Depois da quarentena, compradores de artigos de luxo emergem novamente na China

Com a retirada gradual das medidas de quarentena, os chineses estão a retornar lentamente aos ‘shoppings’ e lojas, impulsionando o crescimento da indústria global de luxo, que caiu 80% no pico do coronavírus.

O fluxo de clientes nas lojas chinesas está a aumentar – depois de ter caído até 80% no pico do surto de vírus no início deste inverno -, impulsionando as vendas de marcas como a Burberry e a Gucci. A recuperação pode acelerar nas próximas semanas, alimentada pelos chamados “gastos de vingança”, noticiou a Bloomberg.

Amrita Banta, diretora administrativa da Agility Research, usou o termo – utilizado anteriormente para descrever a demanda reprimida do consumidor chinês desencadeada na década de 1980, após a Revolução Cultural – para descrever a compra de artigos de luxo por parte dos clientes, após semanas de planos cancelados.

“A China parece ter virado a esquina e as cidades estão a demonstrar um otimismo cauteloso”, disse Amrita Banta. “Vemos uma recuperação lenta, mas definitiva”.

Os compradores chineses representam mais de um terço das vendas da indústria de luxo e cerca de dois terços do seu crescimento nos últimos anos. No final de janeiro, quando Pequim impôs bloqueios para conter a disseminação do coronavírus, as vendas pararam no momento em que começava o principal período de férias do Ano Novo Lunar.

Contudo, notou a Bloomberg, o que antes parecia um primeiro trimestre desastroso para a indústria está prestes a tornar-se num primeiro semestre igual, à medida que os centros comerciais de luxo, como a Itália, aumentam as suas próprias medidas de quarentena e o vírus se espalha nos grandes mercados, como os Estados Unidos (EUA).

Apesar de o vírus se estar a espalhar a nível global, há sinais de que na China o surto está sob controle. O país tem registado números baixos de novos casos da doença, contrariamente às centenas e milhares registadas por dia há algumas semanas. E as marcas de luxo, como a Hermes, estão a reabrir as suas lojas.

“Vemos uma lenta melhoria nos negócios na China”, disse Micaela Le Divelec Lemmi, diretora executiva da Salvatore Ferragamo. “Além do tráfego, o humor dos clientes chineses também será relevante. Depois de um mês e meio de encerramentos e restrições, existe uma vontade de voltar e ter uma vida real”.

Andy Li, uma jovem de 29 anos, citada pela Bloomberg, já foi três vezes ao ‘shopping’ Maoye, na província de Shanxi, desde que as medidas de quarentena diminuíram, há duas semanas. O ‘shopping’, que abriga marcas como Gucci e Bottega Veneta, verifica a temperatura dos clientes – que devem usar máscaras – antes de permitir que entrem.

A Hermes indicou que reabriu todas as lojas na China continental, exceto duas, depois de fechar 11 das suas superfícies comerciais no auge das medidas de quarentena. O Chow Tai Fook Jewellery Group, o maior joalheiro do mundo em vendas, disse que cerca de 85% das suas mais de 3.600 lojas chinesas retomaram as operações esta semana.

O cancelamento de voos e as restrições às vendas de pacotes turísticos tornaram mais difícil para os turistas chineses viajar internacionalmente, o que pode acelerar a mudança para compras no país. Essa tendência já se estava a formar devido aos impostos e às taxas de importação, que tornavam as compras locais mais atraentes.

É improvável que os “gastos de vingança” compensem todas as vendas perdidas. De acordo com uma pesquisa realizada pelo Boston Consulting Group e Sanford C. Bernstein, o surto deve reduzir as vendas da indústria em até 40 mil milhões de euros em 2020.

“Tudo se resume à confiança dos consumidores”, disse Jason Yu, diretor da Kantar Worldpanel Greater China. Muitas pessoas que trabalham no setor de serviços ou administram pequenas empresas tiveram as suas receitas afetadas pela epidemia, podendo ter que eliminar gastos não essenciais dos seus orçamentos, considerou.

Embora o número de novos casos na China tenha diminuído acentuadamente, existe o risco de que as infeções aumentem novamente agora que mais pessoas estão a retomar as atividades, salientou a Bloomberg.

Apesar do sombrio primeiro trimestre – com as receitas a cair entre 25% e 33% em todo o mundo – a Ferragamo espera um crescimento nas vendas na China ainda este ano, caso o impacto do coronavírus continue a diminuir. A marca italiana disse estar a cortar a produção e a suspender todos os investimentos “considerados não essenciais”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas identificam pela primeira vez expressões faciais emocionais em ratos

Pela primeira vez, cientistas de Neurobiologia do Instituto Max Planck, na Alemanha, identificaram expressões faciais emocionais em ratos. À semelhança dos seres humanos, as expressões faciais dos ratos mudam quando estes animais provam algo doce …

Imprimiram corais artificiais em 3D que podem salvar recifes

Uma equipa de cientistas inspirou-se na natureza para desenvolver estruturas em forma de coral, impressas em 3D, capazes de produzir grandes quantidades de algas microscópicas. Investigadoras da Universidade de Cambridge e da Universidade da Califórnia desenvolveram …

Avalanches submarinas prendem microplásticos no fundo do oceano

As avalanches de sedimentos submarinos transportam os microplásticos para o fundo do oceano e um projeto de colaboração entre as Universidades de Manchester, Utrecht e Durham e o Centro Nacional de Oceanografia acaba de revelar …

Aos 107 anos, Cornelia Ras conseguiu vencer a covid-19

Cornelia Ras, que contraiu o novo coronavírus em meados de março, pode ser a mulher mais velha do mundo a vencer a covid-19. Nunca se é velho demais para vencer o novo coronavírus e a holandesa …

Coreia do Norte pode estar a usar fábricas de fertilizantes para extrair urânio

Um novo estudo norte-americano mostra que a Coreia do Norte pode estar a utilizar fábricas de fertilizantes para produzir mais material nuclear, extraindo urânio de ácidos fosfóricos. Segundo noticiou o Newsweek, na opinião da investigadora Margaret …

Distância social de 1,5 metros é insuficiente para travar contágio

O estudo realizado por investigadores e engenheiros especializados em dinâmica de fluidos concluiu que a distância deve ser de, pelo menos, quatro metros. Um estudo divulgado esta quinta-feira alerta que a distância social de 1,5 metros …

Estados Unidos registam 9 desempregados por segundo

O desemprego está a atingir números preocupantes nos Estados Unidos: só na última semana, 6,6 milhões de pessoas declararam estar sem emprego para poder receber apoios, um número semelhante ao da semana anterior. De acordo com …

Chineses desistem de comprar o BNI Europa. Está agora em mãos angolanas

O contexto de incerteza, provocado pela pandemia de covid-19, levou o Grupo chinês KWG a desistir de comprar 80,1% da participação do BNI Europa. O grupo chinês KWG desistiu de comprar 80,1% da participação do BNI …

Tesla usa peças do Model 3 para construir um ventilador

A Tesla também está a tentar contribuir para colmatar a escassez de ventiladores com um novo protótipo, feito com partes do Model 3. A Tesla construiu um ventilador com recurso a componentes automóveis. A fabricante elétrica …

Há acordo no Eurogrupo: 500 mil milhões de euros "disponíveis imediatamente"

Os ministros das Finanças da Zona Euro chegaram a acordo, esta quinta-feira, sobre os apoios económicos para fazer face à pandemia de covid-19. O Eurogrupo chegou a acordo sobre o pacote de ajuda económica para a …