PS e PSD “cozinham” em segredo Lei sindical da PSP (enquanto Bloco e PCP acham que está “em coma”)

Miguel A. Lopes / Lusa

António Costa, Rui Rio

A nova Lei sindical da PSP está na gaveta há mais de dois anos, mas PSD e PS estão a ultimar os detalhes finais do diploma nos bastidores, sem o conhecimento dos parceiros do Governo socialista, Bloco de Esquerda e PCP, que acreditam que o processo está “em coma”.

A proposta para a nova Lei sindical da PSP está no Parlamento desde Dezembro de 2016, mas não sofreu grandes avanços, depois de ter recebido críticas da direita e da esquerda.

Contudo, PSP e PS estão a ultimar o processo nos bastidores do Parlamento, conforme avança o Diário de Notícias (DN) que fala num “acordo secreto” entre os dois maiores partidos portugueses para levar a Lei à discussão na especialidade na próxima semana.

O PS nem sequer informou Bloco de Esquerda e PCP sobre as negociações, garante o jornal. Para todos os efeitos, para os aliados dos socialistas, a proposta “está completamente parada na especialidade” e “em coma”, como referem os deputados bloquista e comunista Sandra Cunha e António Filipe ao DN.

Fontes de PS e PSD confirmam à TSF que os dois partidos estiveram reunidos na terça-feira, para discutir propostas de alteração ao diploma inicialmente apresentado pela antiga ministra da Administração Interna Constança Urbano de Sousa.

A deputada socialista Susana Amador constata que estas conversações são “essenciais para a maioria qualificada” que é necessária para aprovar a Lei, mas sublinha que não há “nenhum tipo de acordo secreto”.

“As negociações estão a decorrer de forma favorável e há condições para nos próximos dias solicitar o agendamento da proposta de Lei e das alterações” na Comissão de especialidade, refere Susana Amador, acrescentando que acredita que, nessa altura, será viável “aglutinar o mais possível com o PCP, com o Bloco de Esquerda e com os outros partidos que têm contribuições”.

A “lei da rolha”

O diploma apresentado por Constança Urbano de Sousa causou polémica porque, além do abuso das folgas sindicais que motivou a apresentação da nova Lei, as propostas visavam também impor limitações à actividade sindical, proibindo os dirigentes de se pronunciarem sobre matérias relacionadas com as condições de trabalho.

A proposta ficou, assim, conhecida como a “lei da rolha” e criou-se um impasse no processo, com críticas de Bloco, PCP e CDS, e reticências do PSD.

PS e PSD devem, agora, deixar cair as alterações referentes às limitações quanto à liberdade de expressão. “Será reposta a redacção da lei vigente para que a liberdade sindical não sofra nenhuma retracção“, sustenta no DN uma fonte parlamentar que está a acompanhar as negociações entre os dois partidos.

No âmbito das folgas dos sindicalistas, “serão definidos critérios adequados em relação aos créditos sindicais para garantir o equilíbrio entre a liberdade sindical e a segurança pública”, refere a mesma fonte.

Em 2017, os 3680 dirigentes e delegados dos Sindicatos da PSP tiveram direito ao gozo de 36 mil dias de folga. Cada dirigente sindical tem direito a “4 folgas por mês para actividade sindical”, enquanto “os delegados têm 12 horas”, como repara o DN. Isto constitui um problema para uma força de segurança que já se debate com problemas de recursos humanos devido à falta de efectivos.

SV, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Arquitetura óssea pode inspirar asas de aeronaves mais fortes

Uma nova descoberta na estrutura interna do osso pode levar a um melhor tratamento da osteoporose e a componentes de aeronaves mais duráveis. A densidade tem sido a referência para medir a força óssea. No entanto, …

Até as estrelas têm auroras (e já as podemos ver)

Uma equipa internacional de astrónomos observou sinais de rádio estranhos vindos de uma anã vermelha. Estas ondas bizarras estavam a ser produzidas pela interação com um exoplaneta que orbitava a estrela, criando uma aurora. Apesar de …

Tiroteios em dois bares fazem oito mortos na Alemanha

Pelo menos oito pessoas morreram hoje em dois tiroteios em dois bares na cidade alemã de Hanau, no centro do país, indicou a polícia local, sem precisar o número. O primeiro tiroteio ocorreu num bar de …

Descobertos sarcófago e altar dedicado ao fundador de Roma do século VI a.C.

Os dois objetos foram descobertos numa área subterrânea perto da Cúria, foi anunciado esta terça-feira. Um sarcófago considerado "excecional" e um altar do século VI a.C., que poderá ter sido dedicado a Rómulo, fundador de Roma, …

40 anos depois, cientistas identificam falha fundamental na eficiência dos painéis solares

Os painéis solares são uma das invenções mais impressionantes, mas é emergente descobrir como torná-los ainda mais eficientes. Recentemente, uma equipa de cientistas resolveu um mistério de 40 anos em torno de um dos principais …

SIC vai lançar serviço de streaming e canal de e-sports este ano

A SIC vai avançar para uma plataforma de streaming ainda em 2020. A "Netflix à portuguesa" ainda não tem nome, mas tem como objetivo "encontrar mais e novas audiências". Em entrevista ao jornal Público, o CEO …

Dagmar Turner tocou violino enquanto lhe era removido um tumor do cérebro

Uma paciente do King's College Hospital, no Reino Unido, tocou violino enquanto os médicos lhe removiam um tumor do cérebro. Desta forma, foi possível preservar a sua capacidade de tocar e a sua paixão de 40 …

"Não é aceitável". Tribunal de Contas refuta acusações de Manuel Heitor

O Tribunal de Contas (TdC) refutou as acusações do ministro do Ensino Superior sobre a auditoria ao modelo de financiamento do setor, considerando-as inaceitáveis e infundadas. "O tribunal tem o máximo respeito pela opinião dos auditados, …

"Lava que se farta". Isabel dos Santos recorre da absolvição de Ana Gomes

A empresária angolana recorreu para o Tribunal da Relação de Lisboa por causa das publicações no Twitter nas quais a antiga eurodeputada acusa a empresária, por exemplo, de "lavar que se farta". Em janeiro, o Tribunal …

Ministro considera "inaceitável" que TAP pague prémios em ano de prejuízos

O ministro das Infraestruturas e da Habitação considerou "inaceitável" que a TAP, empresa que "tem 100 milhões de euros de prejuízos" em 2019, atribua prémios a uma minoria de trabalhadores. "É uma falta de respeito para …