Propostas de lei polémicas incentivam o estudo da Bíblia em escolas norte-americanas

O número crescente de estados norte-americanos têm vindo a discutir projetos de lei que permitem, incentivem e, em alguns casos, exigem que as escolas públicas ofereçam aos alunos aulas sobre a Bíblia.

Só este ano, pelo menos dez estados norte-americanos debateram propostas para que os estudantes possam participar em aulas sobre o Antigo e o Novo Testamento e sobre a influência da Bíblia na literatura, cultura e história dos Estados Unidos e do mundo.

Para os defensores, estas medidas são uma forma de resgatar valores tradicionais nas escolas públicas e permitir que os alunos estudem aprofundadamente o texto religioso. Além disso, defendem que muitas das comunidades são profundamente religiosas, pelo que várias escolas ficam situadas em áreas rurais onde quase todos os moradores são cristãos evangélicos.

No entanto, os críticos alertam que estas aulas podem violar a separação entre a Igreja e o Estado, e mostram preocupação pelo facto de os professores poderem cair em proselitismo. Os estudantes que não são cristão podem também sentir-se excluídos, havendo o risco de as escolas violarem a Primeira Emenda à Constituição, que impede o Governo de dar primazia a uma determinada religião.

Em 1963, a mais alta instância da Justiça norte-americana decidiu que a leitura da Bíblia em escolas públicas é inconstitucional, mas permitiu que o texto fosse ensinado, como parte de um programa secular, e não como uma religião.

À BBC, a vice-presidente da Americans United for Separation of Church and State, Maggie Garrett, afirmou que “estas propostas são descritas como ensino da Bíblia enquanto literatura, mas sabemos, pela linguagem usada pelos autores e pelos defensores destes projetos de lei, que o objetivo real é ensinar religião em escolas públicas“.

A Florida tem discutido a obrigatoriedade de as escolas públicas oferecerem disciplinas sobre a Bíblia. O deputado estadual republicano Mike Hill, coautor do projeto de lei, acredita que a retirada da Bíblia das escolas públicas, na década de 1960, teve efeito negativo na sociedade norte-americana.

“A Bíblia está repleta de sabedoria. Acho que ninguém pode negar que precisamos de sabedoria nas nossas escolas e no discurso público”, diz à BBC. “O facto de sermos uma nação cristã não significa que vamos forçar todos os alunos a serem cristãos. É exatamente o oposto. Toleramos todas as religiões”, garante.

O deputado acredita que o crescente interesse em levar a Bíblia de volta às salas de aula se deve, em parte, ao Presidente Donald Trump. Em janeiro, Trump escreveu no Twitter uma mensagem de apoio aos estados que estão a apresentar projetos de lei deste género.

Os opositores desta medida estão preocupados com o grande número de estados que ponderam este tipo de projetos de lei. Este ano, foram apresentados projetos semelhantes em Dakota do Norte, Carolina do Sul, Flórida, Indiana, Mississippi, Missouri, Virginia e Virginia Ocidental. Alabama e Iowa já haviam considerado propostas deste tipo no ano passado.

ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Detetadas "partículas fantasmagóricas" que o Modelo Padrão não pode explicar

O observatório IceCube, localizado no Pólo Sul, revelou que a Antena Antena Antártida de Impulso Transitivo (ANITA) detetou alguns "sinais muito estranhos" que "não pode ser explicados" pelo Modelo Padrão da Física. O projeto ANITA, …

Descoberto primeiro asteróide que se move apenas dentro da órbita de Vénus

Uma rede de telescópios robóticos operados à distância observou um asteróide que, além de ser o asteróide mais próximo do Sol, é também o primeiro asteróide descoberto que se move completamente dentro da órbita de …

Mark Zuckerberg tem medo do TikTok (e já se sabe porquê)

Mark Zuckerberg já deixou claro, mais do que uma vez, que não gosta do TikTok. No entanto, agora sabemos o que está por trás desta hostilidade pelo rival: a aplicação está a crescer muito, mesmo …

A empresa mãe da Google já vale um bilião de dólares

Esta quinta-feira, a Alphabet, empresa mãe da Google, conseguiu uma cotação na bolsa de 1 bilião de dólares, cerca de 900 mil milhões de euros. A Alphabet tornou-se, esta quinta-feira, a quarta empresa norte-americana a conseguir …

Cientistas criam "cimento vivo" capaz de se "curar"

Uma equipa de cientistas dos Estados Unidos criou um "cimento vivo" juntando areia e bactérias num material de construção capaz de se auto-reproduzir, de absorver dióxido de carbono e manter a resistência. "Já usamos materiais biológicos …

Sporting 0-2 Benfica | Águia vence dérbi e foge na frente

O Benfica foi o grande vencedor do dérbi lisboeta. Na visita ao Sporting, os “encarnados” marcaram dois golos sem resposta, ambos na segunda parte, por Rafa Silva, entrado no decorrer da segunda parte, após ter …

Um em cada seis homens é vítima de abuso sexual antes dos 18 anos

Um em cada seis homens é vítima de abuso sexual antes dos 18 anos e podem levam décadas até pedir ajuda, por nem sempre aceitarem e entenderem que sofreram violência sexual. Na maior parte dos …

"Messiah", da Netflix, reacende controvérsia sobre os limites da liberdade de expressão

A série Messiah, disponível na plataforma de streaming Netflix, acende a controvérsia em torno dos limites da liberdade de expressão e da criatividade no mundo das artes e do entretenimento. Messiah, uma série produzida por Michael …

Quadro encontrado por jardineiro era mesmo a obra desaparecida de Klimt

Em 1997, Retrato de uma Senhora desapareceu da Galeria de Arte Moderna Ricci Oddi, em Piacenza. Em dezembro, o quadro foi descoberto. Estava escondido numa parede da instituição. O quadro encontrado em dezembro, escondido na reentrância …

Terramotos modificaram a geografia de Porto Rico (e a NASA mostra como)

Os terramotos que Porto Rico tem sentido desde dezembro passado, que causaram pelo menos um morto e milhões de dólares em prejuízos, estão também a mudar a geografia desta ilha das Caraíbas. A agência espacial …