do princípio …

Governo italiano vai contratar 60 mil pessoas para vigiar distanciamento social

O Governo italiano vai contratar "assistentes cívicos" para garantir que os cidadãos cumprem o distanciamento social. Depois de mais de dois meses confinados nas suas casas para conter a propagação do coronavírus, os italianos começaram a …

Rio volta a admitir que PSD viabilize Orçamento Suplementar do Governo

O presidente do PSD afirmou hoje que viabilizará ao Governo uma proposta de Orçamento Suplementar, "como tudo indica que é", que proceda à adaptação de medidas a tomar até ao final do ano para o …

J.K. Rowling anuncia novo livro infantil a ser publicado gratuitamente online

A escritora britânica J.K. Rowling, autora da saga "Harry Potter", vai publicar um novo livro infantil, intitulado "The Ickabog", um conto de fadas que será disponibilizado 'online', gratuitamente e em formato de série, a partir …

Empresa portuguesa cria cabine que faz desinfeção total em 25 segundos

A Starmodular, uma empresa com sede em Belmonte, distrito de Castelo Branco, criou um sistema destinado a espaços abertos ao público que permite a desinfeção total em 25 segundos para evitar a propagação da Covid-19, …

TAP duramente criticada por marginalização do Norte. Rio fala em "empresa regional"

Rui Rio foi apenas uma das várias vozes que criticaram o novo plano de voo da TAP, em que a maioria das ligações repostas são de Lisboa. Marcelo Rebelo de Sousa também demonstrou a sua …

Teatros e cinemas podem reabrir, mas com um lugar de intervalo

Teatros, salas de espetáculos e cinemas podem reabrir com todas as filas ocupadas e um lugar de intervalo entre os espetadores, que serão obrigados a usar máscara. Teatros, salas de espetáculos e cinemas podem reabrir, a …