Primeira baixa no governo brasileiro após divulgação de escutas

Antônio Cruz / ABr

Romero Jucá, ex-ministro do Planeamento brasileiro

Romero Jucá, ex-ministro do Planeamento brasileiro

O ministro brasileiro do Planeamento, Romero Jucá, foi exonerado do cargo esta terça-feira, na sequência da revelação de conversas que sugerem que o impeachment de Dilma Rousseff foi arquitetado para travar as investigações da Operação Lava Jato.

Segundo o jornal Folha de São Paulo, em conversas ocorridas em março, Romero Jucá, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), sugeriu ao ex-presidente da Transpetro (empresa subsidiária da Petrobrs), Sérgio Machado, que uma mudança no Governo resultaria num pacto para “estancar a sangria” representada pela Lava Jato, que investiga fraudes e irregularidades em contratos da Petrobras.

De acordo com o jornal, os diálogos entre os dois investigados na Operação Lava Jato, gravados de forma oculta, ocorreram semanas antes da votação do pedido de afastamento da Presidente Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados.

O ministro do Planeamento, Desenvolvimento e Gestão já tinha ontem informado que iria suspender o cargo até que o Ministério Público Federal apresente algum parecer sobre os áudios em que surge a falar da Operação Lava Jato. No entanto, Romero Jucá justificou que se referia a “estancar a sangria da economia, que está ocorrendo com o país”.

“Nunca cometi e nem cometerei qualquer ato para dificultar qualquer operação, seja Lava Jato, ou qualquer outra”, afirmou o ex-ministro, que também criticou a matéria da Folha por publicar “frases soltas dentro de um diálogo”.

O ex-ministro do Planeamento regressa assim ao seu lugar no Congresso brasileiro, onde continuará a apoiar o governo.

Numa nota divulgada ontem à noite, o Presidente da República interino, Michel Temer, agradeceu a Romero Jucá pelo trabalho desempenhado no ministério, para o qual tinha sido nomeado no dia 12.

“Estancar a sangria”

Segundo a reportagem publicada pela Folha de São Paulo, os diálogos ocorreram em março deste ano. As datas não foram divulgadas, mas o jornal diz que as conversas ocorreram semanas antes da votação do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados.

De acordo com o texto, Machado teria procurado líderes do PMDB (partido do então vice-Presidente Michel Temer) por temer que as apurações sobre si, que estão a cargo do Supremo Tribunal Federal (STF), fossem enviadas para o juiz federal de primeira instância Sérgio Moro, em Curitiba, responsável pela Operação Lava Jato.

Nos trechos publicados, Machado diz que está preocupado com possíveis “delações premiadas”: “Queiroz [Galvão] não sei se vai fazer ou não. A Camargo [Corrêa] vai fazer ou não. Eu estou muito preocupado porque eu acho que… O Janot [procurador-geral da República] está a fim de pegar vocês. E acha que eu sou o caminho”.

Romero Jucá, líder do PMDB, responde que Machado precisava verificar com o seu advogado “como é que a gente pode ajudar” e cita que é preciso haver uma resposta política e mudança no governo. “Tem que mudar o governo para poder estancar essa sangria“, disse o ministro, segundo o jornal.

No diálogo publicado, Machado diz que a “solução mais fácil” era ter o então vice-presidente Michel Temer na presidência e que seria preciso fazer um acordo.

“É um acordo, botar o Michel, num grande acordo nacional“, sugere Sérgio Machado, ao que Romero Jucá responde: “Com o Supremo, com tudo”. Logo em seguida Machado diz: “Com tudo, aí parava tudo” e o ministro concorda: “É. Delimitava onde está, pronto”.

AF, ZAP / Lusa / Agência Brasil

PARTILHAR

RESPONDER

Marcelo sobre festejos do Sporting: "Quem deve prevenir não conseguiu prevenir"

O Presidente da República defendeu, esta quarta-feira, que "quem deve prevenir" aglomerados de pessoas como os dos festejos do Sporting, em Lisboa, "não conseguiu prevenir", esperando que tal "não tenha custos" para a saúde pública …

Em 2040, reformas vão cair para metade em Portugal

A Comissão Europeia prevê que, até 2040, os pensionistas passem a viver com pouco mais de metade do salário que tinham. Discrepância entre os últimos rendimentos do trabalho e a pensões de reforma dos portugueses …

Bruxelas piora previsões para défice português, mas melhora as do desemprego

A Comissão Europeia piorou hoje em duas décimas as previsões para o défice português, esperando um saldo negativo das contas públicas de 4,7% este ano. Contudo, melhorou as da dívida pública em três pontos percentuais, …

Barcelona empata com o Levante e "despede-se" do título espanhol

O FC Barcelona deu hoje um gigante passo atrás na corrida ao título espanhol de futebol, ao empatar 3-3 no reduto do Levante, depois de estar a ganhar por 2-0 e 3-2, em encontro da …

Crónica ZAP - Linha de Fundo por Teófilo Fernando

Linha de Fundo: 11.05.2021

Festa verde e assunto encerrado. Sporting quebra jejum de 19 anos e volta a celebrar a conquista de um título de campeão nacional. O novo desafio de Mourinho. As finais da Champions e Liga Europa. …

Certificado covid-19. Preço para os testes na UE gera discórdia

O Certificado Verde Digital, proposto pela Comissão, deverá passar a chamar-se Certificado Covid19 da UE, admitiu a presidência portuguesa da União Europeia. Os eurodeputados querem testes gratuitos para quem viaja, mas essa proposta esbarra nos …

Paulo Fonseca em negociações com o Lyon

O ainda treinador da AS Roma, que vai ser substituído por José Mourinho na próxima temporada, já estará em negociações com o Lyon. Segundo o jornal Record, Paulo Fonseca não só figura na lista de prioridades …

"Incongruente" e "inadequada". Antigos militares criticam reforma das Forças Armadas

Antigos militares consideram que o melhor seria suspender a proposta do Governo que admitem que "nem em tempo de guerra tem lugar". Um grupo de antigos militares GREI - Grupo de Reflexão Estratégica Independente - sugere …

Manchester City conquista título no sofá e com costela portuguesa. É o terceiro em quatro anos

O Manchester City garantiu esta terça-feira a conquista do seu sétimo título de campeão inglês de futebol, e terceiro em quatro anos, face ao desaire do Manchester United na receção ao Leicester (1-2), na 36.ª …

Venda da Groundforce pode ficar nas mãos do administrador de insolvência

A apreciação judicial do pedido de insolvência da Groundforce feito pela TAP ainda deverá demorar alguns meses. Até lá, o acionista maioritário terá de conseguir vender a sua parte, ou a decisão poderá passar para …