Portugal defende a abolição da pena de morte em todo o mundo

O Governo pediu, esta segunda-feira, a todos Estados que ainda aplicam ou prevêem a pena de morte, que estabeleçam uma “moratória de facto como primeiro passo para a abolição plena” da pena capital.

No Dia Europeu e Mundial contra a Pena de Morte, o Ministério dos Negócios Estrangeiros afirma que “na gradual caminhada para a abolição universal há retrocessos alarmantes: o aumento do número de condenações e execuções em países retencionistas, e a aplicação desproporcionada da pena de morte a crimes menos graves, a menores ou inimputáveis”.

O Governo português defende que “estes retrocessos são intoleráveis no século XXI“, destacando a necessidade de pôr fim à “irreversibilidade das penas”, através do estabelecimento de uma moratória e da ratificação do Segundo Protocolo Adicional ao Pacto Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos com vista à Abolição da Pena de Morte.

Portugal aboliu a pena de morte em 1867, negando ao Estado “legitimidade para aplicar penas irreversíveis, cruéis ou degradantes”, indicou um comunicado do governo.

Pena de morte é uma “tática errada contra terrorismo”

A Amnistia Internacional – uma organização não governamental que defende os direitos humanos – considera que a pena de morte é uma “tática errada contra o terrorismo”, à qual ainda estão a recorrer pelo menos duas dezenas de países.

Segundo um balanço da organização, pelo menos 20 países sentenciaram pessoas à morte ou levaram a cabo execuções por crimes relacionados com terrorismo, no ano passado.

De acordo com James Lynch, diretor adjunto da Amnistia, a pena de morte é um “erro fundamental”, já que não há provas de que “dissuada o crime violento de forma mais eficaz do que outros castigos”.

“A morte sancionada pelo Estado não ataca as causas dos ataques violentos, alimenta o ciclo de violência, sem fazer justiça às vítimas”, destacou em comunicado.

A pena de morte, sublinhou a Amnistia, “é sempre uma violação dos direitos humanos”.

ONU revela que pena de morte ainda é aplicada em 65 países do mundo

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki Moon, disse esta segunda-feira que este tipo de punição “não tem lugar no século XXI”, embora seja uma prática “cruel e desumana” que ainda é aplicada em 65 países de todo o mundo.

Ban Ki Moon rejeitou completamente o argumento apresentado por muitos Estados que apoiam a pena de morte e alegam ser uma medida eficiente contra o terrorismo.

“A experiência ensinou-nos que condenar terroristas à morte serve como propaganda porque criamos mártires e fazemos com que as suas campanhas de recrutamento sejam mais eficazes”, explicou.

Mais de dois terços dos países do mundo (103) já aboliram a pena capital, na lei e/ou na prática, incluindo Portugal, que esteve na linha da frente do abolicionismo, acabando com as execuções em 1867.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Bill Gates é o homem mais admirado do mundo. Ronaldo também está na lista

O cofundador da Microsoft já não é o homem mais rico do mundo, mas continua a ser o mais admirado. Cristiano Ronaldo é o 7.º. Na semana passada, Bill Gates perdeu o lugar que ocupava há …

Volvo vai chamar à oficina mais de 500 mil carros até ao fim do ano

O problema detetado no motor dos carros poderá afetar os automóveis a diesel de quatro cilindros, construídos entre 2014 e 2019, nas marcas V40, o V60, V70, S80 e XC60. A Volvo retirou cerca de 70 …

A baunilha é mais cara do que a prata (e há já quem mate pelo "ouro verde")

A baunilha, que era vendida em 2015 por cerca de 90 euros o quilograma, disparou no ano passado para 535 euros, ultrapassando assim o valor da prata. Esta subida que quase sextuplicou o valor da …

"Nova Expo". 300 milhões para requalificar zona ribeirinha entre Pedrouços e Cruz Quebrada

O projeto que vai requalificar a zona ribeirinha entre Pedrouços e Cruz Quebrada conta com um investimento de 300 milhões de euros. À zona ocidental de Lisboa já lhe chamam de "nova Expo". A zona ribeirinha …

Descoberta imensidão de tesouros arqueológicos ao largo da Galiza. São mais de 1.600 objetos

Trabalhos de arqueologia subaquática ao largo das costas galegas permitiram descobrir nas últimas três décadas um total de 1600 objetos arqueológicos. As peças afundaram-se ao longo dos séculos durante inúmeros naufrágios e ali se foram acumulando. …

27 anos depois, Clã anunciam saída de dois elementos

Mais de um quarto do século após a sua formação, a banda do Porto vê dois dos seus elementos fundadores partirem. Os Clã anunciaram a saída de dois dos seus elementos através de um comunicado publicado …

Reduzir o uso de ar condicionado pode ajudar a salvar vidas

Há muitas pessoas a precisar da ajuda preciosa do ar condicionado para sobreviver a temperaturas cada vez mais altas. Contudo, aquele que pensamos ser o nosso maior aliado pode ser, na verdade, o nosso pior …

Porto vai ter policiamento gratificado em "zonas particularmente sensíveis"

Rui Moreira diz que nos últimos 20 anos não houve investimento na polícia e afirma que o espaço público "não pode ser apropriado por gangues". O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, anunciou esta segunda-feira …

Altos níveis de ferro associados a um menor risco de doença cardíaca

Diferentes níveis de ferro podem ter efeitos dispares na nossa saúde. Uma equipa de cientistas descobriu uma associação entre altos níveis de ferro e um menor risco de doença cardíaca. A tarefa não foi propriamente fácil …

Quénia. Ministro das Finanças preso por suborno e fraude

O Ministro das Finanças do Quénia, Henry Rotich, e vários funcionários do seu ministério foram presos esta segunda-feira por suborno e fraude num projeto de construção de duas barragens que envolve milhões de dólares. Em declarações …