As plantas resistem ao cancro e nem Chernobyl as consegue matar

As plantas são altamente resilientes ao cancro e conseguem-se adaptar, ao contrário de animais e seres humanos. Nem a radiação emitida pelo desastre de Chernobyl conseguiu matar as populações de plantas que ainda hoje florescem nesta zona.

Chernobyl tornou-se sinónimo de catástrofe. O desastre nuclear de 1986, recentemente trazido de volta aos olhos do público pela imensamente popular série da HBO, causou milhares de cancros, transformou uma área antes populosa numa cidade fantasma e resultou na criação de uma zona de exclusão de 2.600 km².

Mas a zona de exclusão de Chernobyl não é desprovida de vida. Lobos, javalis e ursos regressaram às florestas que cercam a antiga central nuclear. E quando se trata de vegetação, todas as plantas, exceto as mais vulneráveis e expostas, nunca morreram, e mesmo nas áreas mais radioativas da região, a vegetação recuperou em três anos.

Seres humanos e outros mamíferos e aves teriam morrido com a radiação recebida pelas plantas nas áreas mais contaminadas. Então, porque é que a vida vegetal é tão resiliente à radiação e ao desastre nuclear?

Para responder a esta pergunta, primeiro é preciso entender como é que a radiação dos reatores nucleares afeta as células vivas. O material radioativo de Chernobyl é “instável” porque está constantemente a lançar partículas e ondas de alta energia que destroem estruturas celulares ou produzem substâncias químicas reativas que atacam a maquinaria das células.

A maioria das partes da célula é substituível se estiver danificada, mas o ADN é uma exceção crucial. Em altas doses de radiação, o ADN torna-se deturpado e as células morrem rapidamente. Doses mais baixas podem causar danos mais subtis na forma de mutações que alteram o funcionamento da célula.

Em animais, isto geralmente é fatal, porque as suas células e sistemas são altamente especializados e inflexíveis. Pensemos na biologia animal como uma intrincada máquina, na qual cada célula e órgão tem um lugar e um propósito, e todas as partes devem trabalhar e cooperar para que o indivíduo sobreviva. Um humano não pode sobreviver sem cérebro, coração ou pulmões.

As plantas, no entanto, desenvolvem-se de uma maneira muito mais flexível e orgânica. Como não se podem mexer, não têm escolha senão adaptarem-se às circunstâncias em que se encontram. Em vez de ter uma estrutura definida como um animal, as plantas criam as coisas à medida que avançam.

Ao contrário das células animais, quase todas as células vegetais são capazes de criar novas células de qualquer tipo. É por isso que um jardineiro pode cultivar novas plantas a partir de aparas.

Isto significa que as plantas podem substituir células mortas ou tecidos muito mais facilmente do que os animais, seja o dano causado pelo ataque de um animal ou pela radiação. Um estudo publicado em 2016 na revista Current Opinion in Plant Biology ilustra bem esta comparação na resistência de plantas e animais.

E enquanto a radiação e outros tipos de danos no ADN podem causar tumores nas plantas, as células com mutações normalmente são incapazes de se espalhar de uma parte da planta para outra, como os cancros, graças às paredes rígidas e interligadas que cercam as células das plantas. Esses tumores também não são fatais na grande maioria dos casos, porque a planta consegue encontrar maneiras de contornar o tecido defeituoso.

Curiosamente, além desta resiliência inata à radiação, algumas plantas na zona de exclusão de Chernobyl parecem estar a usar mecanismos extra para proteger seu ADN, mudando a sua química para torná-lo mais resistente a danos e ativando sistemas para consertá-lo se isso não acontecer.

Uma nova vida

A vida está agora a prosperar em torno de Chernobyl. Na realidade, populações de muitas espécies de plantas e animais são maiores do que eram antes do desastre. A radiação tem efeitos comprovadamente prejudiciais na vida das plantas e pode encurtar a sua vida. Mas, se os recursos que sustentam a vida abundarem, a vida florescerá.

Crucialmente, o fardo trazido pela radiação em Chernobyl é menos severa do que os benefícios colhidos pelos humanos que saem da área. Agora, uma das maiores reservas naturais da Europa, o ecossistema suporta mais vida do que antes, mesmo que cada ciclo individual dessa vida dure um pouco menos.

De certa forma, o desastre de Chernobyl revela a verdadeira extensão do nosso impacto ambiental no planeta. Por mais prejudicial que fosse, o acidente nuclear foi muito menos destrutivo para o ecossistema local do que para nós. Ao nos afastarmos da área, criamos um espaço para a natureza regressar.

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Como pode Chernobyl matar as plantas, se são elas que estão precisamente a limpar a água e ar dos resíduos nucleares? Tantos cientistas, a mostrarem tanta ignorância. Essas plantas, alimentam-se exactamente desses resíduos. Graças a Deus, que são plantas destas e bactérias que tem estado a limpar águas e ar da poluição radioactiva.

    • Lamento informa-lo que o seu comentário demonstra a sua completa ignorância sobre o reino vegetal.
      Mais valia estar “calado” e deixar “falar” quem percebe do assunto.

RESPONDER

Cada vez mais mulheres denunciam abusos médicos durante o parto

Um número crescente de mulheres tem vindo a denunciar casos de abuso durante o trabalho de parto. No entanto, pouco está a ser feito para mudar isto. Durante o parto, as mulheres ficam numa posição vulnerável …

Já podemos explorar "Melckmeyd", naufrágio holandês do século XVII

Nas profundezas do Oceano Atlântico, perto da costa da Islândia, encontram-se os destroços de um navio holandês que afundou há 360 anos, no qual agora podemos "mergulhar" graças a uma experiência de realidade virtual. Quando a …

Os furacões podem provocar atividade sísmica tal como um terramoto

Uma equipa de cientistas descobriu um novo fenómeno geofísico no qual furacões ou fortes tempestades podem produzir vibrações no fundo do oceano tão fortes quanto um terramoto de magnitude 3.5. "As tempestades, furacões ou ciclones extratropicais …

Quem anda mais devagar pode envelhecer mais rapidamente

A velocidade a que caminham as pessoas aos 45 anos pode ser um indicador de como é que o cérebro e o corpo envelhecem, revela um novo estudo levado a cabo por uma equipa de …

Sporting apresentou participação disciplinar à FPF contra o Alverca

O Sporting participou ao Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) contra a utilização de Luan pelo Alverca no jogo da Taça de Portugal, confirmou à agência Lusa fonte ligada ao processo. Em causa, …

Há um país europeu que está a "importar" padres da Índia

O clero irlandês está a ficar cada vez mais envelhecido e as novas gerações parecem menosprezar a profissão. Por isso, a Igreja procura soluções no exterior. Há dois anos, o padre Francis Xavier Kochuveettil aterrou no …

Fábio Silva fez história na goleada frente ao Coimbrões

Fábio Silva, o jovem avançado do FC Porto, fez este sábado história no jogo frente ao Coimbrões: tornou-se o mais jovem de sempre a marcar pelos dragões. No jogo deste sábado para a Taça da …

Relação com o PS "nunca foi fácil", diz Catarina Martins

O Bloco de Esquerda assumiu este sábado que a relação com o PS “nunca foi fácil” e recusou que a perda de votos e a falta de um acordo de maioria parlamentar possam ser encarados …

Pedro Rodrigues, ex-líder da JSD, quer liderar a bancada do PSD

O antigo líder da JSD Pedro Rodrigues quer liderar a bancada parlamentar do PSD durante a próxima legislatura, avança o Expresso este sábado, dando conta que o deputado eleito por Lisboa já está a recolher …

Boris Johnson pede novo adiamento do Brexit (e reitera que não o quer)

Depois do Dia D que pouco ou nada definiu no Parlamento britânico, o primeiro-ministro Boris Johnson assegurou esta sábado ao presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, que vai fazer um novo pedido de adiamento do …