Portugueses vão menos às urgências mas com situações mais graves

ABr

-

Um dirigente da Ordem dos Enfermeiros afirmou que os portugueses vão cada vez menos às urgências, mas com situações clínicas mais graves, por causa dos custos associados a uma ida aos serviços de saúde.

A denúncia partiu do presidente da secção regional do sul da Ordem dos Farmacêuticos, Alexandre Tomás, com base num levantamento efetuado pelo organismo no passado mês de setembro, analisando dados desse mês nos últimos quatro anos.

Este estudo, que será divulgado em Janeiro, analisou as situações em nove unidades de saúde, das quais seis são hospitais.

“Hoje, as pessoas recorrem ao serviço de urgência numa fase mais tardia da sua situação de doença. Estamos a falar daquela população idosa, com várias patologias e doenças crónicas, e que atrasa a ida à urgência, devido a um conjunto de custos associados – não só as taxas moderadoras” – a uma ida ao serviço de urgência.

O enfermeiro alerta para as “carências financeiras” que afetam esta população e que dificultam a acessibilidade aos cuidados de saúde.

“Verificamos isso todos os dias nos serviços de urgência, mas também verificamos no âmbito dos cuidados de saúde primários. Há pessoas que estão em casa e que precisavam de cuidados domiciliários, consultas e acompanhamento de enfermeiros, mas as equipas não têm recursos para poder responder a estas necessidades”, adiantou.

Uma situação que, segundo Alexandre Tomás, não deverá mudar com o Orçamento do Estado para 2015, já aprovado, e que não contempla soluções.

O orçamento para a Saúde foi, aliás, o motivo da conferência de imprensa que esta sexta-feira juntou os presidentes das secções regionais do sul das ordens dos Enfermeiros e dos Médicos.

“As expectativas são, de facto, de incapacidade do Serviço Nacional de Saúde (SNS) para responder ao que é um desafio civilizacional que é de garantia de acesso aos cuidados de saúde seguros e com qualidade”, disse Alexandre Tomás.

Também para Jaime Mendes, que preside à secção regional do sul da Ordem dos Médicos, as expectativas são “más”.

“Um reforço de orçamento para a saúde de 0,6% é praticamente zero”, disse à Lusa.

Na sua opinião, “o SNS vai continuar a ser subfinanciado e entre o que está previsto para gastar na saúde e o que se orçamenta há uma diferença de mais de 700 milhões de euros”.

“Das duas, uma: ou se aumentam as taxas moderadoras para colmatar esse défice, ou ficará para dívidas aos fornecedores“, avançou.

Jaime Neves alertou para o que acredita serem as reais intenções do governo: “Eles não têm coragem de dizer que querem acabar com o SNS, deixá-lo para os pobres e entregar aos grupos privados”.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Encontrados medicamentos ilegais em suplementos para o cérebro

Cientistas encontraram medicamentos ilegais, não aprovados nos Estados Unidos, em suplementos que alegadamente melhoram o desempenho cognitivo. Clareza mental, criatividade aprimorada e uma memória extremamente nítida são algumas das promessas feitas a quem compra suplementos de …

Voluntários oferecem-se para cumprir pena de jovem acusado de blasfémia

Num ato de solidariedade, 120 voluntários pediram para cumprir a pena de um jovem nigeriano condenado a 12 anos de prisão por blasfémia. Entre os voluntários está o diretor do Memorial de Auschwitz. Ao todo, 120 …

ADN ajuda a identificar assassino em série num dos mais infames casos da Austrália

Uma amostra de ADN ajudou a justiça australiana a considerar um homem como culpado pelo assassinato de duas mulheres na década de 1990, encerrando um caso que permaneceu sem solução durante quase 25 anos. Durante quase …

Mais 665 casos e nove mortes por covid-19 em Portugal

Portugal regista, este domingo, mais 665 novos casos positivos e nove mortes por covid-19, segundo boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Assim, desde o início da pandemia, Portugal conta com 73.604 infetados e 1.953 …

De guerreiros a anciões. Grupo étnico no Quénia faz cerimónia única de "transformação"

Milhares de homens Maasai vestidos com xales vermelhos e roxos e com as suas cabeças revestidas de ocre vermelho reuniram-se esta semana para uma cerimónia que os transforma de Moran (guerreiros) em Mzee (anciãos). De acordo …

Há 60 anos, Richard Nixon tricou uma sanduíche (e este homem guardou-a desde então)

Há 60 anos, o então vice-Presidente dos Estados Unidos, Richard Nixon, trincou uma sanduíche - e Steve Jenne, um homem que vive em Illinois, guardou-a os restos desde então. De acordo com o The New York …

Coreia do Norte adverte Sul para não procurar nas suas águas oficial assassinado

A Coreia do Norte pediu hoje à Marinha sul-coreana que deixe de entrar nas suas águas territoriais, numa altura em que Seul procura recuperar o corpo de um oficial sul-coreano morto a tiro no mar …

"Um abandonar dos utentes". Centros de saúde atiram pacientes para farmácias e privados

Sem resposta nos centros de saúde, vários utentes vêm-se obrigados a recorrer ao setor privado e a farmácias. A Entidade Reguladora de Saúde já recebeu várias reclamações. Face à pandemia de covid-19, os centros de saúde …

Polícia treinou uma cadela para farejar provas eletrónicas

No Minnesota, Estados Unidos, a polícia treinou uma cadela para farejar dispositivos eletrónicos. Sota já ajudou a encontrar provas em dez crimes. A polícia estatal do Minnesota treinou uma cadela labrador britânica para farejar dispositivos eletrónicos, …

Trabalhistas lideram primeira sondagem desde que Boris chegou ao poder

O partido do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, situa-se hoje, pela primeira vez desde que chegou ao poder, atrás da oposição trabalhista nas intensões de voto, o que estará relacionado com a gestão da crise pandémica, …