Preocupados com o Brexit, os britânicos armazenam alimentos

Enquanto o Reino Unido se prepara para uma saída turbulenta da UE, alguns britânicos começaram a encher os armários como precaução contra o pior dos cenários: a falta de alimentos e medicamentos.

Nick Thomas, operador de resíduos perigosos de 25 anos, natural da Cornualha, insiste que o Brexit vai correr bem. Provavelmente. “Se a opção ‘sem acordo’ correr mal, haverá revoltas nas ruas e saques, agitação nacional. Se as pessoas não puderem comer, elas vão erguer-se e lutar. Mas não creio que isso vá acontecer – seria o pior dos cenários.”

O britânico, que votou a favor do Brexit devido aos efeitos adversos da Política Comum de Pescas da UE na sua região, não descarta a possibilidade de as coisas darem errado. Ele abasteceu-se com uma quantidade substancial de produtos secos – arroz e massa, principalmente – bem como feijão e vegetais em lata.

O fator principal é a cadeia de abastecimento alimentar“, afirma. “Uns amigos meus fizeram o mesmo, compraram sacos grandes de arroz e massa, latas de alimentos de longa duração. Mas somos todos da mesma opinião de que não há nada, realmente, com que nos preocuparmos”.

“Espero, é óbvio, que tudo corra bem e que tenhamos algum tipo de acordo. Mas quem não se prepara, está preparado para falhar. Tenho os meus receios. Seria errado não os ter, para o caso de não haver acordo. Prefiro ter comida e não precisar do que precisar dela e não a ter. Simplesmente está lá no fundo, como um backup e, se nada acontecer, parece que temos arroz e feijão para os próximos três anos”.

Thomas não está sozinho. O grupo de Facebook “48% Preppers”, em alusão ao movimento dos “sobrevivencialistas“, tem quase 8 mil membros, e outros grupos semelhantes também contam com milhares de associados. À medida que o acordo de saída é discutido no Parlamento do Reino Unido, crescem as preocupações sobre a saída da UE, a 29 de março, sem acordo nenhum.

Uma suspensão súbita de acordos alfandegários de longa data poderia significar portos bloqueados, camiões presos nas estradas, navios com mercadorias estragadas e escassez de alimentos e medicamentos nos supermercados e farmácias britânicas.

O Departamento de Saúde britânico assinou dois contratos de espaço para armazenamento de medicamentos em caso de um Brexit sem acordo, e procura actualmente mais um armazém.

Os principais supermercados, incluindo as grandes cadeias Tesco e Marks and Spencer, estão a armazenar comida enlatada, e o governo britânico alertou que os alimentos frescos podem faltar.

Muito antes do Brexit, Thomas já tinha interesse no sobrevivencialismo e leu muito a respeito do movimento. “Diria que estou mais em preparação para o dia do juízo final. O Brexit é apenas o início.” Mas outras pessoas, que nunca se identificaram como sobrevivencialistas, também procuram estar preparados.

Elizabeth, consultora de relações públicas em Londres, que pediu para ser identificada apenas pelo primeiro nome, tem enchido os armários com alimentos secos e nutritivos, tais como lentilhas, arroz, tomate e atum enlatados, além de ingredientes como mel, mostarda e temperos.

“Não é que eu ache que vamos todos passar fome, mas posso imaginar uma situação em que se vai a um supermercado e certos produtos básicos não estão disponíveis ou são muito mais difíceis de conseguir, e gostaria de ter certeza de que eu e a minha família não temos que nos preocupar com o que vamos comer.”

Elizabeth, que votou contra o Brexit, também tem armazenado suprimentos para a sua gata. “Arranjámos uma gatinha este ano, e não quero ficar numa situação de não ter o alimento certo para ela, e causar-lhe problemas duradouros de saúde”.

A cadeia para animais de estimação Pet Home anunciou que está a considerar armazenar 8 milhões de libras em de produtos, incluindo alimentos, no caso de não haver acordo.

Elizabeth pensa fazer um suprimento de comprimidos anti-histamínicos para a filha, que sofre de rinite alérgica severa. “O médico diz que não nos pode dar receitas extra, então talvez eu arranje algumas sem prescrição, como uma espécie de backup.”

À medida que 29 de março se aproxima, com poucos sinais de mudança no impasse contínuo no Parlamento, a ideia de se preparar para o Brexit tem ganhado força.

O site satírico BrexitPrepping.com diz o que os britânicos preocupados devem comprar para se preparar, e fornece listas de compras de acordo com o grau de preocupação dos utilizadores. O stock de uma semana custa cerca de 111 libras (126 euros), e a lista para o mês inteiro fica por 459 libras (524 euros).

Na Cornualha, apesar de estar a armazenar comida, por enquanto Thomas espera pelo melhor. “Pode ser que haja retaliação da UE, que queira assegurar que as fronteiras e os acordos alfandegários sejam mesmo rígidos, já que optamos por sair. Mas tenho a sensação de que haverá um pequeno desfasamento, os preços vão subir um pouco, e que depois a coisa toda acabar numa semana”.

PARTILHAR

RESPONDER

DGS aconselha grávidas e bebés vegetarianos a tomarem suplementos

A Direção-geral da Saúde recomenda suplementos de vitaminas e minerais para bebés e grávidas com alimentação vegetariana e lembra que a dieta não omnívora no primeiro ano de vida deve estar sempre sob supervisão médica. "A …

Entre os boletins de voto dos emigrantes, também há cheques e contas da luz

Para exercer o seu direito de voto, os eleitores portugueses residentes no estrangeiro deveriam enviar de volta para Portugal a documentação que receberam em casa – um envelope verde com o boletim de voto, dentro …

Ryanair despede 432 trabalhadores em Espanha

A companhia aérea irlandesa Ryanair confirmou esta quarta-feira a sua intenção de despedir em Espanha 432 trabalhadores das suas bases de Girona e Canárias, 327 tripulantes de cabine e 105 pilotos, informou o sindicato USO. Num …

Eleições em Moçambique. Dados preliminares dão vitória a Nyusi

Segundo as projeções de resultados da Sala da Paz, de acordo com valores “preliminares” baseados na leitura dos editais pelos seus observadores, o atual Presidente moçambicano e candidato da Frelimo, Filipe Nyusi, terá sido reeleito …

"Quem acusou Sócrates tem de provar. Se não provar tem de ser punido"

O ex-Presidente brasileiro, Lula da Silva, defende punição de procuradores da Operação Marquês, caso a acusação contra José Sócrates seja arquivada. Esta terça-feira, em entrevista à RTP, Lula da Silva defendeu a punição dos procuradores que …

Na Saúde, Warren torna-se alvo de ataques. Mas o foco é "derrotar Trump"

O maior debate televisivo para umas eleições primárias na história dos EUA juntou 12 candidatos num só palco. Foi o primeiro debate para o qual o ex-vice-Presidente Joe Biden não partiu com vantagem, tendo a …

Trump sugere que os mexicanos são uma ameaça terrorista maior do que o Daesh

O Presidente Donald Trump sugeriu que os mexicanos são uma ameaça muito maior do que o Daesh. Respondendo uma vez mais às críticas sobre ter retirado as tropas dos Estados Unidos (EUA) junto à fronteira …

Grécia. Incêndio em campo de refugiados deixa 600 pessoas sem alojamento

Um incêndio no campo de identificação e registo de migrantes de Vathy, na ilha grega de Samos, deixou 600 refugiados sem alojamento, alertou na terça-feira a organização não-governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras (MSF). "Em Vathy, seis …

Lista candidata à Ordem dos Enfermeiros excluída por ter poucos homens

Uma das listas candidatas às eleições para a Ordem dos Enfermeiros foi excluída por ter poucos homens. A comissão eleitoral nomeada explica que a lista não respeita a lei da paridade, aprovada pela Assembleia da …

“É a desilusão”. PSD queria novos ministros na Saúde, Educação e Justiça

  O PSD defendeu esta quarta-feira que "não há um novo Governo", mas "uma remodelação com alargamento", com um executivo aumentado e "mais partidário", considerando "uma desilusão" a continuidade em pastas como Saúde, Educação e Justiça. "Não …