Políticas ambientais “prejudicaram o crescimento” do Brasil, diz Jair Bolsonaro

Marcelo Camargo / Agência Brasil

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, afirmou na quarta-feira, em Manaus, no estado do Amazonas, que reservas indígenas e políticas de proteção ambiental “prejudicaram o crescimento do Brasil”, segundo a imprensa local.

“Hoje, nós temos o estado Amazonas tomado, na maior parte, por reservas indígenas, áreas de proteção ambiental, estações ecológicas, parques nacionais, entre outras políticas ambientais que, em parte, prejudicaram o crescimento do nosso Brasil”, disse o Presidente, noticiou o G1, citado pela agência Lusa.

O chefe de Estado elogiou ainda a Zona Franca de Manaus, um parque industrial brasileiro, criado em 1967, durante a ditadura militar.

Desde que assumiu o poder, em janeiro, Jair Bolsonaro declarou, por várias vezes, que não irá demarcar mais terras indígenas durante o seu mandato presidencial. No final de agosto, o Presidente disse que se demarcasse todas as áreas indígenas solicitadas, a “agricultura e pecuária ficariam inviabilizadas”.

“Aproximadamente 200 áreas indígenas estão prontas a ser demarcadas (…) Ou seja, hoje em dia, 14% do território brasileiro já está demarcado como terra indígena, mas se eu demarcar todas essas áreas que estão a pedir, esse valor passa para 20%. Simplesmente a agricultura, pecuária, ficariam inviabilizadas no Brasil”, argumentou Jair Bolsonaro na ocasião, no Facebook.

Ao participar numa feira em Manaus, região que integra a Amazónia brasileira, Jair Bolsonaro afirmou na quarta-feira que grande parte dos indígenas é condenada a viver como “homens pré-históricos”, situação que, a seu ver, deve ser alterada.

O chefe de Estado argumentou que os índios desejam produzir, plantar e garimpar [extração de minérios] as suas terras, para colherem os “benefícios e as maravilhas da ciência e da economia”.

“Quantos entre vocês, aqui, são descendentes de índios? Por que reservar o espaço dentro de uma terra onde você não possa fazer nada sobre ela? Eu quero (…). Nós queremos o índio fazendo dentro da sua terra exatamente o que o fazendeiro faz do lado, na sua terra. Possa, inclusive, garimpar”, declarou o governante, citado pelo G1.

Patrick Reynaud / Mídia Índia

O líder indígena Paulo Paulino Guajajara, um dos denominados Guardiões da Floresta

Contudo, nem todas as comunidades indígenas partilham da opinião de Jair Bolsonaro em relação à prática mineira. Numa carta tornada pública esta quarta-feira, lideranças dos povos indíegnas Yanomami e Yekwana, fixados nos estados de Roraima e Amazonas, frisaram não querer “garimpo e mineração” nas suas terras.

“Nós queremos que o Governo cumpra o seu dever de proteger a nossa terra. Queremos que o Governo tire os garimpeiros que estão na nossa terra e impeça a entrada de mais garimpeiros. Nós conhecemos os nossos direitos e sabemos que o garimpo na Terra Indígena Yanomami é ilegal. Vocês, brancos, fizeram essa lei, mas vocês mesmos não estão a cumprir. Nós sabemos cuidar da nossa terra-floresta”, lê-se no documento.

As lideranças indígenas dizem ainda sentirem-se ameaçadas por garimpeiros, e temem que se aproxime um novo “massacre”.

“Nossos avós e tios morreram por causa dos garimpeiros. Nós não queremos repetir essa história de massacre. (…) Os garimpeiros estão a ameaçar as nossas vidas, violando e prostituindo as nossas mulheres. Trazem todo tipo de bebidas, drogas e doenças. Eles têm muitas armas e são violentos também entre eles. Eles matam-se uns aos outros e enterram os corpos na beira dos rios”, denunciaram os povos nativos.

Os líderes indígenas alertaram igualmente para a contaminação de “rios, peixes, alimentos” com o mercúrio usado pelos garimpeiros, denunciando que no rio Uraricoera, o mais extenso de Roraima, “mais de 90% das pessoas que foram analisadas apresentaram alto índice de contaminação”.

Os povos indígenas de Yanomami e Yekwana acrescentaram que não irão praticar extração mineira, reforçando que têm outras formas de sustento.

“As nossas riquezas são os nossos conhecimentos tradicionais, a nossa saúde, nossos rios limpos e as nossas crianças crescendo felizes. O nosso trabalho não é o garimpo, o nosso trabalho é a roça [plantação], é o artesanato, temos as nossas formas próprias de gerar rendimento a partir de nossos conhecimentos sobre a floresta. O nosso conhecimento tem mais valor que o ouro”, concluíram.

ZAP Lusa //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Que grande animal este bolsado vomitado…
    Porque motivo as fabricantes de automóveis são obrigadas a desenvolver medidas para redução das emissões de gases? isso só retira dividendos das empresas automobilistas… não é? será que este animal não entende que as medidas ambientais não são um custo mas sim um investimento?????
    Que grande palhação!

RESPONDER

Portugal já está a vacinar 100 mil pessoas por dia. 10% da população já tomou duas doses

Na quinta-feira, cerca de 100 mil pessoas receberam a vacina contra a covid-19, o que antecipa em uma semana esta meta definida pela task force do plano de vacinação. Cerca de 100 mil pessoas receberam a …

Açores vão ter testes gratuitos em farmácias e rastreios laborais aleatórios

Os Açores vão passar a disponibilizar testes rápidos gratuitos para o despiste da covid-19 nas farmácias, testes de saliva para a testagem massiva aos alunos e rastreios laborais aleatórios, anunciou esta quinta-feira o secretário regional …

Uma morte e 377 novos casos nas últimas 24 horas. Rt e incidência recuam

O boletim da DGS desta sexta-feira dá conta de mais 377 novos casos em Portugal. Registou-se ainda mais um óbito. Nesta sexta-feira, dia 7 de maio, o país tem 22.421 casos ativos, menos 114 do que …

MP investiga morte de bebé que terá sido esquecido no carro em Lisboa

O Ministério Público instaurou um inquérito para averiguar as circunstâncias da morte de uma criança de dois anos que terá ficado esquecida no interior de um carro, em Lisboa. A mãe ter-se-á esquecido do bebé …

Governo está a preparar contestação de providência cautelar sobre Zmar

O ministro da Administração Interna afirmou hoje que já está a ser preparada a contestação à providência cautelar que suspende a requisição civil das casas do complexo Zmar, adiantando que o Ministério não foi ainda …

Subsídio europeu de 150 euros mensais para tirar 5 milhões de crianças da pobreza severa

Arrancou nesta sexta-feira, no Porto, a Cimeira Social promovida pela presidência portuguesa do Conselho da União Europeia. Um momento que o ex-ministro Pedro Marques aproveita para lançar a ideia de um novo apoio social de …

Banca empresta 475 milhões para Fundo de Resolução pagar ao Novo Banco

O sindicato bancário, composto por sete bancos, vai proceder ao financiamento do Fundo de Resolução para este cumprir a injeção de capital no Novo Banco já na próxima semana. O Jornal Económico avança, esta sexta-feira, que …

China suspende "diálogo económico" com a Austrália e denuncia "mentalidade de Guerra Fria"

Esta quinta-feira, o Governo chinês anunciou a suspensão "por tempo indefinido" de todas as atividades realizadas no âmbito da iniciativa "Diálogo Económico Estratégico China-Austrália". As relações entra a China e o ocidente estão cada vez mais …

Bolsonaro diz ter tido sintomas de reinfeção. China acusa-o de "politizar" novo coronavírus

O Presidente do Brasil admitiu na quinta-feira que teve sintomas de reinfeção pelo novo coronavírus "há poucos dias" e afirmou que tomou ivermectina, fármaco sem comprovação científica contra a covid-19. As declarações de Jair Bolsonaro foram …

"É fácil despedir". PCP quer mudar regime de despedimento coletivo e extinção de postos de trabalho

O PCP vai entregar na Assembleia da República esta sexta-feira um projeto de lei que visa limitar os despedimentos coletivos e a extinção de postos de trabalho, eliminando o despedimento por inadaptação. O objetivo do partido …