A primeira banda de rock de Gaza quer dar voz à dor causada pela guerra

A primeira banda de rock formada em Gaza, na Palestina, quer dar voz à dor causada pelo conflito com Israel.

Um contabilista, dois advogados, um agrónomo e um funcionário humanitário suíço. Segundo a agência Reuters, são estes os membros da primeira banda de rock formada em Gaza, na Palestina.

Este grupo improvável juntou-se há mais de dois anos para criar a banda Osprey V e, desde então, tem publicado a sua música na Internet, mas decidiu manter sempre algum mistério (as suas caras, por exemplo, nunca apareciam).

Agora, conta a agência noticiosa, a banda está pronta para dar o salto e mostrar-se ao mundo, com canções cheias de emoção e que dão voz à dor causada pelo longo e interminável conflito israelo-palestiniano.

Em abril, por exemplo, um mês antes dos 11 dias de confrontos que mataram mais de 200 pessoas, o grupo apresentou-se no concerto online “Live for Gaza”, que tinha como objetivo angariar fundos para músicos dos territórios palestinianos. Roger Waters, um dos fundadores da banda Pink Floyd e conhecido ativista pela libertação da Palestina, também foi um dos convidados.

Em declarações à Reuters, o compositor da banda, Moamin El-Jaru, explicou que pretendem transmitir tanto uma mensagem universal como exclusiva desde Gaza.

“Tento falar de situações ou problemas que todas as pessoas enfrentam no mundo, mas como vim de um lugar que foi amaldiçoado por tantas guerras e conflitos, tento dizê-lo através da minha perspetiva, do meu lugar em Gaza”, disse El-Jaru, advogado de profissão.

Exemplo disso é a música Home, na qual a banda canta: “Vamos gritar a nossa dor – Conseguem ouvir o chamamento?”.

O vocalista Raji El-Jaru, contabilista e primo de Moamin, foi a força motriz por detrás da formação da banda, considerando mesmo que é a realização de um sonho de infância.

Num dos ensaios, o cantor disse à Reuters que a banda canta em Inglês “para que todos entendam e sejam tocados pela sua mensagem”, que descreveu como um “grito de raiva contra a injustiça“.

Desde a Suíça, o baterista Thomas Kocherhans contou que se juntou à banda há três anos, quando fazia trabalho humanitário em Gaza.

“Quando os ouvi pela primeira vez, fiquei realmente chocado, mas no bom sentido. Nunca pensei que existisse música desta qualidade em Gaza”, disse o suíço, que teve de deixar a cidade palestiniana no início do ano devido ao fim da sua missão humanitária.

Apesar da aparente falta de interesse pela música ocidental em Gaza, a banda, que tem o nome de uma ave de rapina, tem grandes esperanças para o futuro. “Adorava tornar-me a versão palestiniana dos Metallica ou dos Pink Floyd“, disse Raji El-Jaru.

Controlada pelo Hamas desde 2007, a Faixa de Gaza é um enclave palestiniano sob bloqueio israelita há mais de uma década e onde vivem cerca de dois milhões de pessoas.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Aproveitem para sensibilizar os palestinianos aprenderem a respeitar e reconhecer os vizinhos, poderá acontecer que dessa forma se chegue a um clima de boa vizinhança e paz!

RESPONDER

Inteligência Artificial está a "alimentar" a violação dos direitos humanos, alerta ONU

Num novo relatório, a Organização das Nações Unidas (ONU) alertou os países que o uso imprudente de Inteligência Artificial (IA) pode estar a pôr em causa o respeito pelos direitos humanos. Michelle Bachelet, Alta Comissária das …

Foi viajar e não voltou. O misterioso desaparecimento de Gabby Petito (e do namorado)

Gabrielle Petito, uma jovem norte-americana de 22 anos, desapareceu misteriosamente. Gabby foi viajar com o namorado, que voltou para casa sozinho e não quis contar o que aconteceu — e agora também está desaparecido. Gabby Petito, …

Aos 101 anos, Ginny é a "Senhora Lagosta" e não planeia reformar-se

Virginia Oliver continua a trabalhar na pesca da lagosta, apesar de já ter 101 anos de idade. 'Ginny' não planeia reformar-se e já se tornou um meme na internet. Virginia 'Ginny' Oliver tem 101 anos e …

Dinamarca. Reclusos condenados a prisão perpétua proibidos de iniciar novos romances

Os reclusos que cumprem prisão perpétua na Dinamarca serão proibidos de iniciar novos relacionamentos amorosos, decisão proposta pelo governo após uma jovem de 17 anos se apaixonar por Peter Madsen, que assassinou a jornalista Kim …

Casal queria que o seu filho se chamasse Vladimir Putin. A Suécia não deixou

Na Suécia, os pais são obrigados a comunicar os nomes dos seus filhos recém-nascidos ao Skatteverket nos primeiros três meses a partir do nascimento. Um casal sueco, que vive na cidade de Laholm, foi proibido pela …

44 jogos seguidos sem ganhar. Mas o presidente não está preocupado

O Atlético Mogi não vence qualquer jogo oficial há mais de quatro anos. Perdeu em 42 desses 44 duelos. 17 de Junho de 2017 foi o último dia em que o Atlético Mogi venceu um jogo …

Autárquicas: António Costa promete que os municípios terão mais mil milhões de euros

O secretário-geral do PS, António Costa, indicou hoje, em Celorico de Basto, no distrito de Braga, que os municípios “vão passar a ter, a partir de abril, mais mil milhões de euros que acompanham a …

Mais de trinta anos após ter sido lançada ao mar no Japão, mensagem em garrafa é encontrada no Hawaii

Durante uma viagem ao Hawaii, uma jovem de apenas 9 anos encontrou uma garrafa que foi lançada ao mar há mais de trinta anos. Esta continha uma mensagem que, posteriormente, acabou por revelar uma experiência …

Mais 939 infeções, sete mortes e nova redução nos internamentos

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 939 casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2, sete mortes atribuídas à covid-19 e nova redução nos internamentos em enfermaria e cuidados intensivos. De acordo com o boletim epidemiológico da …

Milionário norte-americano Robert Durst condenado por matar melhor amiga

O milionário norte-americano Robert Durst, tornado famoso por um documentário do canal HBO, foi condenado na sexta-feira num tribunal de Los Angeles, nos Estados Unidos, por matar a melhor amiga, um crime que remonta a …