“Pressão política” e preocupações com “qualidade do curso”. Ordem dos Médicos contra Medicina na Católica

José Coelho / Lusa

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães

A Ordem dos Médicos considera que a acreditação do curso de Medicina da Universidade Católica Portuguesa revela que a “esfera política prevaleceu sobre a esfera técnica”, evidenciando que há problemas que “colocam em causa a qualidade do curso”.

A acreditação do curso de Medicina da Universidade Católica como o primeiro a ser ministrado no Ensino Privado não recolhe consensos entre os representantes da classe médica.

O Conselho de Escolas Médicas Portuguesas (CEMP), que agrega representantes de oito instituições públicas, lamenta a aprovação do curso, alegando que houve cedência “a forte pressão de agentes políticos” e considerando que não contribui para “o reforço do ensino médico e da prática médica em Portugal, antes pelo contrário”.

Para o CEMP, fica claro que “a forte pressão exercida por vários agentes políticos, ao mais alto nível (…), terá sido, seguramente, a razão principal da tomada de decisão” de acreditar o curso.

Em comunicado, o CEMP evoca “o consenso” entre o Conselho de Escolas Médicas Portuguesas, a Associação Nacional dos Estudantes de Medicina e a Ordem dos Médicos, que “têm o conhecimento adequado sobre o ensino médico em Portugal”, sobre “a não oportunidade” de um novo curso de Medicina.

“Não queremos a vulgarização e banalização do ensino médico e, sobretudo, a desadequação àquilo que são as reais necessidades do país”, advoga o CEMP, acrescentando que “aumentar a oferta formativa em Portugal contribui apenas para engrossar o número de médicos indiferenciados, sem saída profissional, que não seja a emigração ou a sujeição a contratações por empresas de fornecimento de serviços indiferenciados”.

“Tal só contribuirá para a descaracterização duma profissão que se quer sempre regida pelos mais elevados padrões”, invoca ainda o Conselho.

Ordem dos Médicos com “vários motivos de preocupação”

Já a Ordem dos Médicos (OM) defendeu que a acreditação do curso de Medicina da Universidade Católica  revela que a “esfera política prevaleceu sobre a esfera técnica”, alertando para problemas que “colocam em causa a qualidade do curso“.

“Tendo em consideração o condicionamento político prévio a que se assistiu nos últimos meses, e que oportunamente a OM lamentou, a decisão foi ao encontro do que era esperado, com a esfera política a prevalecer sobre a esfera técnica”, refere a OM em comunicado.

No primeiro pedido de acreditação feito pela Universidade Católica (UCP), há cerca de dois anos, a OM foi uma das duas entidades que deram parecer negativo ao novo curso.

Os pareceres negativos das duas entidades levaram a Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES) a “chumbar” o primeiro pedido de acreditação.

A Católica voltou a apresentar novo pedido de acreditação que foi também alvo de avaliação pela OM que enviou o seu parecer à A3ES em 14 de Agosto e que agora o torna público.

No parecer, a OM reconhece que houve melhorias, mas considera que ainda subsistem “vários motivos de preocupação (…) que colocam em causa a qualidade da proposta de ciclo de estudos da UCP”.

Um dos problemas apontados relaciona-se com os locais de estágio, alertando para o caso dos alunos que vão fazer “todo o estágio de Ginecologia/Obstetrícia e Pediatria em unidades sem bloco de partos e maternidade”, que estão previstos para os Hospitais da Misericórdia de Évora, Luz Setúbal, Luz Odivelas e Luz Torres de Lisboa.

No mesmo sentido aponta o estágio de Psiquiatria no Hospital Luz Arrábida “que não tem internamento psiquiátrico, baseando-se apenas em consulta externa, coartando deste modo as possibilidades de contacto com muita da psicopatologia mais grave”.

Outro dos problemas levantados prende-se com o Hospital Beatriz Ângelo (HBA) que tem sido gerido em regime de parceria público-privada pelo Grupo Luz Saúde, mas cujo contrato termina em Janeiro de 2022.

Com um novo concurso público, poderá surgir uma nova entidade gestora. Para a Ordem, tal mudança é “uma enorme ameaça ao ensino clínico deste ciclo de estudos, dado que esta instituição de saúde é, indubitavelmente, aquela que reúne as melhores condições para assegurar um processo de ensino/aprendizagem com qualidade”.

A OM defende, por isso, que só se deveria viabilizar qualquer proposta alicerçada nesta instituição depois de conhecido o resultado do concurso.

“O protocolo com a Universidade de Maastricht foi celebrado por nove anos, o protocolo com a Luz Saúde por 15 anos, e o da União das Misericórdias por seis anos. É, deste modo, evidente que a proposta apresentada não garante a realização de estágios clínicos em ambiente hospitalar do SNS, e que as dúvidas sobre a continuidade do HBA no projeto para além de 2021 têm todo o fundamento”, conclui a OM.

Ministra fala em “oportunidade para médicos ficarem no país”

Já a ministra da Saúde, Marta Temido, fala da aprovação do curso de Medicina na Católica como uma forma de garantir a muitos jovens portugueses a oportunidade de se formarem no país.

“Sabemos que há muitos portugueses que procuravam, tradicionalmente, a formação superior nesta área em outros países. Esta oferta formativa será uma oportunidade para eles terem a sua formação cá dentro e, eventualmente, ficarem também no país“, aponta Temido.

Entretanto, o Sindicato Nacional do Ensino Superior manifestou a “preocupação” com a contratação dos professores do novo curso de Medicina, realçando a importância de que a Católica tenha um “corpo docente próprio”, “contratado devidamente e com qualificação avançada”, que alega não estar previsto na proposta.

Curso arranca em Setembro de 2021

O curso de Medicina da Universidade Católica deverá começar a funcionar em Setembro do próximo ano com cerca de meia centena de alunos, refere à Lusa a reitora da instituição, Isabel Capeloa Gil.

Aquele que será o primeiro curso de Medicina ministrado em Portugal por uma instituição privada foi desenhado para ter 100 alunos, mas no primeiro ano de funcionamento terá menos, revelou a reitora.

O valor das propinas ainda está a ser alvo de avaliação, sendo certo que será “mais elevado” do que o valor pago por um aluno de medicina de uma instituição pública.

“Vamos encontrar meios para que a propina, sendo mais elevada, possa ser compatível para que as famílias a possam pagar“, nota Isabel Capeloa Gil.

Além disso, lembra que “a Universidade tem um conjunto de bolsas por mérito e bolsas sociais”, apelando aos bons alunos para que se candidatem porque “ninguém deixará de entrar”.

O curso será leccionado em inglês e está aberto a estudantes internacionais.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. Pois, a Ordem dos Médicos não tem qualquer razão para falar.
    Há muito tempo que faz falta aumentar o número de vagas.
    Há décadas que ouço dizer que o problema estará resolvido em poucos anos, porque o número de estudantes de medicina já seria superior às necessidades, e que bastava que esses estudantes terminassem o curso para haver excesso na oferta de médicos.
    O problema da qualidade não se coloca. Pelo menos não se coloca porque o número de estudantes de medicina aumenta. Uma coisa não implica a outra.
    O país precisa de médicos. Muitos estudantes ficam de fora dos cursos de medicina, ambicionando essa formação. Muitos estudantes não têm vaga em Portugal, mas têm vaga em países estrangeiros, podendo vir a exercer posteriormente em Portugal.
    A restrição do número de estudantes de medicina é um dos lobbies mais gritantes que se arrasta em Portugal há vários anos. Finalmente as coisas começaram a mudar. Esperemos que mudem ainda mais. A Ordem dos Médicos, caso queira, pode fazer parte da solução e ajudar que esses estudantes tenham uma boa formação. Tem é de perceber que não haver mais médicos formados não é solução, é problema!

  2. estes srs andam a usar a pseudo-pandemia do covid1984 para dela tirar proveito e agora estão tb contra a formação de mais médicos pq têm a clara noção que quantos mais existirem menos podem pedir nas consultas privadas que têm valores completamente absurdos para o país.

    concorrência é sempre boa, os melhores nunca terão qq problema de vencimentos.

    acho que devam ser muito bem pagos a nível de ordenado pq para além do curso não ser fácil ainda têm a vida das pessoas na mão.

    agora passarem a vida a queixarem-se por tudo e por nada é que haja paciência.

  3. Não sou médico, até tenho descendência católica que respeito, mas depois de tantas asneiras que vi e já cá tenho 63 mocas, esta foi a final. Votei em vários partidos e deixei de votar há 20 anos, pois a minha avó dizia tanto ladrão é o que vai à vinha como o que fica a ver. Esta de de medicina na Universidade católica revoltou-me. O ensino e a saúde tem de ser só público como era na Rússia antiga. As empresas têm de ser economia de direita à Salazar, isto é sem subsídios do estado, para não enriquecer os espertalhões como tem acontecido nos últimos anos. Uma empresa criada tem que ser com o investimento dos seus donos ou grupo e crescer ou morrer. Os impostos têm de ser sobre a produtividade e não a cabeça humana, pois temos de fazer a revolução tecnológica, isto é. muitas pessoas não terão emprego, mas terão casa e dinheiro para comer, para não andar no roubo. Os ordenados só poderão ter 4 escalões. A tecnologia terá de pagar na vez do trabalhador. Mas os grandalhões não querem isso na Europa, pois pedem dinheiro a um banco, metem máquinas automatizadas e despedem pessoas, não pagando os 22,5% para a segurança social. Este não é o País que conheci e me orgulhei. Agora a medicina vai ficar de c….

  4. Ele é contra tudo, mas só a comunicação social ao serviço de grupos de interesses lhe dá ouvidos, se o PSD pensa ser beneficiado com a atividade deste, vai ver o erro que faz,
    Quase a poderem celebrar as dificuldades que o Reino Unido eventualmente imponha aos Turistas, os jornalistas não se cansam em ver o diabo, propagando ao mundo essa eventualidade.
    Autoridade para a Comunicação Social
    Exmos Senhores a exploração do Covid 19 Supera em muito a informação, sendo já, segundo opinião de Profissionais de Saúde a causa de muitas doenças e desestabilização do Sistema Nervoso em muitos doentes, a comunidade de saúde apenas pode aconselhar os pacientes a não ver nem Ouvir serviços noticiários, já que as autoridades para a comunicação social nada fazem no sentido de impedir a presente exploração roçando o ponto de Terror.
    Seria útil alguma coisa se fazer para defesa da saúde mental dos cidadãos, como por exemplo a obrigatoriedade do aviso permanente das horas que cada servidor de comunicação social Ocupou o Tema Covid 19, direta e indiretamente, na SIC toda a cadeia SIC, igualmente na TVI, RTPs, CM, etc. Na esperança de que alguma medida será tomada na defesa da saúde pública dos Portugueses.

  5. Também ninguém o ouve, para além da chamada comunicação social, não tem qualquer valor na Medicina, nem como médico.
    É necessário é acabar com as regalias que a Ordem dos médicos tem, já que funciona como uma secção política partidaria.

  6. Este povo português é mesmo tapado. Será que ainda ninguém percebeu que alguém está a meter dinheiro ao bolso com isto. As luvas que foram dadas para aprovar o curso devem ter sido do melhor.
    Ó alegre povinho quem achem que vai entrar nestes cursos? O filho/a do operário?.A resposta é não. Vai para este curso os filhos dos ricos que não tem média a capacidade para entrar no ensino publico.
    Esta é a realidade quer queiram quer não. Basta ver os atuais cursos na Catolica. Quem anda por lá?

  7. O que mais há são lobies. Num curso de história um colega meu, trabalhador estudante, para chegar mais tarde a determinada categoria de professor, consta-se que teve que ir ao c. a um velho professor e “mandão” na escola. O gajo era gay. Hoje já há orgulho nisso…hehehehe

RESPONDER

Maioria dos candidatos para Porto e Lisboa admite criar zonas com menos carros nas cidades

Um inquérito da associação ambientalista Zero apurou as propostas dos candidatos às autarquias de Lisboa e Porto sobre a redução do uso de carros e os incentivos à mobilidade sustentável. No âmbito do dia Europeu sem …

Racismo: Alonso não se ajoelha. "É adulto e tomou a sua decisão"

Treinador do Chelsea comentou a decisão do espanhol, que deixou de se ajoelhar antes dos jogos do campeão europeu. Há alguns meses que, antes de cada jogo da Premier League, todos os jogadores e árbitros se …

V. Guimarães contrata dois jovens ao FC Porto por 15 milhões. Rui Pinto pede investigação

Os valores envolvidos nas transferências de Rafael Pereira e Francisco Ribeiro do FC Porto para o Vitória SC têm gerado polémica. Rui Pinto pede uma investigação. Rafael Pereira e Francisco Ribeiro são reforços do Vitória de …

Costa aventurou-se em terreno inimigo e deu o mote para as críticas aos comunistas

António Costa mandou algumas indiretas ao PCP, mas as principais críticas ao parceiro de 'geringonça' ficaram sob responsabilidade dos candidatos socialistas. Esta terça-feira, António Costa aventurou-se em terreno inimigo. No espírito de disputa com comunistas, o …

Revendedores de combustíveis ameaçam fechar bombas em protesto contra limites aos lucros

Os revendedores de combustíveis ameaçam "encerrar temporariamente os postos de abastecimento" como forma de protesto devido à nova lei, aprovada no Parlamento, que impõe limites às margens de lucro na comercialização de combustíveis. Após o alerta …

Libertação da sociedade antes das eleições não vai influenciar resultados autárquicos

Portugal está cada vez mais próximo de atingir os 85% de população vacinada, o que significa que a última fase do processo de desconfinamento está cada vez mais próxima. Mas poderá essa decisão ter alguma …

Aos 60 anos, vice-presidente do Suriname participou em jogo internacional (e distribuiu dinheiro no balneário)

Aos 60 anos, o vice-presidente do Suriname, Ronnie Brunswijk, jogou 54 minutos de uma partida internacional de clubes. No final, distribuiu dinheiro pelos jogadores no balneário. Ronnie Brunswijk, vice-presidente do Suriname, tem 60 anos e é …

Rui Costa é candidato à presidência do Benfica num "dos momentos mais desafiantes da história" do clube

Rui Costa vai candidatar-se à presidência do Benfica nas eleições para o quadriénio 2021-2025, marcadas para 9 de outubro, anunciou esta terça-feira o ex-futebolista internacional português, que assumiu a liderança do clube lisboeta após a …

Pirâmide Maia foi construída em resposta a uma erupção vulcânica

Uma equipa de arqueólogos que estava a fazer escavações perto da enorme pirâmide Maia no Vale Zapotitán, em El Salvador, descobriu algo impressionante. Os investigadores descobriram que a pirâmide Maia de San Andrés começou a ser …

Inédito: competição vai juntar todas as equipas de dois campeonatos

Já a pensar no Mundial 2026, a Leagues Cup vai ser realizada todos os anos, com os clubes da Major League Soccer e da Liga MX. Será um "capítulo monumental para o futebol norte-americano", seguindo palavras …