Presidente indonésio diz que líderes mundiais têm de aprender com “A Guerra dos Tronos”

NHD-INFO / Wikimedia

Joko Widodo, presidente da Indonésia

O Presidente da Indonésia disse, esta quinta-feira, nos Encontros Anuais do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial, em Bali, que os líderes mundiais precisam de aprender uma importante “lição moral” com a série televisiva “A Guerra dos Tronos”.

Num discurso pouco habitual nos Encontros Anuais do Fundo Monetário Internacional, o presidente indonésio Joko Widodo disse que “as relações entre as maiores economias mundiais estão a tornar-se cada vez mais parecidas com ‘A Guerra dos Tronos‘” e, “enquanto os países lutam uns contra os outros (…) esquecem-se de que o inverno está a chegar”, um discurso muito aplaudido pela elite económica mundial presente na sala.

Numa série de analogias à série televisiva de ficção que retrata batalhas políticas e guerras entre famílias que dominam várias regiões para garantir o “Trono de Ferro”, Widodo lembrou que existe uma ameaça comum que tem que ser enfrentada, caso contrário só há um resultado possível: “a destruição do mundo“.

O Presidente da Indonésia defendeu que “este não é o tempo das rivalidades e da competição, mas da cooperação e da solidariedade”, sobretudo para lidar com questões essenciais como as alterações climáticas, exemplificou, citando o recente apelo para a ação global do secretário-geral da ONU, António Guterres.

As políticas fiscais e monetárias, o clima de incerteza económico e político, bem como as guerras comerciais, segundo Widodo, servem de cenário para essas batalhas das maiores economias mundiais que devem aprender uma simples lição: “Não faz sentido celebrarmos a vitória no meio da destruição”.

“Em 2019, no ano que vem, vamos assistir ao final da temporada de “A Guerra dos Tronos” e tenho a certeza de que vai terminar com a seguinte lição moral: (…) a competição e a disputa vão ter um resultado trágico, não apenas para os perdedores, mas também para os vencedores”, afirmou.

Em sintonia, a diretora-geral do FMI, na mesma sessão, defendeu a adoção de uma “abordagem cooperativa” seguida pela Associação de Nações do Sudeste Asiático que, sublinhou Christine Lagarde, “oferece lições importantes”.

“Quando olhamos para o mundo de hoje, enfrentamos o desafio de uma nova paisagem económica, a duas dimensões: A primeira dimensão, mais familiar, inclui as camadas monetária, fiscal e financeira, as nossas interações económicas; a segunda dimensão, mais desafiadora, compreende desigualdade, tecnologia e sustentabilidade. Ambas as dimensões são ‘macro-críticas'”, explicou Lagarde.

Para a diretora-geral do FMI, “as políticas nacionais sólidas são, é claro, essenciais” para “lidar com esses problemas”, mas “navegar por esse novo cenário requer cooperação internacional, uma cooperação diferente do passado”.

“Chamo isso de ‘novo multilateralismo’. É mais inclusivo, mais centrado nas pessoas e mais orientado para resultados”, concluiu a líder do FMI no decorrer da sessão mais concorrida dos Encontros Anuais do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial.

O início da cerimónia foi marcado por um minuto de silêncio dos dirigentes mundiais em memória das milhares de vítimas do tsunami e do terramoto que atingiram as ilhas de Lombok e de Celebes, na Indonésia, em agosto e no final de setembro, respetivamente.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

85% dos medicamentos estão em falta na Venezuela

A Federação Farmacêutica Venezuelana (Fefarven) informou hoje que estão em falta 85% dos medicamentos que se comercializam no país. A denúncia surgiu um dia depois de o Governo venezuelano estabelecer preços fixos para 56 medicamentos, durante …

Obrigar as crianças a beijar os avós é mesmo uma "violência"

O professor universitário Daniel Cardoso pôs o país a discutir se é ou não uma violência obrigar as crianças a beijar os avós. Uma posição que é defendida por inúmeros especialistas e que nem sequer …

Cidade da Maia testa passadeira 3D

O município da Maia está a testar a colocação de passadeiras 3D, cujo objetivo é criar uma ilusão de ótica que faz os condutores abrandar quando se aproximam, descreveu hoje a autarquia. Em causa está, de …

Portugal recebe em novembro cerca de 150 refugiados que estão no Egito

Portugal vai receber, em novembro, cerca de 150 refugiados que estão no Egito, primeiro grupo de mais de mil pessoas que vão ser reinstaladas em Portugal até 2019, disse hoje o ministro da Administração Interna. "Vamos …

Crianças até 2 anos são as que mais usam apps

Mais de metade das crianças com menos de 8 anos usa aplicações como entretenimento e as crianças que mais usam os dispositivos eletrónicos têm até 2 anos. Segundo o estudo "Happy Kids: Aplicações Seguras e Benéficas …

Abstenção galopante alastra-se à faixa dos 30-44 anos

A abstenção aumentou de forma galopante em Portugal, dos 8,1% em 1975 para os 44,2% nas legislativas de 2015, e a tendência está a alastrar das gerações mais jovens para a faixa dos 30 aos …

Descida da propina vai retirar bolsas a alunos carenciados. Medida "demagógica e perversa"

A descida do valor máximo da propina poderá significar o fim da bolsa para muitos alunos carenciados, alertou o reitor da Universidade Nova de Lisboa, que considera a medida ''demagógica e perversa''. Segundo a proposta de …

Hugo Abreu caiu da viatura e “não se mexeu mais”. Instrutor dos comandos viu e ignorou

Rodrigo Seco afirmou que, no decurso da Prova Zero, os dois instrutores desvalorizaram os sintomas de mal-estar, sinais de cansaço e ignoraram os vários pedidos dos instruendos para que pudessem beber água. Um dos instruendos do …

Nunes da Fonseca é o novo Chefe do Estado-Maior do Exército

O tenente-general José Nunes da Fonseca é o escolhido para suceder ao general Rovisco Duarte como Chefe do Estado-Maior do Exército. Rovisco Duarte demitiu-se no âmbito do caso do roubo de armas em Tancos. O nome …

Raspadinha rende mais de 100 milhões à Segurança Social

No próximo ano, a Segurança Social vai receber um montante na ordem dos 225 milhões provenientes dos jogos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. A Segurança Social irá receber, no próximo ano, cerca de 225 …