Portugal e Macedónia do Norte querem reforçar relações bilaterais

Rodrigo Antunes / Lusa

O ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho.

Ministro dos Negócios Estrangeiros português reuniu com o seu homólogo na Macedónia do Norte e felicitou o país pela sua candidatura à União Europeia.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros de Portugal e da Macedónia do Norte discutiram, esta terça-feira de manhã, uma intensificação das relações bilaterais, na sequência da abertura de negociações para adesão daquele país à União Europeia.

João Gomes Cravinho, que referiu, em conferência de imprensa conjunta realizada a seguir à reunião, em Skopje, ser a primeira vez que está na Macedónia do Norte, fez questão de dar os parabéns ao novo candidato à União Europeia.

“Parabéns pelo avanço histórico de 19 de julho, é um momento verdadeiramente histórico”, afirmou.

A reunião serviu para “intensificar as relações bilaterais e discutir formas de enfrentar os desafios políticos, de segurança e económicos que a Europa enfrenta” atualmente, referiu o ministro dos Negócios Estrangeiros macedónio, Bujar Osmani, numa mensagem divulgada na rede social Twitter.

“A geografia não interessa quando estão em causa relações com amigos”, acrescentou.

Gomes Cravinho, que está esta terça-feira na Macedónia do Norte no âmbito de uma visita a este Estado e à Albânia — os dois países que iniciaram negociações para aderir à União Europeia — vai encontrar-se ainda com o Presidente da República macedónio, o primeiro-ministro e com o vice-primeiro ministro responsável pelos Assuntos Europeus.

Na segunda-feira, Gomes Cravinho esteve em Tirana, onde também garantiu à ministra dos Negócios Estrangeiros, Olta Xhacka, querer intensificar as relações bilaterais em áreas como a política, a economia e a educação.

O ministro sublinhou ainda o apoio de Portugal à adesão daqueles países à União Europeia.

A abertura das negociações, que Skopje e Tirana há muito aguardavam, aconteceu depois de a Macedónia do Norte ter assinado, no dia 17, um protocolo bilateral com a Bulgária, que permitiu desbloquear um longo impasse que afetava também a Albânia.

  // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.