Presidente promulga diploma do Governo para acelerar execução do PRR

O Presidente da República promulgou esta segunda-feira o decreto-lei que estabelece o regime excecional de execução orçamental e de simplificação de procedimentos dos projetos aprovados no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

Numa nota divulgada na página da Presidência, Marcelo Rebelo de Sousa refere que a matéria “normalmente constará do Decreto-lei de execução orçamental, ainda não aprovado e, portanto, não submetido a promulgação”.

Contudo, “não querendo atrasar a execução dos programas a financiar pela União Europeia, designadamente no âmbito do PRR, que são urgentes e prioritários”, decidiu promulgar este diploma, que foi aprovado em Conselho de Ministros, no passado dia 27 de maio.

O decreto-lei visa acelerar a execução dos projetos aprovados no âmbito do PRR criando mecanismos para que as agências e organismos do Estado o possam aplicar de forma rápida, disse na altura o ministro de Estado e das Finanças, João Leão.

Portugal entregou em meados de abril a versão final do PRR à Comissão Europeia, num total de 16,6 mil milhões de euros, dos quais 13,9 mil milhões de euros dizem respeito a subvenções a fundo perdido.

Líder do CDS-PP defende negociação com Bruxelas

O presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, defendeu também esta segunda-feira a necessidade de existir uma negociação com Bruxelas para a criação de um “comando centrado” que facilite a amortização das dívidas de “forma gradual, suave e sem juros”.

“Devia haver uma negociação em Bruxelas para permitir que houvesse um comando centrado de modo a facilitar a amortização dessas dívidas [no âmbito da pandemia da covid-19], de forma gradual, suave e sem juros”, afirmou Francisco Rodrigues dos Santos, no ciclo de conferências ANJE PME’s 2021.

No auditório da Associação Nacional Jovens Empresários (ANJE), o líder do CDS-PP defendeu também que devia existir, por parte dos estados-membros da União Europeia, um “pacto de compromisso” para “não deixar cair as empresas”.

“Neste momento, vejo-o como difícil (…), mas espero que isso venha a ser o caso porque podemos ter aqui uma devastação de muitas empresas por não terem capacidades para manter os seus negócios à tona e sobreviver”, disse.

Salientando que as moratórias são uma “verdadeira bomba-relógio”, o líder democrata-cristão defendeu que se não existirem apoios às empresas, muitas não “terão capacidade para poder liquidar as suas dívidas”.

Questionado sobre como é que o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) poderia ser usado para promover o investimento privado, Francisco Rodrigues dos Santos disse ser necessário “reconhecer que quem pode ajudar a ultrapassar este período de crise com resiliência e capacidade de reinvenção são os empresários e não é certamente o Estado”.

“Creio, com muita preocupação, que poderemos vir a dizer destes fundos comunitários aquilo que já dissemos de todos os anteriores até agora. Portugal tem sido um ótimo consumidor de fundos europeus, mas isto tem aportado pouco desenvolvimento para o nosso país e pouca libertação para a nossa economia da dependência do Estado”, referiu.

Para o líder do CDS-PP, o PRR português deveria, à semelhança do PRR grego, espanhol e italiano, ter “a bússola virada para a economia real” e “metas tangíveis de resultados” ao nível do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), de criação de postos de trabalho, de recuperação económica e criação de riqueza.

“Em Portugal é o contrário. Estamos a investir num poço sem fundo, num saco roto que é o Estado. Vamos investir lá dinheiro e não vamos obter investimento que seja reprodutivo. E, por outro lado, quem tem os seus negócios fechados, quem teve uma redução de vencimentos não foi o setor público, foi o setor privado e uma vez mais o Estado vira-lhes as costas”, criticou.

Dos desafios às oportunidades, da produtividade à política salarial e das Parcerias Público Privadas (PPP) à carga fiscal, Francisco Rodrigues dos Santos defendeu que o Estado deve “aliviar o seu peso nas empresas”, nomeadamente, ao nível da “excessiva regulamentação e tributação”.

“Trabalhar tem de compensar em Portugal, temos de deixar de asfixiar a nossa classe média”, defendeu, considerando que o papel político não deve ser o de “aconselhar os empresários”, mas o de “intermediar, auscultar, proteger e estimular”.

“Os empresários devem ter à disposição todas as ferramentas para encontrar em Portugal um país onde vale a pena criar, desenvolver, inovar, empreender”, afirmou.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Vídeo mostra salmões feridos devido ao sobreaquecimento das águas

O vídeo foi gravado por um grupo de conservação ambiental depois de uma onda de calor no Noroeste Pacífico que fez as temperaturas da água atingirem os 21 graus Celsius. De acordo com o jornal The …

Uma prenda de aniversário. Israelita doou um dos seus rins a um menino palestiniano

Uma israelita quis doar um rim a um estranho. Estranho esse que acabou por ser uma criança, de apenas três anos, que vive na Faixa de Gaza, na Palestina. De acordo com a agência Associated Press, …

Novo método permite eliminar a bioincrustação marinha eficazmente

Um projeto inovador demonstrou como os revestimentos de superfície eletricamente carregados podem eliminar a bioincrustação marinha ou o crescimento de organismos marinhos, melhorando a operação e manutenção de embarcações navais. A bioincrustação marinha é um fenómeno …

Aglomerado de safiras estrela encontrado no Sri Lanka pode ser o maior do mundo

Um aglomerado de safiras estrela do mundo foi encontrado num quintal no Sri Lanka. A pedra é azul, pesa 510 quilos e estima-se que valha cerca de 84 milhões de euros. A pedra foi encontrada …

Médico sírio acusado na Alemanha de crimes contra a humanidade

Um médico sírio foi acusado na Alemanha de crimes contra a humanidade por supostamente torturar e matar pessoas em hospitais militares no seu país de origem, informaram os promotores na quarta-feira. O Ministério Público Federal de …

Justiça climática. Vamos todos sofrer com as alterações climáticas, mas não de forma igual

A recente onda de calor na América do Norte é mais um exemplo de que apesar de ser um problema global, as alterações climáticas não vão afectar todos igualmente e podem exacerbar injustiças sociais e …

Os exemplos que Portugal deve seguir (e evitar) nas últimas etapas da pandemia

No plano apresentado pela equipa de Raquel Duarte comparam-se as estratégias opostas adotadas por Israel e Reino Unido, com a segunda a merecer nota negativa por parte dos investigadores. Os dados foram lançados na reunião que …

Jogos da Taça da Liga de sábado adiados para domingo para poderem ter público

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) anunciou, esta quinta-feira, que os jogos da Taça da Liga agendados para sábado vão ser adiados para domingo, para que possam ter público nas bancadas. "A Liga, …

Dinamarca enfrenta acção legal por querer repatriar refugiados sírios

O governo dinamarquês quer repatriar sírios naturais de Damasco depois de um relatório mostrar que há zonas da Síria onde a segurança melhorou. A decisão está a ser criticada por activistas e o caso pode …

Pela primeira vez, foi observada luz por detrás de um buraco negro

Um estudo divulgado esta quarta-feira revelou a primeira observação direta da luz por detrás de um buraco negro, através da deteção de pequenos sinais luminosos de raios-X, confirmando a Teoria da Relatividade Geral, de Einstein. Segundo …