Quim Torra não poderá exercer cargos públicos durante ano e meio

Andreu Dalmau / EPA

Quim Torra, o Presidente do governo regional da Catalunha

Quim Torra, presidente da Generalitat catalã, foi condenado a ano e meio de interdição do exercício de cargos públicos e ao pagamento de 30 mil euros por se ter recusado a retirar os símbolos separatistas de edifícios públicos.

O Tribunal Superior de Justiça da Catalunha condenou esta quinta-feira o atual presidente do governo regional, o independentista Quim Torra, a um ano e meio de inabilitação por se ter recusado a retirar os símbolos separatistas de edifícios públicos.

A sentença indica que Torra desobedeceu à ordem da junta eleitoral central Catalunha de retirar dos edifícios públicos “toda a simbologia independentista” durante as eleições legislativas de abril.

Na sentença, o tribunal condena Torra pela sua “reiterada atitude desobediente” ao não acatar as resoluções da comissão nacional de eleições, o que na sua opinião demonstra uma “vontade consciente e uma disposição anímica inequívoca” de contrariar os mandatos da autoridade eleitoral.

A condenação é passível de recurso para o Tribunal Supremo, pelo que não implica que Torra seja imediatamente afastado do seu cargo de presidente da Generalitat.

Quim Torra tinha já reconhecido durante o julgamento que não cumpriu a ordem da comissão nacional de eleições espanhola de remover os símbolos separatistas alegando ser “ilegal” e de cumprimento “impossível”. O presidente independentista do Governo regional foi julgado pelo delito de desobediência, por se ter recusado a retirar os símbolos separatistas.

O Ministério Público espanhol pediu no julgamento a condenação a uma pena de 20 meses de inabilitação para qualquer cargo público de âmbito local, regional, estatal ou europeu e uma multa de 30.000 euros.

Desde junho de 2018, altura em que assumiu a presidência do Governo regional, Quim Torra expôs na fachada da sede do executivo catalão um cartaz com o slogan “Liberdade para os Prisioneiros e Exilados Políticos” e sobre a qual também estava uma fita amarela, símbolo de apoio a pedir a libertação de líderes separatistas em prisão preventiva e na altura a serem julgados em Madrid.

Em 11 de março, a comissão nacional de eleições ordenou ao Governo catalão que retirasse as bandeiras separatistas e os laços amarelos dos edifícios públicos regionais, considerando que eles eram “símbolos partidários” que violavam a neutralidade institucional antes das eleições parlamentares.

Depois de ignorar duas vezes o prazo imposto pela comissão nacional de eleições, o Governo catalão decidiu substituir o cartaz com um outro semelhante, mas com uma fita branca cruzada com uma linha vermelha. A JEC considerou que os laços foram “ferramentas de propaganda política” que violaram as leis de campanha.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Myanmar: Exército dispara munições reais contra manifestantes

O exército birmanês disparou este domingo contra vários manifestantes com munições reais em Bagan, a cidade histórica na área central de Myanmar, causando um ferido leve, segundo os organizadores do protesto. Milhares de birmaneses voltaram às …

Cientistas criam um "relógio" que mede a idade biológica

Dois cientistas do CECAD Cluster of Excellence in Aging Research desenvolveram um método que pode determinar a idade biológica de um organismo com uma precisão sem precedentes. Todos conhecemos a idade cronológica - a nossa idade …

"Das palavras aos atos". Marcelo com mais de 60% de mulheres na sua equipa no segundo mandato

O Presidente da República considerou este domingo que os passos dados para salvaguardar a igualdade de género em Portugal não são ainda suficientes e afirmou que quis passar "das palavras aos atos" com mais mulheres …

Governo dá 19,8 milhões às escolas para testes rápidos. Ensino privado também quer

O Conselho de Ministros aprovou, este domingo, uma resolução que permite às escolas e ao setor solidário efetuar despesa na realização de testes rápidos de antigénio à covid-19, num montante global de 19,8 milhões de …

Afinal, abandonar Montijo não obriga a indemnizar ANA (e há quem defenda opção Beja)

A alteração do local do novo aeroporto na sequência da avaliação ambiental estratégica não obriga ao pagamento de qualquer indemnização à ANA. De acordo com o esclarecimento do Ministério das Infraestruturas, uma eventual alteração do local …

Descoberta nova relação entre a biodiversidade dos animais e das florestas

Uma análise ao registo de imagens de 15 reservas de vida selvagem em florestas tropicais revelou uma relação até então desconhecida entre a biodiversidade de vários mamíferos e as florestas em que vivem. As florestas tropicais …

Pelo menos 17 mortos e 400 feridos em explosões na Guiné Equatorial

Pelo menos 17 pessoas morreram e outras 400 ficaram feridas após várias explosões registadas, este domingo, num quartel militar na cidade de Bata, na Guiné Equatorial, informaram as autoridades. De acordo com dados do Ministério da …

Marques Mendes antecipa desconfinamento a 15 de março. Creches e 1º ciclo são os primeiros a abrir

No seu habitual espaço de comentário na SIC, Luís Marques Mendes revelou, este domingo, que as creches, pré-escolar e 1º ciclo deverão abrir já a 15 de março. Segundo o comentador, o plano que vai ser …

Olivier Dassault, deputado bilionário francês, morre em acidente de helicóptero

O deputado francês Olivier Dassault, neto do fundador da Dassault Aviation, morreu este domingo, aos 69 anos, num acidente de helicóptero, no nordeste de França, avança a Agência France-Press (AFP). O acidente aconteceu este domingo perto …

Teoria ensinada na escola pode estar errada. Há um "núcleo mais interno" no centro da Terra

Uma equipa de investigadores da Universidade Nacional da Austrália confirmou, rastreando milhares de modelos numéricos, a existência do "núcleo mais interno" nas profundezas da Terra.  Na escola, os estudantes costumam aprender que o planeta Terra é …