Propostas de lei polémicas incentivam o estudo da Bíblia em escolas norte-americanas

O número crescente de estados norte-americanos têm vindo a discutir projetos de lei que permitem, incentivem e, em alguns casos, exigem que as escolas públicas ofereçam aos alunos aulas sobre a Bíblia.

Só este ano, pelo menos dez estados norte-americanos debateram propostas para que os estudantes possam participar em aulas sobre o Antigo e o Novo Testamento e sobre a influência da Bíblia na literatura, cultura e história dos Estados Unidos e do mundo.

Para os defensores, estas medidas são uma forma de resgatar valores tradicionais nas escolas públicas e permitir que os alunos estudem aprofundadamente o texto religioso. Além disso, defendem que muitas das comunidades são profundamente religiosas, pelo que várias escolas ficam situadas em áreas rurais onde quase todos os moradores são cristãos evangélicos.

No entanto, os críticos alertam que estas aulas podem violar a separação entre a Igreja e o Estado, e mostram preocupação pelo facto de os professores poderem cair em proselitismo. Os estudantes que não são cristão podem também sentir-se excluídos, havendo o risco de as escolas violarem a Primeira Emenda à Constituição, que impede o Governo de dar primazia a uma determinada religião.

Em 1963, a mais alta instância da Justiça norte-americana decidiu que a leitura da Bíblia em escolas públicas é inconstitucional, mas permitiu que o texto fosse ensinado, como parte de um programa secular, e não como uma religião.

À BBC, a vice-presidente da Americans United for Separation of Church and State, Maggie Garrett, afirmou que “estas propostas são descritas como ensino da Bíblia enquanto literatura, mas sabemos, pela linguagem usada pelos autores e pelos defensores destes projetos de lei, que o objetivo real é ensinar religião em escolas públicas“.

A Florida tem discutido a obrigatoriedade de as escolas públicas oferecerem disciplinas sobre a Bíblia. O deputado estadual republicano Mike Hill, coautor do projeto de lei, acredita que a retirada da Bíblia das escolas públicas, na década de 1960, teve efeito negativo na sociedade norte-americana.

“A Bíblia está repleta de sabedoria. Acho que ninguém pode negar que precisamos de sabedoria nas nossas escolas e no discurso público”, diz à BBC. “O facto de sermos uma nação cristã não significa que vamos forçar todos os alunos a serem cristãos. É exatamente o oposto. Toleramos todas as religiões”, garante.

O deputado acredita que o crescente interesse em levar a Bíblia de volta às salas de aula se deve, em parte, ao Presidente Donald Trump. Em janeiro, Trump escreveu no Twitter uma mensagem de apoio aos estados que estão a apresentar projetos de lei deste género.

Os opositores desta medida estão preocupados com o grande número de estados que ponderam este tipo de projetos de lei. Este ano, foram apresentados projetos semelhantes em Dakota do Norte, Carolina do Sul, Flórida, Indiana, Mississippi, Missouri, Virginia e Virginia Ocidental. Alabama e Iowa já haviam considerado propostas deste tipo no ano passado.

ZAP ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Marcelo não se pronuncia sobre pedidos de demissão de Cabrita

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, recusou pronunciar-se sobre os pedidos de demissão de Eduardo Cabrita. Marcelo Rebelo de Sousa entende que os pedidos de demissão de ministros são "típicos da luta político-partidária" e …

TAP vai pedir a insolvência da Groundforce

Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas, disse esta segunda-feira aos representantes dos trabalhadores que a TAP vai avançar com um pedido de insolvência da Groundforce. A TAP anunciou esta segunda-feira que vai avançar, ainda hoje, com …

Ida de Luís Filipe Vieira para o Benfica "foi um pedido de várias instituições financeiras"

Luís Filipe Vieira diz que os bancos quiseram, no início dos anos 2000, que fosse para o SL Benfica devido à sua situação financeira, pois estavam interessados na sua viabilização. Aos deputados, o presidente das …

Alemanha autoriza vacina da Johnson & Johnson a menores de 60 anos

A Alemanha recomenda a vacina da Johnson & Johnson (Janssen) contra o novo coronavírus a partir dos 60 anos, mas permitirá o seu uso em pessoas abaixo desta idade após consulta médica e decisão pessoal. O …

Livatino é o primeiro juiz a ser beatificado. Foi morto pela máfia italiana

A Igreja Católica beatificou este domingo o juiz italiano Rosario Livatino, assassinado em 1990 pela máfia em Agrigento, na Sicília, Itália. Rosario Livatino, que hoje teria 69 anos, foi assassinado em 21 de setembro de 1990 …

Castelo do Drácula oferece vacinas contra a covid-19 aos visitantes

O castelo do Drácula, na Roménia, está a oferecer vacinas contra a covid-19 a todos os que o visitem. Nas ilhas Baleares, os turistas vão poder contar com um seguro de repatriamento. Segundo conta a BBC, …

Trabalho ilegal. Bloco propõe alteração à lei para criminalizar "toda a cadeia"

Catarina Martins anunciou, esta segunda-feira, que o Bloco de Esquerda quer alterar a lei de 2016 para garantir uma melhor fiscalização e condenação dos responsáveis pela exploração de trabalhadores em Portugal. Em Odemira, a coordenadora do …

Laos regista primeira morte por covid-19 desde o início da pandemia

Uma mulher de 53 anos - que tinha diabetes e outros problemas de saúde - foi a primeira vítima mortal por covid-19 em Laos, em mais de um ano de pandemia. Segundo noticiou a agência …

Arábia Saudita vai impor vacinação aos funcionários que queiram voltar ao local de trabalho

A Arábia Saudita quer alcançar a imunidade de grupo o quanto antes. Para aumentar os esforços de vacinação, foram abertos mais de 580 locais de vacinação no país. Além disso, os residentes já podem reservar …

Elon Musk revela que tem síndrome de Asperger

O empresário Elon Musk, de 49 anos, revelou este fim de semana, no Saturday Night Live (SNL), que tem síndrome de Asperger. Musk foi convidado para apresentar o Saturday Night Live - um papel cobiçado que …