Preços do petróleo levam navios a regressar às rotas dos Descobrimentos

Navios de mercadorias atravessam o canal do Suez

Navios de mercadorias atravessam o canal do Suez

O Canal do Suez foi um dos projetos de engenharia mais importantes do século XIX – uma obra gigantesca que levou quase 20 anos a ser concluída e que empregou cerca de 1,5 milhões de operários, deixando milhares deles mortos durante construção.

Quando foi inaugurado, as embarcações puderam finalmente passar do Mar Vermelho (entre a África e a Ásia) diretamente para o Mediterrâneo, economizando semanas de viagem. Foi uma revolução para o comércio mundial.

Desde então, a passagem pelo canal é considerada praticamente vital para negócios de todo o mundo. As transportadoras pagam milhares de bmlhões de dólares por ano à Autoridade do Canal do Suez, a empresa estatal egípcia que administra o acesso, para navegar por ali.

Por exemplo, o trajeto de um navio moderno de Singapura para Roterdão, na Holanda, pode ser reduzido em quase 3,5 mil milhas náuticas (6,48 mil quilómetros) se passar pelo canal, economizando tempo e dinheiro para os donos da embarcação.

No entanto, cada vez mais transportadoras estão a decidir evitar a rota que passa pelo Suez, optando por contornar o Cabo da Boa Esperança, no extremo sul da África – descoberto pelo navegador português Bartolomeu Dias em 1488 e usado como caminho preferencial pelos europeus para a Ásia desde o século XV até à inauguração do canal.

Segundo uma análise da SealIntel, de outubro a dezembro de 2015, mais de cem embarcações fizeram o trajeto mais longo.

Custos e “impostos”

“Acompanho a indústria de aluguer de embarcações há oito anos e é muito raro ver esse volume de tráfego no Cabo”, afirma Michelle Wiese Bockmann, da empresa de análise do setor petroleiro OPIS Tanker Tracker. Neste momento, a empresa monitoriza seis navios petroleiros que adotaram essa rota.

Segundo Bockmann, um dos principais fatores para a mudança é o preço baixo do petróleo. Quando o combustível que os próprios navios utilizam está muito barato, isto significa que as viagens marítimas deixam de ser tão caras como nos últimos anos.

Mas será que vale a pena fazer um percurso mais longo?

O conglomerado de transportes Maersk estima que um navio a viajar a 13,5 nós leva 11 dias a mais no seu trajeto pelo Cabo da Boa Esperança do que pelo Canal do Suez. No entanto, isto evita as altas taxas cobradas pelo uso do canal – cerca de 350 mil dólares por embarcação, segundo a empresa dinamarquesa.

Há ainda custos extra. Rose George, autora do livro “Deep Sea and Foreign Going”, sobre a indústria do transporte marítimo atual, conta que as embarcações que cruzam o Suez são obrigadas a transportar funcionários da administradora estatal durante a travessia, acrescentando que os navios também têm que pagar um “imposto” sobre cigarros.

A baixa do petróleo

Além desses pequenos incómodos, há também a complexa economia dos mercados de petróleo e de aluguer de embarcações.

Neste momento, as operadoras jogam com o que chamam de “contango”: cada vez mais o petróleo cru e os produtos refinados são mantidos em alto-mar ou em stock enquanto esperam que os preços voltem a subir.

Atualmente há um excesso de oferta de petróleo em todo o mundo. No entanto, apesar de termos mais do que precisamos, a procura da gasolina – um produto refinado – é bastante alta. “Essa situação provocou a volatilidade do mercado e é aí que as operadoras estão a fazer dinheiro”, afirma Bockmann.

“Uma das estratégias de comércio é não vender a carga e ganhar tempo”, descreve a analista, que conta ainda que alguns navios podem ficar ancorados offshore – uma situação conhecida como “stock flutuante” na qual simplesmente esperam que o mercado se torne mais favorável para desembarcar a mercadoria que carregam. “O stock flutuante atingiu um nível recorde em dezembro e praticamente ainda não caiu desde então”, afirma.

Por enquanto, parece que o jogo está a ser feito entre as transportadoras, que podem decidir permanecer mais tempo em alto mar, em alguns casos, ou adotar rotas mais longas – até mesmo adquirindo carga que não foi vendida em portos na Ásia, na África e na Europa, numa tentativa de encontrar o melhor comprador no melhor momento.

Por enquanto, alguns navios decidiram percorrer os milhares de quilómetros a mais à volta do Cabo da Boa Esperança, com a expectativa de que no fim da viagem eles faturem mais. Pode parecer estranho, mas no mundo do petróleo por vezes é melhor percorrer o caminho mais longo.

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

O maior avião do mundo vai ser uma plataforma de lançamento para veículos hipersónicos

A empresa que criou o maior avião do mundo, que apenas voou uma vez, encontrou uma nova funcionalidade para a aeronave: será usado como plataforma de lançamento para veículos hipersónicos, o que poderá revolucionar a …

Sondas da missão a Mercúrio vão passar pela Terra (e vão ser visíveis a olho nu)

A missão conjunta europeia e japonesa BepiColombo está a caminho de Mercúrio. Porém, para chegar lá, terá de passar novamente pela Terra. Este evento acontecerá em 10 de abril e as pessoas nas latitudes do sul …

Xiaomi lança máscara elétrica que carrega via USB

A pandemia de Covid-19 tem impulsionado o surgimento de alguns recursos melhorados para fazer face ao combate do novo coronavírus. É o caso da nova máscara de esterilização elétrica da Xiaomi, que carrega via USB. A …

Em paradeiro incerto, ministra da Guiné-Bissau diz correr perigo de vida

Ruth Monteiro, ministra da Justiça e dos Negócios Estrangeiros no Governo da Guiné-Bissau deposto no golpe do dia 27 de fevereiro, está em parte incerta e diz correr perigo de vida. De acordo com o semanário …

Ovelhas e bactérias estão a ajudar a combater o coronavírus

Anticorpos que podem ajudar a combater o SARS-CoV-2, o vírus que causa a covid-19, estão a ser testados em ovelhas. Estes podem ser usados para desenvolver testes de diagnóstico. O SARS-CoV-2, o vírus que causa a …

Marcelo sai uma vez por semana, usa máscara e luvas nas compras (e passa a Páscoa em Belém)

O Presidente da República afirmou este sábado que, para se proteger do surto de covid-19, só sai em trabalho uma vez semana, usa máscara nas compras e vai passar a Páscoa confinado no Palácio de …

A procura por sumo de laranja está a disparar (e a culpa é do coronavírus)

A procura por sumo de laranja tem disparado nos últimos tempos, muito devido à pandemia de covid-19. As pessoas querem reforçar o seu sistema imunitário. Já quase ninguém está indiferente à ameaça da pandemia de covid-19, …

Nove pessoas com covid-19 curadas após receberem plasma de doentes recuperados

Pelo menos nove pessoas internadas nos cuidados intensivos em Itália com covid-19 já foram curadas, depois de receberem plasma de pacientes recuperados. De acordo com o jornal italiano Corriere della Sera, os doentes receberam o plasma …

Grace tem seis anos e pode ser a autora mais nova de sempre de um artigo científico

Uma menina de seis anos, que vive na Austrália, pode ser a autora mais nova de sempre a ter um artigo científico publicado numa revista da especialidade. Grace Fulton tem uma enorme paixão por animais e, …

Geco encheu Lisboa com autocolantes (e a polícia de Roma está a pedir ajuda para o encontrar)

A polícia de Roma está a pedir ajuda à Associação Vizinhos de Lisboa para encontrar o graffiter Geco, cujas pinturas e autocolantes se podem ver por toda a capital portuguesa, e que está em investigação …