Porto Editora ficou totalmente destruída (e o próximo ano escolar está em risco)

Manuel Fernando Araújo / Lusa

Derrocada na cobertura do edifício da gráfica da Porto Editora na Maia, no dia 14 de Março de 2018.

Após o “fenómeno climatérico extraordinário” que destruiu as instalações da Porto Editora, na Maia, na semana passada, o arranque do próximo ano lectivo está em risco. A editora não tem capacidade para responder às encomendas, enfrentando a crise “mais grave de sempre”.

O cenário dramático é assumido por responsáveis da Porto Editora em declarações ao Público que constata que vai ser praticamente impossível conseguir começar a imprimir os manuais escolares para o próximo ano lectivo daqui a dois meses, como estava previsto.

As instalações da empresa colapsaram com o “fenómeno climatérico extraordinário” que o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) ainda não conseguiu identificar. A destruição do espaço é praticamente total e a empresa vai ter que “construir de novo”, conforme refere a RTP.

Os prejuízos são de milhões de euros, mas ainda não estão totalmente contabilizados. Até porque, neste momento, a distribuição dos manuais escolares está em risco, o que pode colocar em causa o arranque do próximo ano lectivo, uma vez que a Porto Editora tem “uma quota de 60% do mercado dos livros escolares”, nota o jornal.

É quase certo que das instalações da Maia não vai sair mais nenhum livro impresso até ao final do ano, como assume o director de produção da Porto Editora, Eduardo Viana, em declarações ao mesmo diário.

Em 2017, a gráfica da Maia imprimiu cerca de 15 milhões de livros. Mas a estrutura actual, que custou dez milhões de euros, “está completamente inutilizada e tem a demolição como destino“, refere o Público.

A situação afecta também as encomendas das lojas online da Wook e da Bertrand, bem como os mercados de Angola, Moçambique e Timor Leste, que recebem livros da Porto Editora da Maia.

A empresa está a “subcontratar gráficas, em Portugal e em Espanha”, “e onde mais for preciso”, para conseguir dar resposta às encomendas, nota Eduardo Viana. Também estão a “reactivar instalações que estavam abandonadas” e a “alugar armazéns e outros espaços logísticos para recolher equipamentos e materiais para reactivar a produção o mais cedo possível”.

ZAP //

PARTILHAR

13 COMENTÁRIOS

  1. Usem livros do ano passado. Isto para não dizia que mais valia fazerem livros mais baratos. Ficava mais barato. Aquela bonecada toda é mesmo só para aumentar o preço.

  2. Enviem para a China, que os manuais ficam 10 vezes mais baratos e estão cá a tempo e horas… A não ser que fiquem retidos na Alfândega…

    • Claro, mandar fazer tudo na China é a solução mais barata.
      E depois deixam de produzir no país, têm que importar tudo de fora e depois queixam-se que têm uma economia de m*rda. Onde é que eu já vi este filme?…

  3. desperdício de livros. Reusar – mais ecológico, mais económico, menos perigoso frente a adversidades meteorológicas.

    E já agora Clima refere-se a um fenómeno alargado no tempo, com ciclos anuais previsíveis; a várias dezenas/centenas de anos.

    Para além disso, no caso de o assunto se tratar de clima, da porto editora (infopédia): “Os vocábulos climático e climatológico são preferíveis a climatérico, porque vêm do grego, ao passo que climatérico vem do francês, sendo considerado galicismo.”

    Para mais Climatérico está mais relacionado com climatério: cli·mac·té·ri·o |âct| ou |ât|
    (grego klimaktêr, -êros, degrau de escada, ponto crítico da vida humana, perigo)
    substantivo masculino

    [Medicina] Período da vida, de duração variável, em que há modificações físicas e psíquicas que originam ou são causadas pela menopausa na mulher e pela andropausa no homem. = IDADE CRÍTICA

    “climactério”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://www.priberam.pt/dlpo/climact%C3%A9rio [consultado em 21-03-2018].

    Bem hajam pela notícia

  4. Não se perde nada. A porto editora (assim com minúsculas, porque me apetece) destruiu a Língua Portuguesa, e não merece consideração alguma.

    Entreguem os manuais escolares a quem perceba de manuais e saiba ESCREVER Português, para que as nossas crianças não sejam taxadas de idiotas, com os manuais idiotas da porto editora e enganadas quanto à ortografia que lhes impingem: a brasileira.

    • Ora aí cara?!Ué estudei com os manual dos porto editora anos afim e como pode ver escrevo bué de bem e sem qualquer vestígio de brasileirismos. Larga a mão de ser besta, cara.

    • Isabel, compreendo a sua decepção…
      Brasil – Recepção
      Portugal – Receção
      Então querem uniformizar a língua portuguesa, porque raio esta palavra sofreu esta mudança tão estúpida?! E como esta, há mais,mas esta é a que fica no topo das aberrações.
      É mais um aborto ortográfico do que um acordo… e as raízes do Latim estão a ir todas pro caraças…

    • Pois…Esta história do (des)Acordo Ortográfico só serviu para dar dinheiro às Editoras, todas elas!!! E possivelmente outros interessados que nem sonhamos!!! Enfim, mais uma vergonha e um Atentado atroz à Língua Portuguesa!

  5. Como diz o dono dessa pequena ditadura.

    “se o dinheiro pode pagar, então não é um problema”

    Tudo tem solução fácil, não é verdade?

  6. Porque não se faz como em países como a Suíça onde os manuais escolares passam de geração em geração!
    Estes apenas são trocados de x em x anos pois se são bons e se têm as matérias certas e bem estruturadas podem facilmente perdurar no tempo.
    Estes são países evoluídos, que apostam na qualidade e na continuidade, e claro na poupança das famílias!
    Mas quando se vive num pais do 3º mundo onde reina a corrupção, os maus vícios e as políticas de enriquecimento elícito…
    É Portugal no seu melhor…

  7. Aqui na Alemanha as escolas emprestam livros aos alunos. Se os livros forem danificados têm de ser pagos. Só os livros de exercícios é que não são reutilizados. Não é por ser um país mais rico que isto acontece, acontece porque as pessoas são mais honestas e solidárias.

RESPONDER

João Leão infetado com covid-19

João Leão, ministro das Finanças, testou positivo à covid-19. O governante encontra-se assintomático e em confinamento domiciliário. O ministro de Estado e das Finanças, João Leão, testou positivo à covid-19. A informação foi adiantada este sábado …

Ricardo Salgado quer anular multa de 75 mil euros

A defesa de Ricardo Salgado recorreu ao Supremo Tribunal de Justiça para tentar anular uma decisão do Tribunal da Relação de Lisboa que confirmou uma multa de 75 mil do Banco de Portugal por causa …

Portugueses começam a votar nas Presidenciais este domingo. Há 246 mil inscritos

Os portugueses começam a votar já neste domingo, uma semana antes das eleições Presidenciais de 24 de janeiro, no chamado voto antecipado em mobilidade para que se inscreveram mais de 246 mil eleitores. As europeias e …

Maduro ofereceu oxigénio ao Amazonas (quando há venezuelanos a morrerem por falta dele)

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ofereceu oxigénio hospitalar ao Estado do Amazonas, no Brasil, para ajudar a combater a falta deste gás devido ao elevado número de casos de covid-19. Uma generosidade que está …

Pior dia da pandemia. Portugal regista 10.947 infetados e 166 mortos em 24 horas

O boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS) revela que, este sábado, Portugal atingiu dois recordes num só dia. Portugal voltou a registar um novo máximo este sábado, no dia dois do novo confinamento. Nas últimas …

Vírus duplica incidência em Espanha. Já provocou quase 2.500 mortos em 2021

Nos primeiros 15 dias de 2021, o número de infeções por covid-19 duplicaram em Espanha, com mais 300 mil novos contágios e 2.477 mortes, segundo números das autoridades sanitárias. Espanha começou o ano de 2021 com …

Apoio do Governo para pagar conta da luz em Janeiro não passa dos 2,40 euros por família

O apoio extraordinário que o Governo vai dar às famílias portuguesas para o pagamento da conta da luz, neste mês de Janeiro, devido ao confinamento e às temperaturas anormalmente baixas, é modesto. A verba máxima …

Crónica ZAP - Nota Artística por Nuno Miguel Teixeira

Nota artística: um clássico que valia 14 pontos

https://soundcloud.com/nuno-teixeira-264830877/fc-porto-1-1-benfica-o-musical-1 Chegámos.   Chegámos ao grande jogo do campeonato. Desta vez aparece no calendário só a meio de Janeiro, mas cá está ele. O grande jogo. "Ai não! Há Sporting, há Boavista, há Braga!". O Sporting e o …

Armin Laschet sucede a Angela Merkel na liderança da CDU

Este sábado, Armin Laschet foi eleito líder do partido alemão União Democrata-Cristã (CDU), depois de Angela Merkel ter abandonado o cargo, em setembro. Armin Laschet, chefe do governo da Renânia do Norte-Vestfália, é o novo líder …

"Não há vagas". Ambulâncias fazem fila à porta dos hospitais (até parece Itália em Março)

Os engarrafamentos de ambulâncias à entrada das urgências dos Hospitais de Torres Vedras e de Santa Maria, em Lisboa, ilustram a gravidade do que está a acontecer no Serviço Nacional de Saúde (SNS) com o …