Professores dão caixas vazias ao Governo para encher com medidas prometidas

Tiago Petinga / Lusa

Esta quinta-feira, cerca de uma centena de professores desfilaram por Lisboa até à presidência do Conselho de Ministros, onde deixaram caixas vazias para o Governo colocar as medidas prometidas e não cumpridas para melhorar o desempenho nas escolas.

Por volta das 11h00 desta quinta-feira, os professores, com gorros de Pai Natal e sininhos nas mãos, concentraram-se em frente ao Ministério da Educação, de onde partiram rumo à presidência do Conselho de Ministros, entoando canções de Natal com letra adaptada às suas reivindicações.

Na linha da frente do desfile, um grupo de docentes transportou “presentes de Natal”, que explicou serem caixas vazias das promessas feitas pelo Governo que esperam que sejam introduzidas no próximo ano.

Cada caixa que foi entregue na presidência do Conselho de Ministros trazia uma mensagem relativa a uma das medidas: “Contagem integral do tempo de serviço”, “condições de trabalho adequadas”, “aposentação aos 36 anos de serviços” ou “a cada necessidade permanente, um vínculo estável” eram algumas das mensagens.

“As medidas positivas que este Governo tomou relativamente à educação e à escola pública foram zero”, acusou Mário Nogueira, secretário-geral da Fenprof, em declarações aos jornalistas,

O sindicalista lembrou que os governantes assumiram vários compromissos, tais como o rejuvenescimento do corpo docente, a contagem integral do tempo de serviço, o fim da precariedade e a regularização dos horários de trabalho, mas no final do ano “ficou tudo por cumprir”.

Mário Nogueira defendeu que estas medidas “têm a ver com os direitos dos professores, mas também com as condições de trabalho nas escolas, que acabam por se traduzir no sucesso dos alunos”, acrescentando que espera que os governantes as implementem no próximo ano.

Os sindicatos têm já agendadas várias ações para o próximo ano como forma de protesto contra o Governo, em especial pela decisão de recuperar apenas dois anos, nove meses e dezoito dias do tempo de serviço congelado.

Apesar de o Governo ter dado como terminado nesta semana o processo negocial relativo à recuperação do tempo de serviço, os professores voltaram esta quinta-feira a garantir que a luta não irá parar enquanto não virem recuperados os nove anos, quatro meses e dois dias.

“Fique a saber o Governo que este processo não foi encerrado e, por isso, no dia 3 de janeiro, estaremos aqui à porta prontos para voltar a negociar o tempo de serviço”, afirmou Mário Nogueira, durante a concentração em frente ao Ministério da Educação.

O sindicalista lembrou ainda que 2019 é ano de eleições, garantindo que os professores não irão “inventar exigências”, mas que será “um ano de grande luta”.

Mário Nogueira considerou que ainda é cedo para falar de novas greves no próximo ano, uma vez que ainda estão à espera que o Governo retome o processo negocial, apesar de estarem a receber no sindicato contributos de professores sobre ações de luta.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Balas que assassinaram John F. Kennedy preservadas em modelo 3D

A partir do próximo ano, os Arquivos Nacionais dos Estados Unidos vão disponibilizar, no seu catálogo online, imagens 3D das balas que assassinaram o antigo presidente norte-americano John F. Kennedy. Para criar os modelos das …

Pela primeira vez, neurónios artificiais foram criados para curar doenças crónicas

Uma equipa de investigadores conseguiu recriar as propriedades biológicas dos neurónios em chips, que podem ser úteis ajudar na cura de doenças neurológicas crónicas. Naquele considerado um feito única na ciência, investigadores da Universidade de Bath …

Cientistas encontram uma relação negativa "muito forte" entre inteligência e religiosidade

Uma equipa de investigadores sugere que pessoas religiosas tendem a ser menos inteligentes do que pessoas sem crenças religiosas. O estudo tem gerado uma grande controvérsia. A religião é um tema forte, capaz de juntar ou …

Descoberta nova espécie de tubarão pré-histórico que podia chegar aos sete metros

Uma nova espécie de tubarão pré-histórico foi descoberta no Kansas, nos Estados Unidos. Este predador podia crescer até quase sete metros de comprimento. De acordo com a revista Newsweek, Kenshu Shimada, da Universidade DePaul, e Michael …

Conhecido medicamento para diabetes pode conter um carcinógeno

A Food and Drug Administration, agência federal e reguladora do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, está a testar amostras de metformina, um medicamento para diabetes que pode conter o carcinógeno N-Nitrosodimetilamina …

Nobel da Física diz que o ser humano não está concebido para viver fora da Terra

Didier Queloz disse, este sábado, estar convencido de que o ser humano não está concebido para viver fora da Terra, razão pela qual está "zangado" com alguns argumentos do cofundador da Tesla, Elon Musk. Os suíços …

Ford está a reciclar palha de café do McDonald's. Quer transformá-la em peças de carro

https://vimeo.com/377768195 A Ford está a fabricar peças de carro através de palha de café reciclada do McDonald's. A iniciativa contribui para a redução da pegada ecológica e do desperdício alimentar. O combate às alterações climáticas cabe um …

Comité da ONU preocupado com condições das prisões em Portugal

As condições de detenção, a sobrelotação das prisões, o alegado uso da força e outros abusos contra pessoas pertencentes a grupos raciais e étnicos são as principais preocupações do Comité da ONU contra a Tortura …

Cientistas identificaram organismo que prospera ao comer meteoritos

O micróbio Metallosphaera sedula tem uma propensão para comer minerais. E não estamos a falar de granito ou giz, mas de rochas muito mais especiais como meteoritos. Segundo o Science Alert, uma equipa internacional de cientistas …

Médicos estrangeiros em Portugal atingem o valor mais alto da última década

O número de médicos estrangeiros registados em Portugal atingiu, em 2019, o valor mais elevado da última década, situando-se em 4192, mais 9,1% face a 2009, revelam dados da Ordem dos Médicos (OM). A maioria dos …