As plantas resistem ao cancro e nem Chernobyl as consegue matar

As plantas são altamente resilientes ao cancro e conseguem-se adaptar, ao contrário de animais e seres humanos. Nem a radiação emitida pelo desastre de Chernobyl conseguiu matar as populações de plantas que ainda hoje florescem nesta zona.

Chernobyl tornou-se sinónimo de catástrofe. O desastre nuclear de 1986, recentemente trazido de volta aos olhos do público pela imensamente popular série da HBO, causou milhares de cancros, transformou uma área antes populosa numa cidade fantasma e resultou na criação de uma zona de exclusão de 2.600 km².

Mas a zona de exclusão de Chernobyl não é desprovida de vida. Lobos, javalis e ursos regressaram às florestas que cercam a antiga central nuclear. E quando se trata de vegetação, todas as plantas, exceto as mais vulneráveis e expostas, nunca morreram, e mesmo nas áreas mais radioativas da região, a vegetação recuperou em três anos.

Seres humanos e outros mamíferos e aves teriam morrido com a radiação recebida pelas plantas nas áreas mais contaminadas. Então, porque é que a vida vegetal é tão resiliente à radiação e ao desastre nuclear?

Para responder a esta pergunta, primeiro é preciso entender como é que a radiação dos reatores nucleares afeta as células vivas. O material radioativo de Chernobyl é “instável” porque está constantemente a lançar partículas e ondas de alta energia que destroem estruturas celulares ou produzem substâncias químicas reativas que atacam a maquinaria das células.

A maioria das partes da célula é substituível se estiver danificada, mas o ADN é uma exceção crucial. Em altas doses de radiação, o ADN torna-se deturpado e as células morrem rapidamente. Doses mais baixas podem causar danos mais subtis na forma de mutações que alteram o funcionamento da célula.

Em animais, isto geralmente é fatal, porque as suas células e sistemas são altamente especializados e inflexíveis. Pensemos na biologia animal como uma intrincada máquina, na qual cada célula e órgão tem um lugar e um propósito, e todas as partes devem trabalhar e cooperar para que o indivíduo sobreviva. Um humano não pode sobreviver sem cérebro, coração ou pulmões.

As plantas, no entanto, desenvolvem-se de uma maneira muito mais flexível e orgânica. Como não se podem mexer, não têm escolha senão adaptarem-se às circunstâncias em que se encontram. Em vez de ter uma estrutura definida como um animal, as plantas criam as coisas à medida que avançam.

Ao contrário das células animais, quase todas as células vegetais são capazes de criar novas células de qualquer tipo. É por isso que um jardineiro pode cultivar novas plantas a partir de aparas.

Isto significa que as plantas podem substituir células mortas ou tecidos muito mais facilmente do que os animais, seja o dano causado pelo ataque de um animal ou pela radiação. Um estudo publicado em 2016 na revista Current Opinion in Plant Biology ilustra bem esta comparação na resistência de plantas e animais.

E enquanto a radiação e outros tipos de danos no ADN podem causar tumores nas plantas, as células com mutações normalmente são incapazes de se espalhar de uma parte da planta para outra, como os cancros, graças às paredes rígidas e interligadas que cercam as células das plantas. Esses tumores também não são fatais na grande maioria dos casos, porque a planta consegue encontrar maneiras de contornar o tecido defeituoso.

Curiosamente, além desta resiliência inata à radiação, algumas plantas na zona de exclusão de Chernobyl parecem estar a usar mecanismos extra para proteger seu ADN, mudando a sua química para torná-lo mais resistente a danos e ativando sistemas para consertá-lo se isso não acontecer.

Uma nova vida

A vida está agora a prosperar em torno de Chernobyl. Na realidade, populações de muitas espécies de plantas e animais são maiores do que eram antes do desastre. A radiação tem efeitos comprovadamente prejudiciais na vida das plantas e pode encurtar a sua vida. Mas, se os recursos que sustentam a vida abundarem, a vida florescerá.

Crucialmente, o fardo trazido pela radiação em Chernobyl é menos severa do que os benefícios colhidos pelos humanos que saem da área. Agora, uma das maiores reservas naturais da Europa, o ecossistema suporta mais vida do que antes, mesmo que cada ciclo individual dessa vida dure um pouco menos.

De certa forma, o desastre de Chernobyl revela a verdadeira extensão do nosso impacto ambiental no planeta. Por mais prejudicial que fosse, o acidente nuclear foi muito menos destrutivo para o ecossistema local do que para nós. Ao nos afastarmos da área, criamos um espaço para a natureza regressar.

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Como pode Chernobyl matar as plantas, se são elas que estão precisamente a limpar a água e ar dos resíduos nucleares? Tantos cientistas, a mostrarem tanta ignorância. Essas plantas, alimentam-se exactamente desses resíduos. Graças a Deus, que são plantas destas e bactérias que tem estado a limpar águas e ar da poluição radioactiva.

    • Lamento informa-lo que o seu comentário demonstra a sua completa ignorância sobre o reino vegetal.
      Mais valia estar “calado” e deixar “falar” quem percebe do assunto.

RESPONDER

34 anos depois, dados da Voyager 2 revelam mais um segredo de Urano

Mais de 30 anos depois, os dados da Voyager 2, que sobrevoou o planeta em 1986, permitiram aos cientistas da NASA desvendar mais um segredo de Urano. Em janeiro de 1986, a Voyager 2 sobrevoou Urano. …

Está a nevar em Plutão

Em julho de 2015, a sonda New Horizons da NASA concluiu uma longa e árdua jornada pelo Sistema Solar, viajando a 36.000 mph durante nove anos e meio. Toda a missão focava-se em mapear a …

Cientistas dão um importante passo na criação de uma Internet quântica segura

Uma nova investigação da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, revelou o elo que faltava para termos uma Internet quântica funcional e prática: uma forma de corrigir os …

Os pedregulhos de Bennu brilham como faróis para a Osiris-Rex da NASA

Este verão, a sonda OSIRIS-REx empreenderá a primeira tentativa da NASA de tocar a superfície de um asteroide, recolher uma amostra e recuar em segurança. Mas, desde que chegou ao asteroide Bennu há mais de …

Cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para futuros desastres

Especialistas ouvidos pelo portal One Zero acreditam que cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para populações que possam vir a enfrentar desastres naturais no futuro potenciados pelas alterações climáticas. À medida que os desastres naturais …

Descobertas três novas espécies de pterossauro em Marrocos

Cientistas encontraram três novas espécies de pterossauro, que viveram no deserto do Sahara, há 100 milhões de anos, em Marrocos. De acordo com o site EurekAlert!, estas três novas espécies de pterossauro faziam parte de um …

Texto português do século XVI mostra eficácia da quarentena

Um especialista australiano descobriu num texto português do século XVI uma prova de que a quarentena ou o isolamento podem impedir a globalização de uma doença como a covid-19, que já provocou mais de 30 …

Coronavírus. Mercados chineses continuam a vender morcegos

Nem com a pandemia de covid-19 a China abre mão dos seus velhos hábitos. Embora o novo coronavírus tenha tido origem num mercado de animais exóticos, em Wuhan, muitos destes sítios continuam a funcionar normalmente …

No Twitter, o discurso de ódio contra chineses cresceu 900%

A L1ght, uma empresa que mede a toxicidade das plataformas digitais, partilhou recentemente um relatório no qual revela que o discurso de ódio contra a China e contra os chineses teve um crescimento de 900%. Donald …

Há mais pessoas em quarentena do que vivas durante a 2ª Guerra Mundial

Um terço da população mundial - 2,6 mil milhões de pessoas - está em quarentena. São mais seres humanos em isolamento do que aqueles que estavam vivos para testemunhar a 2ª Guerra Mundial. Na terça-feira, o …