Presidente da Tunísia nomeia pela primeira vez uma mulher para chefiar o governo

Presidência da Tunísia / EPA

A primeira-ministra da Tunísia, Najla Bouden Romdhane

O Presidente da Tunísia, Kaïs Saïed, nomeou esta quarta-feira como primeira-ministra Najla Bouden Romdhane, a primeira mulher a chefiar o governo na história do país, anunciou a Presidência da República em Tunes.

Najla Bouden Romdhane, de 63 anos, foi “encarregada de formar um governo o mais rapidamente possível”, disse a presidência numa declaração citada pela agência France-Presse. A primeira-ministra indigitada era até agora uma alta funcionária do Departamento de Ensino Superior e Investigação Científica da Tunísia.

Esta é a primeira vez que uma mulher chefia o governo na Tunísia. “É uma honra para a Tunísia e uma homenagem às mulheres tunisinas”, disse Saïed, citado pela France-Presse.

Os poderes da nova primeira-ministra foram consideravelmente diminuídos pelas “medidas excecionais” adotadas pelo Presidente da República em 22 de setembro, que suspenderam a aplicação da Constituição de 2014.

A presidência divulgou um vídeo de Kaïs Saïed a receber Nejla Bouden no seu gabinete e a pedir-lhe para formar um novo governo “nas próximas horas ou dias”. Saïed salientou repetidamente a natureza histórica da nomeação de uma mulher para liderar o governo pela primeira vez na Tunísia.

A principal missão do futuro governo será “pôr fim à corrupção e ao caos que se espalhou em muitas instituições estatais”.

Najla Bouden Romdhane foi diretora-geral do projeto “Promessa”, que visa modernizar o ensino superior e, em 2015, chefiou o gabinete do ministro da Educação.

O decreto presidencial de 22 de setembro oficializou o golpe de 25 de julho, pelo qual Saïed assumiu plenos poderes, após demitir o primeiro-ministro. Assumiu também o poder judicial, suspendeu o parlamento e retirou a imunidade parlamentar aos 217 deputados.

A partir de agora, com base em “medidas excecionais” tomadas para levar a cabo uma série de “reformas políticas”, o chefe de Estado, que detém o poder executivo, presidirá ao Conselho de Ministros.

A classe política, a sociedade civil e a comunidade internacional denunciaram o perigo representado pelo poder absoluto de Saïed, movimento descrito pela maioria dos grupos como um “golpe de Estado”, enquanto outros o consideram como uma “retificação” da revolução de 2011, que pôs fim às duas décadas de ditadura de Zine El Abidine Ben Ali.

  Lusa //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.