Portugal defende a abolição da pena de morte em todo o mundo

O Governo pediu, esta segunda-feira, a todos Estados que ainda aplicam ou prevêem a pena de morte, que estabeleçam uma “moratória de facto como primeiro passo para a abolição plena” da pena capital.

No Dia Europeu e Mundial contra a Pena de Morte, o Ministério dos Negócios Estrangeiros afirma que “na gradual caminhada para a abolição universal há retrocessos alarmantes: o aumento do número de condenações e execuções em países retencionistas, e a aplicação desproporcionada da pena de morte a crimes menos graves, a menores ou inimputáveis”.

O Governo português defende que “estes retrocessos são intoleráveis no século XXI“, destacando a necessidade de pôr fim à “irreversibilidade das penas”, através do estabelecimento de uma moratória e da ratificação do Segundo Protocolo Adicional ao Pacto Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos com vista à Abolição da Pena de Morte.

Portugal aboliu a pena de morte em 1867, negando ao Estado “legitimidade para aplicar penas irreversíveis, cruéis ou degradantes”, indicou um comunicado do governo.

Pena de morte é uma “tática errada contra terrorismo”

A Amnistia Internacional – uma organização não governamental que defende os direitos humanos – considera que a pena de morte é uma “tática errada contra o terrorismo”, à qual ainda estão a recorrer pelo menos duas dezenas de países.

Segundo um balanço da organização, pelo menos 20 países sentenciaram pessoas à morte ou levaram a cabo execuções por crimes relacionados com terrorismo, no ano passado.

De acordo com James Lynch, diretor adjunto da Amnistia, a pena de morte é um “erro fundamental”, já que não há provas de que “dissuada o crime violento de forma mais eficaz do que outros castigos”.

“A morte sancionada pelo Estado não ataca as causas dos ataques violentos, alimenta o ciclo de violência, sem fazer justiça às vítimas”, destacou em comunicado.

A pena de morte, sublinhou a Amnistia, “é sempre uma violação dos direitos humanos”.

ONU revela que pena de morte ainda é aplicada em 65 países do mundo

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki Moon, disse esta segunda-feira que este tipo de punição “não tem lugar no século XXI”, embora seja uma prática “cruel e desumana” que ainda é aplicada em 65 países de todo o mundo.

Ban Ki Moon rejeitou completamente o argumento apresentado por muitos Estados que apoiam a pena de morte e alegam ser uma medida eficiente contra o terrorismo.

“A experiência ensinou-nos que condenar terroristas à morte serve como propaganda porque criamos mártires e fazemos com que as suas campanhas de recrutamento sejam mais eficazes”, explicou.

Mais de dois terços dos países do mundo (103) já aboliram a pena capital, na lei e/ou na prática, incluindo Portugal, que esteve na linha da frente do abolicionismo, acabando com as execuções em 1867.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Bruxelas abre processo de infração contra Reino Unido por não nomear comissário europeu

A Comissão Europeia anunciou esta quinta-feira a abertura de um procedimento de infração contra o Reino Unido por este Estado-membro, que está em processo de saída da União Europeia (UE), não ter nomeado um comissário. “Enquanto …

Urgência pediátrica do Garcia de Orta encerra à noite a partir de segunda-feira

O serviço de urgência pediátrica do Hospital Garcia de Orta, em Almada, vai fechar à noite a partir de segunda-feira, disse a ministra da Saúde, que prolongou o horário de duas unidades de saúde para …

Hipercarro elétrico da Aspark pulveriza recorde de aceleração

O novo hipercarro elétrico Aspark Owl vai começar a sua produção já no próximo ano e conta já com o recorde de aceleração. O carro vai dos 0 aos 100 km/h em 1,69 segundos. Depois de …

Pelé desafia Ronaldo a bater o seu recorde de 1.283 golos

O ex-futebolista internacional brasileiro Pelé desafiou esta quinta-feira o avançado português Cristiano Ronaldo a superar o seu recorde de 1.283 golos. “Espero que, com a quantidade de golos que já marcou, e foram muitos, tenha saúde …

A automatização pode acabar com 800 milhões de empregos em cerca de 15 anos

Uma análise do Bank of America Merrill Lynch revelou que cerca de 800 milhões de empregos podem desaparecer em todo o mundo até 2035. Esse resultado deve-se à diminuição do custo de automatização. Segundo noticiou o …

Portugueses que ganham até 660 euros mensais podem ficar isentos de IRS em 2020

Os portugueses que auferem até 660 euros mensais, num total de 14 meses, alcançando um máximo anual de 9.224,2 euros podem ficar isentos de IRS em 2020, avança o Jornal de Negócios. De acordo com o …

Milhares de aves encontradas mortas junto a lago na Índia. Desconhecem-se ainda as razões

No passado domingo, 2.400 pássaros - incluindo 20 espécies migratórias - foram encontrados mortos perto do Sambhar Salt Lake, na Índia. Os locais alertaram as autoridades florestais, que esperam os resultados das análises para determinar …

João Félix deve regressar aos relvados na próxima semana

O internacional português João Félix deve regressar aos relvados na próxima semana e pode mesmo vir a ser opção do Atlético de Madrid para o jogo frente ao Granada, marcado para o próximo dia 23 …

Vítimas do franquismo pedem investigação à origem das jóias que a família Franco vai leiloar

A Associação para a Recuperação da Memória Histórica (ARMH), que inclui familiares das vítimas do franquismo, pediu ao Governo espanhol que investigue a origem das jóias que a família Franco vai leiloar. De acordo com …

"Sem dúvida". Montenegro diz que era capaz de derrotar Costa

O antigo líder parlamentar do PSD Luís Montenegro, que é agora candidato à liderança do partido, afirmou, em entrevista ao jornal Público e à Rádio Renascença, que era capaz de derrotar António Costa.  "Acho que era …