Portugal pode ser eliminado do programa de isenção de vistos nos EUA

Portugal viola as regras do programa de isenção de vistos para entrada nos EUA (Visa Waiver Programa) há vários anos e pode ser eliminado do programa, segundo as regras do Departamento de Estado norte-americano.

As regras do programa, estabelecidas na Lei de Imigração e Nacionalidade, estabelecem que um dos requisitos para continuar no programa é “o número total de cidadãos do país que foram admitidos e violaram os termos dessa admissão for menos de 2% do número total”.

Segundo dados do Departamento de Segurança Interna consultados pela agência Lusa, 164.662 portugueses entraram nos EUA em 2016 usando o programa e cerca de 4 mil destes portugueses (perto de 2,5%) não saíram do país no prazo de 90 dias.

Os EUA anunciaram no final de dezembro regras mais apertadas para os 38 países abrangidos pelo Visa Waiver Program, que permite a estes cidadãos viajarem para os EUA para negócios ou turismo, por 90 dias, sem requerer visto.

Um porta-voz do Departamento de Estado disse à Lusa, no entanto, que “não é possível especular neste momento sobre futuras decisões sobre o Visa Waiver Program”.

“Os Estados Unidos estão a trabalhar de forma próxima com os países afetados pelo programa para continuar a garantir segurança para os viajantes e para os EUA”, explicou o mesmo porta-voz.

Portugal está num grupo de quatro nações – incluindo Grécia, Hungria e São Marino – que ultrapassa o limite de 2% de visitantes e que terão de realizar campanhas de informação pública para informar os seus cidadãos das regras do programa e as consequências da sua violação.

A diretora do Centro de Assistência aos Imigrantes de New Bedford, Helena Hughes, disse à agência Lusa que “infelizmente, a isenção de visto por 90 dias tem sido violada há muitos anos, não apenas por Portugal”.

“Acredito que Portugal corre o risco de ser removido“, disse a especialista.

Os EUA não anunciaram prazos para os países cumprirem as novas regras e como vai castigar os países se não o fizerem, mas a eliminação do programa é uma das opções que foi usada no passado.

Em 2002, por exemplo, a Argentina foi cortada do programa devido ao número de argentinos que usava este recurso para entrar no país de forma ilegal, devido à crise económica que o país atravessava.

Helena Hughes registou nas últimas semanas a detenção de vários portugueses que não cometeram crimes, mas que entraram no país usando o Visa Waiver Program e decidiram ficar no país. Numa semana, foram sete os casos.

“É difícil dar números totais porque recebo chamadas de todo o país. Vários portugueses foram apanhados quando estavam a conduzir sem carta, outros quando se apresentaram em Burlington, o centro de detenção para imigrantes, e outros quando as forças de imigração entraram nas suas casas. Muitos estavam nos EUA há muitos anos e entraram com a isenção de visto de 90 dias. Não cometeram crimes”, explicou.

Estas pessoas, no entanto, não estão protegidas pelas mesmas regras que incluem os imigrantes que entram com visto. Não têm direito, por exemplo, a uma audição com um juiz de imigração, podendo ser deportadas de imediato.

A detenção, e deportação, de imigrantes indocumentados não criminosos aumentou no ano passado com a administração Trump. No passado, as autoridades norte-americanas davam prioridade à deportação de imigrantes que tinham cometido crimes.

Em dezembro, quando as novas regras foram anunciadas, o Ministério dos Negócios Estrangeiros disse à Lusa que aguardava “informações da parte das autoridades norte-americanas sobre termos e fundamentos desta possibilidade” e que tinha agendado uma reunião sobre o assunto para a semana antes do Natal.

Em 2016, cerca de 150 mil pessoas que entraram nos EUA usando a isenção de visto não saíram do país no prazo previsto.

Secretário de Estado das Comunidades afasta possibilidade

Apesar dos alertas da diretora do Centro de Assistência aos Imigrantes de New Bedford, Helena Hughes, o Governo português afasta a possibilidade de Portugal ficar fora do programa de isenção de vistos nos EUA.

“Houve 2,04% desse volume de portugueses que viajaram para os Estados Unidos e ficaram além dos 90 dias, não regressando a Portugal e houve uma percentagem de 2,4 que prolongaram o seu tempo de estadia para além dos 90 dias, mas regressaram a Portugal”, indica o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro.

O governante avança que “na avaliação que é feita deste programa, se considerou necessário desenvolver uma campanha de informação e sensibilização, tendo em vista esclarecer estes cidadãos que têm tido comportamentos irregulares – nomeadamente, no uso indevido desse instrumento – para proteger toda a outra grande maioria que quer continuar a ter acesso a este programa”.

À Renascença, o secretário de Estado considera que, de acordo com as conversações com as autoridades norte-americanas, os portugueses poderão continuar a viajar para os Estados Unidos sem visto, para estadias de curta duração.

José Luís Carneiro diz mesmo que a administração norte-americana continuará a ser sensível aos argumentos nacionais.

“Têm vindo a ser sensíveis e a prova disso é que, ao longo destes últimos anos não há nenhuma alteração de postura da administração norte-americana relativamente à avaliação do programa”, garante.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Este problema tem sido recorrente nos últimos anos!
    Desde que começaram a dar o Cartão de Cidadão de Portugal a estrangeiros (principalmente a brasileiros), o problema tem-se agravado.
    Esses brasileiros usam o CC para entrar nos EUA a partir de Portugal (e da UE), e, além de não saírem nos 90 dias, muitos criminosos brasileiros tem sido presos nos EUA com CC de Portugal – o que, para as autoridades americanas, faz deles cidadãos portugueses!!
    É preciso rever essa politica de dar CC a qualquer brasileiro, pois já nos tem causado problemas quer nos EUA, quer também em alguns países europeus (principalmente no Reino Unido, etc)!

RESPONDER

Novo escândalo de abusos sexuais no Chile leva à suspensão de 14 sacerdotes

A diocese da cidade chilena de Rancagua anunciou, esta terça-feira, a suspensão de 14 sacerdotes implicados num novo escândalo de abusos sexuais sobre jovens e menores. "Estes padres cometeram atos que podem constituir crimes nos domínios …

94% das universitárias de Coimbra já foram alvo de assédio sexual

Um estudo realizado pela UMAR Coimbra sobre a violência sexual em contexto académico revela que 94,1% das mulheres inquiridas já foram alvo de assédio sexual, 21,7% de coerção sexual e 12,3% reportaram já terem sido …

Israel admite: o famigerado F-35 já se estreou em combate

A força aérea israelita admitiu ter usado, pela primeira vez, o poderoso caça bombardeiro numa ação de combate contra dois tanques, numa missão recente. Um dos aviões de combate mais avançados do mundo, o novo caça-bombardeiro …

Proposta do PS sobre a habitação suspende despejos já em curso

O PS avançou com uma proposta de alteração ao seu próprio projeto. A medida abrange inquilinos com mais de 65 anos ou com grau de incapacidade igual ou superior a 60% desde que residam há …

Função Pública vai ter aumentos em 2019 (mas não nos salários)

O ministro das Finanças referiu, esta quarta-feira, no Parlamento, que os funcionários públicos vão ter aumentos em 2019, através da "via do descongelamento de carreiras". Mas sobre um eventual aumento dos salários não se pronunciou. "Todos …

Câmara de Marvão e uma junta de freguesia alvo de buscas

O Ministério Publico anunciou que foram efetuadas buscas e apreendidos elementos de prova na Câmara de Marvão, numa junta de freguesia, em residências particulares e em sociedades daquele concelho do distrito de Portalegre. Numa nota publicada …

Não compre já os bilhetes. Eurovisão pode não ser em Israel

A organização do festival alertou os fãs, esta terça-feira, para que não comprem ainda bilhetes de avião com destino a Israel e pediu para que aguardem por informações oficiais. "Já estás à espera da próxima Eurovisão? …

Técnico relata pânico em Alcochete. Bruno tem "até amanhã para se demitir"

Foi "um filme de terror" o que se viveu na Academia de Alcochete, na semana passada, quando jogadores e elementos da equipa técnica do Sporting foram agredidos por um grupo de adeptos encapuçados. O preparador …

1250 páginas escritas por Karl Marx arrematadas por 445 mil euros

Um manuscrito do filósofo alemão Karl Marx foi arrebatado por 3,34 milhões de yuan, 445 mil euros, num leilão em Pequim. O manuscrito de Karl Marx, filósofo alemão e fundador do comunismo, pertencia ao empresário local …

Conselho de escolas reprova novos currículos do ensino básico e secundário

O Conselho das Escolas considera que os novos currículos do ensino básico e secundário se vão refletir num aumento “desnecessário” das disciplinas existentes no 2.º e 3.º ciclos do ensino básico. O Conselho de Escolas, que …