Porto 2-0 Olympiacos | Chama do “dragão” trava gregos

Fernando Veludo / Lusa

O FC Porto venceu na noite desta terça-feira o Olympiacos por 2-0, numa partida relativa à segunda jornada do Grupo C da Liga dos Campeões, sob o olhar dos cerca de 3750 adeptos que se deslocaram ao reduto dos “azuis-e-brancos”.

Os “dragões” – que chegaram aos 100 triunfos em embates da Champions e da Taça dos Campeões, graças aos golos de Fábio Vieira e de Sérgio Oliveira – somaram os primeiros três pontos na prova diante de um adversário que tinha derrotado o Marselha na primeira ronda.

No outro encontro deste agrupamento, o Manchester City travou a armada francesa de André Villas-Boas por 3-0.

 

O jogo explicado em números

  • Após ter jogado com três defesas nas partidas frente ao Manchester City e Gil Vicente, Sérgio Conceição voltou a escolher uma linha com quatro defensores, três médios e outros tantos avançados para defrontar o Olympiacos. Realce para a recuperação de Otávio e para a continuidade na aposta em Fábio Vieira. Do lado grego, José Sá e Rúben Semedo foram titulares.
  • Matreiro, o “dragão” inaugurou a contenda na primeira vez que enquadrou um remate ao alvo, graças a uma pressão alta que conseguiu condicionar a primeira fase de construção dos gregos. Sérgio Oliveira aproveitou uma má recepção do capitão Bouchalakis, centrou, Cissé ainda impediu que a bola chegasse a Corona e Marega, mas na sequência, Fábio Vieira, com um pontapé letal, bateu José Sá e abriu a contagem aos 11 minutos.
  • Com uma boa organização, os “azuis-e-brancos” conseguiam travar com sucesso grande parte das investidas adversárias e com critério iam gizando lances de ataque. Um exemplo disso ocorreu aos 28 minutos; Sérgio Oliveira recuperou a bola em zona subida, assistiu e Marega não teve arte para desfeitear José Sá. Neste período, os campeões nacionais tinham, além da vantagem no “score”, 49% da posse de bola, 138 passes trocados, com uma eficácia de 80%, dois cantos e três remates, sendo que dois foram enquadrados.
  • Aos 32 minutos, um contra-ataque quase perfeito ia dando o 2-0 aos da casa. Fábio Vieira arrancou, passou a bola a Marega, que já no interior da área do Olympiacos quis assistir e não fez mira ao alvo. Mérito para José Sá, que foi lesto a sair da baliza e tapou o ângulo ao maliano. Ocasião soberana desperdiçada pelos comandados de Sérgio Conceição.
  • Num dos poucos ataques helénicos que levaram perigo, a cinco minutos do intervalo, Manafá fez “a vez” de Marchesín e cortou em cima da linha de baliza um remate de Valbuena, naquela que foi a ocasião dos forasteiros que mais calafrios levou à defensiva portuguesa.
  • Um golo do jovem Fábio Vieira fazia a diferença e dava expressão ao maior domínio do FC Porto, que foi inteligente na ocupação dos espaços, principalmente na zona central – área de acção onde ocorreram 50% das incidências neste período -, dessa forma soube “travar” os raides do Olympiacos e retirar o espaço nas costas da defesa, que a equipa de Pedro Martins tanto gosta de explorar.
  • O minuto 11 foi uma perfeita ilustração da forma como a equipa levou a campo as lições do “professor” Sérgio Conceição. Marega, em duas ocasiões, teve nos pés possibilidades para dilatar a vantagem, ao passo que apenas El Arabi (21′) e Valbuena (40′) assustaram Marchesín e companhia. om um GoalPoint Rating de 6.7, Sérgio Oliveira destacou-se.
  • O médio esteve na génese do lance que fazia a diferença pelo golo, fez, ainda, quatro passes valiosos certos (realizados a menos de 25 metros da baliza), 37 acções com a bola, sete recuperações do esférico, quatro desarmes e 78% de eficácia no capítulo do passe – 21 certos em 27 tentados.
  • À passagem do minuto 52, Marchesín segurou o ouro, negando o empate a Randjelovic após cruzamento de Valbuena. Em cinco tentativas – o mesmo número do que o FC Porto -, foi o segundo remate enquadrado à baliza feito pelo emblema de Atenas, que surgia mais agressivo na recuperação do esférico e incisivo a atacar.
  • Sucediam-se as jogadas de ataque do Olympiacos, que na etapa final já contabilizava quatro remates – tantos como os que fez na primeira metade –, outros tantos cantos, oito cruzamentos e 67% da posse de bola.
  • Por sua vez, o FC Porto tinha mais dificuldades em manter o ritmo que apresentara e começava a “destapar a manta”. Depois de Fábio Vieira, que foi substituído por Nakajima, seguiram-se as entradas de Grujic e de Evanílson, para as vagas de Otávio e Corona, respectivamente.
  • Apenas aos 72 minutos os “dragões” conseguiram uma finalização com relativo perigo, quando o remate de Marega saiu à figura de José Sá. Instantes antes, Bruma e Rúben Vinagre refrescaram a equipa visitante.
  • A cinco minutos dos 90, Sérgio Oliveira praticamente sentenciou qualquer tentativa de reacção dos gregos: Marega centrou com as coordenadas certas e o médio, com um cabeceamento, dilatou a vantagem para 2-0. Hassan ainda tentou reduzir distâncias, mas Marchesín voltou a gritar presente e defendeu o remate do egípcio.
  • Naquele que foi o sétimo frente-a-frente entre os dois conjuntos, sempre na fase de grupos da Champions, os portistas igualaram o mesmo número de triunfos dos helénicos (três) e ganharam um novo alento no que concerne à luta pela presença nos oitavos-de-final. Com este resultado, os homens de Sérgio Conceição colocaram um travão na série de dez jogos consecutivos a sofrer golos em partidas europeias.

 

O melhor em campo GoalPoint

Sérgio Oliveira é uma espécie de seguro, que quase nunca falha e cumpre sempre. Esta terça-feira, à fiabilidade já habitual que imprime na segurança e organização do FC Porto, foi uma espécie de “espalha brasas” junto à área do Olympiacos.

Primeiro, assistiu Fábio Vieira para o golo que inaugurou o marcador e, já na recta final, assinou o tento que dissipou as dúvidas relativamente ao vencedor deste jogo. O internacional português foi o MVP com um GoalPoint Rating de 7.6.

Além de tudo o enumerado – que não foi pouco -, criou três passes valiosos (certos feitos a menos de 25 metros da baliza), um cruzamento eficaz, quatro passes progressivos correctos, acumulou 58 acções com a bola, cinco recuperações do esférico, quatro desarmes e dois alívios.

 

Jogadores em foco

  • Marchesín 7.0 – Sempre que foi chamado a intervir, não vacilou e protegeu a vantagem da equipa com três intervenções de altíssimo nível. Teve, também, duas saídas em que retirou a bola da sua área a soco, 41 acções com a bola e acertou seis passes longos em 15 tentados.
  • Zaidu 6.7 – A missão de substituir Alex Telles não é fácil, mas a verdade é que o antigo jogador do Santa Clara vai-se aguentado no corredor esquerdo da defesa. Não se aventurou muito no ataque – um remate e dois cruzamentos feitos – e demonstrou muita segurança a defender: três duelos aéreos defensivos ganhos em outras tantas intervenções, seis recuperações de posse, quatro alívios e bloqueou em duas ocasiões passes/cruzamentos do Olympiacos.
  • Fábio Vieira 6.6 – Uma noite para mais tarde recordar. Novamente titular, marcou golo num dos dois remates que fez, demonstrou muita qualidade no capítulo do passe, com uma eficácia de 90% – 26 certos e três falhados -, três valiosos, dois cruzamentos, quatro recuperações de bola e ainda ajudou no processo defensivo.
  • Valbuena 6.2 – Enquanto esteve em cena, foi o jogador que mais dores de cabeça deu à defesa portista. O criativo francês tem na sua ficha um remate, quatro passes para finalização – máximo no encontro -, três passes valiosos, seis cruzamentos – outro máximo nesta noite -, duas acções no interior da área e foi perfeito no capítulo dos dribles, com três tentados e três concretizados com êxito.
  • Pepe 6.1 – No dia em que atingiu a marca dos 100 jogos da Liga dos Campeões, o defesa-central foi mais uma vez peça importante, esteve imperial nas altura, vencendo os quatro duelos aéreos defensivos que protagonizou, e foi quem mais recuperou a posse de bola, acumulando oito acções.
  • Marega 5.9 – O jogo não lhe estava a correr de feição, desperdiçando duas ocasiões flagrantes, mas redimiu-se e cruzou na perfeição para o cabeceamento de Sérgio Oliveira. Foi o elemento no terreno de jogo com mais acções dentro da área, no total nove.
  • Rúben Semedo 5.8 – O jogador português dos gregos que mais se destacou. É certo que acabou por tramar Bouchalakis na jogada em que nasceu o golo inaugural, mas ainda tentou remar contra a maré com dois remates, ambos desenquadrados, 80 acções com a bola e venceu dois dos três duelos aéreos ofensivos em que interveio.

 

Resumo

PARTILHAR

RESPONDER

Parque de esculturas subaquático vai ser inaugurado em Miami

Miami vai servir de casa para um novo parque de esculturas subaquático como nunca viu. O ReefLine é projetado para servir como um recife artificial e vai estar disponível a receber visitantes em dezembro de …

Da "política do filho único" a incentivos à natalidade: como a China tem mudado a sua estratégia populacional

A China está a planear incluir novas medidas para estimular a taxa de natalidade do país e lidar com o rápido envelhecimento da população. A estratégia passa pelo “plano de cinco anos” que deverá estar …

Vacinação será “grande prioridade” de presidência portuguesa da UE

O primeiro-ministro português, António Costa, referiu hoje que a vacinação contra a covid-19 deverá ser uma das “grandes prioridades” da presidência portuguesa do Conselho da União Europeia (UE), após um encontro com o presidente do …

No Cambodja, os aldeões usam "espantalhos mágicos" para afastar a covid-19

Os aldeões do Cambodja têm evitado a pandemia de covid-19 sem máscaras nem distanciamento social, mas sim com "espantalhos mágicos" que espantam o vírus mortal. Os dois espantalhos de Ek Chan, um aldeão de 64 anos, …

O Arecibo desabou. É o fim de uma era à procura de vida extraterrestre

O Observatório de Arecibo, em Porto Rico, morreu. Três semanas depois de um dos principais cabos de sustentação da sua cúpula ter desabado, danificado irremediavelmente o radiotelescópio, o icónico caçador de vida extraterrestre antecipou-se à …

O maior elevador panorâmico do mundo tem vista para os cenários de Avatar

Com o recente lançamento de fotografias subaquáticas dos bastidores do Avatar 2 e a notícia de que Avatar 3 está quase a terminar as filmagens, não há melhor momento para revisitar o parque nacional que …

Pandemia tirou comida da mesa, mas deu asas a startup que transforma plástico do mar em máscaras

A startup portuguesa Skizo transformou a pandemia numa oportunidade de crescimento. Quando faltava comida nalgumas mesas, a empresa de produção de sapatilhas e bolsas passou a fazer máscaras a partir de plástico retirado dos oceanos …

Na Irlanda, o Pai Natal é considerado um "trabalhador essencial"

A Irlanda fez esta semana um anúncio especialmente dedicado às crianças, afirmando que o Pai Natal é considerado um trabalhador essencial no país e, por isso, não terá as suas deslocações restringidas no período natalício. …

Mais 2400 novos casos. Portugal ultrapassa os 300 mil desde o início da pandemia

Portugal ultrapassou hoje a barreira dos 300 mil casos de covid-19 desde o início da pandemia no país, em março, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). Portugal registou mais 2.401 novos casos, tendo passado a contabilizar …

Medidas para o Natal conhecidas no sábado. Passagem de ano com todas as restrições

O primeiro-ministro, António Costa, adiantou hoje que no sábado anunciará as medidas para o Natal “com as melhores condições possíveis”, mas avisou desde já que “a passagem do ano vai ter todas as restrições”. “O Governo …