Ministro do Ambiente diz que queixa sobre hidrogénio é “caluniosa e infundada”

Manuel Araújo / Lusa

O ministro do Ambiente disse, esta sexta-feira, em Góis, que a denúncia relacionada com o projeto do hidrogénio verde em Sines “é caluniosa e completamente infundada”.

“Espero bem que quem fez essa denúncia não seja de facto um anónimo“, afirmou o ministro do Ambiente e da Ação Climática aos jornalistas, defendendo que o autor da queixa “merece que seja instaurado contra ele um processo crime”.

“A estratégia do hidrogénio é uma coisa clara, transparente e conhecida”, declarou João Pedro Matos Fernandes.

“Não há aqui nenhuma aprovação de projeto, não há aqui nenhum contrato, nem nenhum financiamento”, sublinhou o governante, para assegurar que “todas as palavras que se associam a este processo não têm pés nem cabeça“.

Das 70 candidaturas ao projeto, “foram selecionadas 37”, incluindo a que foi apresentada pelo referido consórcio.

“Qual favorecimento?”, perguntou Matos Fernandes, para realçar que não existe qualquer “contrato estabelecido”, além de enaltecer que “as três maiores empresas de energia [portuguesas] se associaram para apresentar um projeto” destinado a “produzir hidrogénio verde a partir da água do mar”.

“Nós estamos mesmo muito satisfeitos” com o facto de aquele consórcio “ter aparecido”, acrescentou o ministro com a pasta do Ambiente.

O ministro salientou que, “no próximo ano, a central de Sines vai encerrar” e que será “fundamental encontrar emprego para as pessoas que ali trabalham”, além de que o futuro empreendimento permitirá “poupar 600 milhões de euros por ano em importação” de energia.

“Há muitas pessoas incomodadas que Portugal deixe de ser um importador de energia e passe a ser um exportador de energia. Estou até muito satisfeito e acho que é fundamental para o país que assim seja”, acentuou.

Segundo a última edição da revista Sábado, o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, e o secretário de Estado da Energia, João Galamba, estão a ser investigados num processo que averigua “indícios de tráfico de influências e de corrupção, entre outros crimes económico-financeiros”, alegadamente cometidos no âmbito do projeto do hidrogénio verde.

No mesmo dia, o ministro da Economia reagiu a esta notícia, dizendo que os factos da investigação “não têm qualquer fundamento” e acrescentando ir avançar com uma queixa-crime por “denúncia caluniosa”.

Galamba pretende apresentar queixa-crime

Também o secretário de Estado da Energia, João Galamba, através de um comunicado do Ministério do Ambiente, avançou a intenção de apresentar queixa-crime por eventual denúncia caluniosa, na sequência daquela investigação e de “transmitir à Procuradoria-Geral da República (PGR) a sua total disponibilidade para prestar os esclarecimentos necessários”.

A nota do Ministério do Ambiente e da Ação Climática acrescenta que a Estratégia para o Hidrogénio “é pública e, no seu âmbito, foi aberta uma Manifestação de Interesse, em 18 de junho” deste ano.

“Através desse mecanismo de consulta ao mercado foram apresentados 74 projetos que, após avaliação do Comité de Admissão de Projetos (que conta com o apoio técnico da Direção-Geral de Energia e Geologia e do Laboratório Nacional de Energia e Geologia), foi reduzida a uma shortlist de 37“.

Relativamente ao consórcio constituído pela EDP, REN e Galp, Bestas e Martifer, “apresentou projeto no âmbito deste instrumento de consulta de mercado” e que passou “à segunda fase”.

Contudo, a tutela adverte que “nenhum dos projetos apresentados” foi, entretanto, “aprovado ou financiado”.

“Não havendo nenhuma aprovação, nenhum contrato, nenhum financiamento e, consequentemente, nenhum pagamento, é inexplicável o teor da denúncia hoje noticiada pela revista Sábado”, finaliza o comunicado.

A PGR apenas confirmou a existência de um inquérito a correr termos no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), ainda sem arguidos constituídos.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Como cientista, gostava de em primeiro lugar saber se já fizeram testes à rede de distribuição de gás para saber se está preparada para transportar H2 sem fugas.
    A molécula de hidrogénio é 75÷ do tamanho da molécula de metano. É que se a generalidade da rede de distribuiçao não estiver preparada para transportar este gás, não estou a ver que no futuro alguém com a cabeça no sítio faça melhoramentos, pois isso implicaria custos incomportáveis e obras intermináveis nas estradas/prédios..
    Era bom termos “Elon Musks” no governo, ou pelo menos académicos/cientistas com formação na área da energia. Termos pessoas formadas em direito, economia, relações internacionais a decidirem que investir no hidrogénio é bom dá que pensar…

  2. Aposta do HIDROGENIO ‘e correcta e vamos a todo o vapor…. os desafios sao muitos… mas ambicao tambem…vamos ver se entidades, empresas estao a altura do fesafio.
    Minha opiniao deveriam chamar universidades, empresas, etc para criarem os sistemas mais correctos e mais seguros…. quanto ao resto, dificuldades aguca o engenho.
    Concordando ou nao com Planos do governo, vamos para frente com isso…

  3. Aprove-se a p…ta da lei dos corruptos em Portugal se verem privados de utilizarem dos seus bens e caso se prove corrupção ativa ou passiva, ficarem sem nada. O povo é que não pode,continuar a olhar sempre com a mesma desconfiança os políticos, ainda por cima gente nova que pode ser útil e ter um futuro promissor.

RESPONDER

Cabras

"É um terror. Nunca vi disto". Relâmpago matou 68 cabras no Alto Minho

Um relâmpago matou 68 cabras na freguesia de Gondoriz, em Arcos de Valdevez, distrito de Viana do Castelo. O pastor que perdeu os animais, Dário Silva, diz que, em "40 anos de serra", nunca viu …

Placa de pedra da Idade do Bronze poderá ser o mapa mais antigo da Europa

Uma placa de pedra da Idade do Bronze, redescoberta em 2014 em França, poderá ser o mapa tridimensional mais antigo já conhecido da Europa. De acordo com a BBC, a laje de pedra, conhecida como placa …

TAP conclui programa de rescisões (e lança nova ronda de medidas para evitar despedimento coletivo)

A TAP concluiu o programa lançado para redimensionar o corpo de trabalhadores da companhia e ficou com 750 postos de trabalho preservados e 690 adesões ao programa voluntário de medidas laborais. Num comunicado interno assinado pelo …

Segunda fase da vacinação. Peritos propõem extensa lista de novas (e raras) doenças

A segunda fase de vacinação contra a covid-19 já arrancou em alguns centros de saúde. Os peritos estão a propor uma nova e extensa lista de doenças de maior risco que passam também a ser …

Dietas veganas são boas para o coração? A Ciência sugere que não

Não há evidências científicas que sustentem a alegação de que uma dieta vegetariana faz bem ao coração. No entanto, há outros benefícios neste tipo de alimentação. Cerca de meio milhão de britânicos são agora veganos, de …

Tribunal da Concorrência corta para metade coimas aplicadas ao Montepio

O Tribunal da Concorrência reduziu esta sexta-feira de mais de cinco milhões de euros para pouco mais de dois milhões de euros as coimas aplicadas ao Montepio e a sete antigos administradores pelo Banco de …

"Contornos de desumanidade". Utentes querem poder sair dos lares (e DGS garante que vai rever norma)

Depois de uma semana em que não se registaram nenhumas mortes em lares desde o início da pandemia, as instituições pediram ao Governo que se regresse a um regime mais facilitado de saída dos utentes. Apesar …

Governo admite aumentar quotas de avaliação, mas só em 2023. FESAP exige início de 2022

A revisão do sistema de avaliação dos funcionários públicos vai produzir efeitos em 2023 e deverá manter as quotas para a nota mais elevada, embora relacionadas com o desempenho dos serviços, anunciou esta sexta-feira o …

Vida marinha está a fugir do equador (e isso pode levar a uma extinção em massa)

As alterações climáticas causadas pelo homem estão a fazer com que a vida marinha esteja a fugir do equador em direção aos polos. Isto pode levar a um novo evento de extinção em massa. A água …

"Auditores não são polícias". PwC descarta responsabilidades no capital inicial do Novo Banco

A audição conjunta de dois responsáveis da PwC na comissão de inquérito ao Novo Banco começou esta sexta-feira à porta fechada devido a questões de segredo profissional, mas o banco autorizou-os a falar publicamente e …