Política orçamental tem de “ser adaptada”, diz Centeno

Mário Cruz / Lusa

O ex-ministro das Finanças e governador do Banco de Portugal, Mário Centeno

O governador do Banco de Portugal, Mário Centeno, defendeu que as medidas de apoio à economia criadas pelos governos em 2020 foram “corajosas”, mas também “mais simples de desenhar face ao que vem agora”, tendo a política orçamental que “ser adaptada”.

Durante o 30.º congresso da Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações (APDC), Centeno indicou que a política orçamental deve agora ser “direcionada para onde é mais necessária”, considerando “a evolução assimétrica da crise”.

E também necessário dar “os incentivos certos” à economia, sublinhou o ex-ministro das Finanças, citado pelo ECO, sublinhando que os quatro biliões de euros em compras de ativos pelo Banco Central Europeu (BCE) e dois biliões de liquidez “fizeram a diferença”, até porque “a melhor forma de recuperar de uma crise é ter instituições fortes e credíveis”.

Centeno apontou ainda que 79% dos europeus apoiam o euro em 2021, contra 62% em 2015. “Este é o tipo de resultado a que dedicamos os nossos esforços”, frisou, lembrando que o BCE está a trabalhar no sentido de criar o euro digital.

  Taísa Pagno //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE