Protestos norte-americanos contra uso de máscara impulsionam manifestações na Europa

1

Yauhen Yerchak / EPA

Novos picos de infeção por coronavírus têm sido registados nas últimas semanas, o que não tem impedido o aumento de manifestantes na Europa, com a população a sair às ruas em defesa de teorias de conspiração sobre a pandemia, protestando contra o uso de máscaras e contra outras medidas de proteção à saúde.

“Não usarei máscara, não serei testado, rastreado ou envenenado”, lia-se numa manifestação em Londres, na Inglaterra, em julho. A 01 de agosto, 20 mil pessoas participaram de um protesto anti-máscara em Berlim, na Alemanha, exigindo “liberdade” e “resistência” e classificando a pandemia como uma farsa, noticiou o Huffpost.

No domingo, centenas de manifestantes se reuniram em Madrid para protestar contra o uso obrigatório de máscaras nos espaços públicos, uma medida imposta pelo Governo na sexta-feira. Além disso, as autoridades proibiram que os cidadãos fumem em áreas externas quando não é possível manter uma distância segura.

Os manifestantes apelaram à “liberdade” – exigindo que o uso de máscaras seja voluntário – e ao direito de escolher se desejam tomar uma vacina contra a covid-19. Muitos negaram a existência do coronavírus.

A Espanha registou quase três mil novos casos na sexta-feira, cerca do dobro da média dos primeiros 12 dias de agosto, elevando o total de infetados para 342.813. Na terça-feira, o presidente da Sociedade Espanhola de Imunologia, Marcos López Hoyos, alertou que a situação no país pode piorar “a qualquer momento”.

Nos últimos meses, protestos semelhantes ocorreram também em Madrid. O último foi promovido nas redes sociais pelo cantor espanhol Miguel Bosé, um dos principais defensores das teorias da conspiração sobre o coronavírus, que classificou a pandemia como “uma grande mentira”, lançando uma campanha contra uma eventual vacina.

Tatyana Zenkovich / EPA

Segundo o músico, a vacina é uma desculpa para os governos internacionais implantarem microchips na população e controlá-la através de equipamentos com acesso à rede 5G. “Assim que ativarem a rede 5G (fundamental na estratégia de dominação global), seremos ovelhas à sua mercê”, escreveu Bosé nas redes sociais, em junho.

Muitos dos manifestantes que compareceram ao protesto de domingo em Madrid souberam do evento através das redes sociais e de plataformas de mensagens como o Telegram, que permite aos utilizadores criar grupos com milhares de participantes.

O HuffPost Espanha obteve acesso a um desses grupos, com mais de 50 mil membros, no qual foram partilhadas teorias da conspiração sobre o coronavírus, organizados protestos e sugeridos ‘slogans’ para as próximas manifestações. Algumas mensagens sugeriam que a pandemia é uma conspiração contra Donald Trump.

“A pandemia acabou. Não há e nunca houve vírus, as pessoas ficaram doentes com a vacina contra a gripe que continha um agente tóxico de coagulação do sangue”, lia-se numa mensagem. “Quarentenas, máscaras, luvas e toalhitas com álcool são ilegais. É tudo um plano de Bill Gates, dos banqueiros, dos laboratórios e dos políticos para a redução da população mundial. A máscara é desnecessária e vai contra os direitos humanos”.

Muitas das notícias compartilhadas através do grupo do Telegram provêm do Breitbart News, uma plataforma conservadora de ideologia de extrema-direita. As ações do grupo se inspiram em protestos norte-americanos de extrema-direita, com imagens dessas manifestações a serem compartilhadas com frequência.

“Esses movimentos são baseados na negação. Por outras palavras, se algo nos magoa ou assusta, o mais fácil é negar”, disse ao HuffPost Espanha Guillermo Fouce, professor de psicologia social. “Já que a ciência não consegue dar todas as respostas, há quem se aproveite dessa falta de informação oferecendo soluções fáceis”, reforçou.

  ZAP //

1 Comment

  1. “…Duas coisas são infinitas: o universo e a estupidez humana.
    Mas, em relação ao universo, ainda não tenho certeza absoluta.”
    Penso eu e pensa um tal de Albert Einstein.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.