Publicar muitas selfies faz-nos parecer menos atraentes e mais chatos

A maioria das pessoas adora publicar selfies nas redes sociais pelos mais diversos motivos, que vão desde se sentirem bem com a sua aparência e desejar mostrar a sua beleza ao mundo, até estar a passando por um mau dia e querer ganhar alguns elogios para se sentir um pouquinho melhor.

No entanto, um novo estudo, publicado na Social Psychological and Personality Science, mostra que publicar selfies pode, na verdade, prejudicar a reputação.

Investigadores da Universidade de Toronto estudaram o assunto para descobrir se a selfie realmente reflete a melhor faceta da pessoa fotografada, já que tirar autorretratos permite escolher o melhor ângulo, a melhor luz e as melhores poses para disfarçar defeitos ou ressaltar características que o indivíduo mais aprecie.

Existem ainda inúmeros filtros e efeitos disponíveis em aplicações como o Instagram, e o resultado muitas vezes são fotos que não retratam, de facto, a aparência ou até mesmo a personalidade da pessoa.

Para o estudo, os cientistas deram a 198 universitários um telemóvel equipado com câmara e pediram que tirassem uma selfie para o estudo e a publicassem nas suas redes sociais.

Em seguida, um dos investigadores tirava uma foto “normal” do mesmo jovem, usando o mesmo aparelho e com a câmara nas mesmas configurações, dando instruções para o participante que faça uma pose para a foto como se ela fosse ser publicada no Facebook.

Por fim, os entrevistados responderam a um questionário sobre narcisismo e a outro sobre a frequência com que tiravam selfies.

Com tudo isso em mãos, a equipa descobriu que metade dos participantes tirava mais de cinco selfies por semana, enquanto a outra metade não chegava à média de uma foto semanal.

Foi pedido então que ambos os grupos dessem uma nota de um a sete para as suas fotos, avaliando o quão atraentes e simpáticos se julgavam nas imagens.

O resultado: os amantes de selfies deram notas maiores para as fotos tiradas por si, enquanto os demais deram notas parecidas para as fotos próprias e para as fotos tiradas pelos investigadores.

Depois disso, a equipa mostrou as fotografias a outros 178 voluntários para que avaliassem as imagens, e estes acabaram por dar notas muito mais baixas para as fotos do que os fotografados, revelando que tendemos a supervalorizar nossa própria aparência.

Além disso, as pessoas foram consideradas menos atraentes, menos simpáticas e mais narcisistas nos autorretratos do que nas fotos tiradas pelos cientistas.

As pessoas que não têm o hábito de tirar muitas selfies acabaram a tirar notas ainda menores – provavelmente por não conhecerem tão bem os seus melhores ângulos e as suas melhores expressões.

A conclusão dos investigadores foi que as selfies acabam por ser um “tiro no pé”. Enquanto esse hábito pode favorecer o autoconhecimento, publicar muitos autorretratos pode incentivar um narcisismo danoso à própria imagem, e o resultado acaba por ser uma má impressão da pessoa, que parece convencida e dá a impressão de arrogância ou falta de simpatia.

Canal Tech

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Metro de Nova Iorque pede à Apple para melhorar sistema de reconhecimento facial

A autoridade que gere o metro de Nova Iorque, nos Estados Unidos, pediu à gigante tecnológica Apple para melhorar o reconhecimento facial dos seus dispositivos depois de serem observados vários passageiros a retirar a máscara …

Rival da Tesla diz que o seu carro terá uma autonomia de 832 quilómetros

A empresa Lucid Motors, concorrente direta da Tesla no mercado automóvel elétrico, afirma que o seu carro Air terá uma autonomia de 832 quilómetros. A confirmar-se a autonomia deste carro, o automóvel da Lucid Motors ultrapassará …

Moradores das Maurícias estão a cortar o próprio cabelo para ajudar a evitar um desastre ambiental

Moradores das Maurícias estão a cortar o seu próprio cabelo para para tentar minimizar os danos causados pelo derrame de petróleo de um navio janponês encalhado nos recifes de coral ao largo da ilha. Estima-se que …

Atalanta 1-2 PSG | Reviravolta épica vale bilhete para as “meias”

Um final impróprio para cardíacos e o epílogo perfeito num excelente jogo. O PSG esteve a perder desde o minuto 27, mas em apenas três minutos dos descontos deu a volta ao texto diante da …

Um emblemático transplante nos EUA aconteceu graças a um coração "roubado"

Um dos primeiros transplantes de coração realizados no mundo aconteceu no Estados Unidos. O que muitos não sabem é que este caso de sucesso também deu aso ao primeiro processo civil no país por homicídio …

"Pandemia de sem-abrigo" nos EUA. Há 30 milhões de pessoas sob risco de despejo

Nos Estados Unidos da América avizinha-se uma "pandemia de sem-abrigo". Até ao final de setembro, 30 milhões de norte-americanos estão em risco de despejo devido à covid-19. Nos Estados Unidos, a pandemia de covid-19 pode estar …

Tráfego nas autoestradas cai para quase metade. Foi o pior trimestre de sempre

A rede da Associação Portuguesa das Sociedades Concessionárias de Autoestradas ou Pontes com Portagens (APCAP) registou de abril a junho "o pior trimestre de circulação e tráfego médio desde que há registos", recuando 46% devido …

Bielorrússia cortou acesso à internet e tentou fazer com que parecesse um acidente

No seguimento da reeleição de Alexandr Lukashenko na Bielorrússia, multiplicam-se os apagões de internet. O Governo diz que se trata de um ataque cibernético, mas há suspeitas de que seja um plano do presidente. Os protestos …

Resgatados 28 cães sem registo ou vacinas de barracões onde também vivia a proprietária em Lisboa

Vinte e oito cães foram retirados pela PSP terça-feira de barracões em Lisboa onde também vivia a proprietária, avança a agência Lusa, detalhando que os animais serão depois colocados para adoção.  Os animais foram posteriormente recolhidos …

Pela primeira vez em 300 anos, é possível visitar esta ilha em Cabo Cod

Pela primeira vez em 300 anos, uma ilha ao largo da costa de Cabo Cod, península em forma de gancho no estado norte-americano de Massachusetts, está aberta ao público. A Ilha Sipson é propriedade privada desde …