Comissão diz que Portugal vai criar muito emprego, mas com salários abaixo da média

José Sena Goulão / Lusa

A economia portuguesa deve conseguir registar uma “forte criação de emprego” em segmentos em que os salários estão abaixo da média nacional.

No estudo da primavera sobre as economias europeias, a Comissão Europeia (CE) afirma que a economia portuguesa vai continuar a ser uma economia relativamente barata do ponto de vista da mão-de-obra. assim, a economia deverá conseguir registar nos próximos anos uma “forte criação de emprego” em segmentos em que os salários estão abaixo da média nacional.

“A folga ainda existente no mercado de trabalho está a diminuir rapidamente e a projeção é de que os salários cresçam gradualmente ao longo do período desta previsão, até 2019, juntamente com o descongelamento das progressões nas carreiras do setor público”, refere a Comissão Europeia.

Ainda assim, a CE destaca que “é provável que o aumento do salário médio da economia como um todo seja parcialmente compensado por uma forte criação de emprego em atividades com salários abaixo da média”.

Esta realidade foi assumida pelo Governo, no primeiro debate quinzenal deste ano. Segundo o Jornal de Negócios, António Costa afirmou que “o grande desígnio para 2018 é termos melhor emprego”, ou seja, “um emprego digno, um salário justo e a oportunidade de cada um se realizar”.

As previsões apontam, então, que o desemprego continuará a descer. “Após uma melhoria substancial em 2017, espera-se que os indicadores do mercado de trabalho mantenham uma evolução positiva, embora a um ritmo lento.”

“Prevê-se que o desemprego diminua de 9% [da população ativa] em 2017 para 7,7% em 2018 e 6,8% em 2019, num ambiente de crescimento adicional do emprego e de uma maior taxa de atividade”, aponta a CE, citada pelo Diário de Notícias.

O desemprego em Portugal “já está abaixo dos níveis em que estava antes da crise financeira global de 2008, mas ainda está acima do seu mínimo histórico de 5,1% em 2000”, o que significa que ainda há muito para melhorar, desde que haja investimento e rédea curta nos salários.

Embora a um ritmo cada vez mais fraco, isto permitirá à economia portuguesa criar mais emprego. Depois da expansão de 3,3% de 2017, Bruxelas estima que a economia adicione mais 2,1% de empregos neste ano e outros 1,3% em 2019.

Quanto a este indicador, o Governo é mais conservador, já que aponta para uma expansão de 1,9% no número de postos de trabalho em 2018, 1,1% em 2019 e 0,9% no ano seguinte.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. O tal trabalho precário ,que toda a gerigonça criticava quando eram oposição…?!A esquerda consegue fazer mais pobres e miseráveis que partidos de direita!Aliás se não houvessem muitos pobres quem iria votar neles?Os ricos e empresários?Não me parece…!!!

RESPONDER

Montezemolo revelou o sonho que Ayrton Senna não cumpriu

O antigo presidente da equipa da Ferrari, Luca di Montezemolo, revelou que o seu maior arrependimento foi não ter conseguido levar Ayrto Senna para a equipa. Em 1994, Ayrton Senna morreu de forma trágica quando perdeu o …

Friends: atores já terminaram as gravações do episódio especial

Ainda antes de os talk shows serem suspensos devido à COVID-19, Matt LeBlanc foi um dos convidados do The Kelly Clarkson Show, onde confirmou que as gravações do episódio especial de FRIENDS estavam concluídas. O programa …

YouTube remove vídeos que vinculam falsamente a Covid-19 ao 5G

A onda de teorias falsas que ligam a pandemia da COVID-19 ao 5G levou a uma série de incidentes, incluindo ameaças a engenheiros. Agora, o YouTube está a reprimir essa desinformação. O YouTube informou que removerá …

Engenheiros construiram um ventilador caseiro. Pode servir como "último recurso"

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Vanderbilt, nos Estados Unidos, construiu um ventilador caseiro que pode ser usado como último recurso. A pandemia de covid-19 continua a desafiar as comunidades médicas e uma das ameaças …

Sepultura de genocídio encontrada no Ruanda pode conter 30 mil corpos

No Ruanda, foi encontrada uma sepultura que pode conter 30 mil vítimas do genocídio no país em 1994. Cerca de 800 mil tutsis e hutus moderados foram assassinados. Mais de 25 anos depois de um genocídio …

Belenenses SAD entra parcialmente em lay-off

"A indústria do futebol está entre as mais atingidas pelos efeitos da pandemia", que provocou a suspensão de praticamente todas as provas futebolísticas, destaca o Belenenses SAD. O Belenenses SAD, da I Liga de futebol, entrou …

Dois milhões de máscaras furtadas em Espanha podem ter sido vendidas em Portugal

O equipamento médico e sanitário furtado está avaliado em cinco milhões de euros e terá sido adquirido por uma empresa portuguesa que conhecia a proveniência do material. Um empresário de Santiago de Compostela foi detido por, …

Facebook terá tentado comprar um software de espionagem em 2017

O Facebook tem estado envolvido em vários escândalos e o mais recente está relacionado com a alegada compra da ferramenta Pegasus, usada para hackear iPhones. A empresa de segurança informática NSO Group, responsável pela Pegasus, alega …

Primeiro-ministro espanhol diz que coronavírus desafia o futuro da UE. E fá-lo em sete idiomas

O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez publicou no domingo um artigo em sete idiomas europeus, argumentando que o coronavírus pode ser a ruína da União europeia (UE) caso não sejam tomadas medidas mais drásticas para lidar …

Viseiras de Leiria despertam cobiça. Bélgica e EUA queriam comprar toda a produção

Várias empresas de moldes e plásticos da região de Leiria estão a fabricar viseiras de protecção contra a Covid-19. Uma adaptação em tempos de pandemia que está a levantar atenção no estrangeiro, com EUA e …