Quanto mais fundo vivem os polvos, mais “verrugas” têm (mas não se sabe porquê)

(dr) John Weinstein / Field Museum

Um dos polvos “verruguentos” que vivem nas profundezas do oceano

Alguns polvos encontrados em algumas das partes mais profundas do Oceano Pacífico têm uma pele mais irregular (como se tivessem “verrugas”) que os cientistas não conseguem explicar.

Uma equipa de investigadores tentou perceber porque é que alguns polvos que vivem no Oceano Pacífico — Graneledone pacifica — têm tantas “verrugas”, enquanto outros têm uma pele macia e sedosa.

Para isso, explica o IFLScience, os cientistas examinaram 50 espécimes, recolhidos no nordeste do Oceano Pacífico, ao longo da costa oeste da América do Norte, desde Washington até ao centro da Califórnia.

Para cada polvo, a equipa contou o número de “verrugas” numa linha entre as costas e a cabeça, bem como o número de ventosas encontradas nos seus braços. De seguida, foram realizadas análises de ADN que mostraram que os polvos “verruguentos” não eram de múltiplas espécies, como se pensava, mas sim da mesma espécie. Além disso, os polvos que viviam nas profundezas do oceano eram menores, com pele mais irregular e tinham menos ventosas do que os outros.

“Para já, nem sequer sabemos do que é que estas ‘verrugas’ são feitas, mas achamos que podem ser cartilaginosas. Ainda estamos a tentar perceber se são um benefício para estes polvos. Eles vivem muito fundo no oceano para que a luz os atinja, logo, não nos parece que seja para camuflagem”, declara ao mesmo site Janet Voight, autora do estudo agora publicado na revista científica Bulletin of Marine Science.

Os investigadores estão a trabalhar nesta teoria: à medida que as profundidades aumentam, as possibilidades de presas diminuem, tornando por isso a caça por alimento mais difícil e consumidora de energia.

Ou seja, pode ser que, ao longo de gerações, os polvos que comiam menos devido à disponibilidade de presas evoluíssem para um tamanho menor, produzissem também ovos menores que, por sua vez, eclodiam em crias menores.

“Se estes animais estão quase a viver no que para eles é um habitat extremo, a sua presença pode dar-nos uma pista para a saúde do oceano profundo. Este é o maior habitat do planeta, cobrindo cerca de 68% da sua superfície, mas é de longe o menos conhecido. O mar profundo suporta uma variedade surpreendentemente diversificada de animais. Precisamos de aprender mais sobre os animais que vivem no maior habitat do planeta”, conclui Voight, investigadora do Field Museum, nos EUA.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

Cidade japonesa acaba de proibir a utilização de telemóveis enquanto se caminha

A cidade japonesa de Yamato acaba de aprovar uma proposta de lei que proíbe as pessoas de utilizarem telemóveis enquanto caminham. A cidade, localizada num subúrbio de Tóquio, entende que os telemóveis são um risco …

MIT apagou base de dados popular que ensinou IA a ser racista e sexista

O Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, viu-se obrigado apagar uma base de dados de treinamento de Inteligência Artifical (IA) depois de esta ensinar vários algoritmos a usar insultos racistas e sexistas. …

Escola Básica e fábrica de Paços de Ferreira encerradas, com nove casos positivos

A Escola Básica n.º 2 e a Fábrica de Lacados Abrelac, em Paços de Ferreira, Porto, foram encerradas após diagnosticados nove casos de covid-19 para “prevenção” e para “interromper as cadeias de transmissão”, disseram hoje …

Mais nove mortes e 328 casos confirmados em Portugal

Portugal regista hoje mais nove óbitos por covid-19, em relação a sábado, e mais 328 casos de infeção confirmados, dos quais 254 na região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo os dados da Direção-Geral …

Cientistas criam miniatura de ondas de choque de supernovas (e quase desvendam um mistério)

Esta versão em miniatura das ondas de choque das supernovas pode ter ajudado os cientistas a chegar muito perto da resolução de um antigo mistério cósmico. Uma equipa de investigadores do Departamento de Energia do Centro …

Na Indonésia, são os recém-licenciados quem mais vai sofrer com o impacto económico da covid-19

A covid-19 continua a desacelerar a economia na Indonésia e pode causar graves impactos nos recém-licenciados que entram no mercado de trabalho pela primeira vez. Na Indonésia, o crescimento económico diminuiu para 2,97% durante o primeiro …

Mudanças climáticas ameaçam 60% das espécies de peixes do mundo

Uma nova investigação levada a cabo por cientistas do Instituto Alfred Wegener, na Alemanha, sugere que as mudanças climáticas podem destruir mais espécies de peixes do que se pensavam anteriormente. Se as temperaturas globais subirem …

Engenheiros desenvolvem célula de combustível duas vezes mais eficiente do que a de hidrogénio

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, desenvolveu um novo processo para uma célula de combustível que funciona com o dobro da tensão das células a combustível tradicionais de hidrogénio. O novo …

Preços das bebidas concertados durante anos. Seis supermercados sob suspeita de cartel

Seis grupos de distribuição alimentar e dois fornecedores de sumos, vinhos e outras bebidas, foram acusados pela Autoridade da Concorrência de concertarem preços durante vários anos em prejuízo do consumidor. "Após investigação, a Autoridade da Concorrência, …

Sindicato denuncia mobilização forçada de médicos para tratar surto de Reguengos de Monsaraz

O Sindicado dos Médicos da Zona Sul (SMZS) denunciou hoje o que diz ser uma “mobilização forçada de médicos” pela Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo para o combate ao surto de covid-19 de …