Esta ave mostra que não é preciso ter um grande cérebro para formar uma sociedade complexa

Crisco 1492 / Wikimedia

Pintada-vulturina (Acryllium vulturinum)

A pintada-vulturina, uma ave proveniente de África, sugere agora que cérebros grandes não são necessariamente um requisito para viver entre sociedades complexas.

De acordo com o Science Alert, investigadores do Instituto Max Planck e da Universidade de Konstanz, na Alemanha, acompanharam as interações sociais de uma população de mais de 440 espécimes da ave pintada-vulturina, no Quénia, durante vários anos.

Mesmo no meio da multidão, o Acryllium vulturinum pode encontrar os seus amigos, e acompanhar o seu status social com centenas de outros indivíduos, um feito anteriormente conhecido apenas em mamíferos.

Estes animais são frequentemente observados em grupos, o que por si só não é incomum entre os pássaros. No entanto, o que é diferente neste caso é que esses grupos também têm associações consistentes com outros grupos.

Entre a população analisada, os cientistas descobriram que era composta por 18 grupos sociais, com 13 a 65 indivíduos em cada um, que consistiam em vários machos e fêmeas, incluindo pares reprodutores e não reprodutores.

Estas aves misturam-se com outros grupos durante o empoleiramento comunitário à noite e durante as atividades diurnas. Por exemplo, determinados grupos optam por juntar-se uns aos outros à noite, mesmo que não partilhem o mesmo território ou que não se relacionem durante o dia.

Depois de socializarem, determinados pássaros dividem-se de forma consistente dos seus grupos originais, o que significa que entendem quem faz parte do grupo e quem não faz. Os investigadores até suspeitam que estas aves tenham algo semelhante com grupos menores de amigos dentro desses grupos.

“Do que sabemos, é a primeira vez que uma estrutura social como esta é descrita no universo das aves”, disse o etólogo Danai Papageorgiou num comunicado do instituto.

Como tal, parece que esta espécie mantém círculos sociais complexos e de vários níveis, apesar de possuir um cérebro bastante pequeno.

“Esta descoberta levanta muitas questões sobre os mecanismos subjacentes às sociedades complexas e abre possibilidades interessantes de explorar o que é que fez essa ave evoluir um sistema social que é, em muitos aspetos, mais comparável a um primata do que a outras aves”, afirma também o etólogo Damien Farine.

Os investigadores observam ainda, no estudo publicado, este mês, na revista científica Current Biology, que as condições ecológicas moldam as interações entre os diferentes grupos desta ave, com maiores reuniões entre grupos observadas durante a abundante estação chuvosa.

“O nosso estudo não afirma que viver numa sociedade complexa não favorece um cérebro grande, antes sugere que podem haver maneiras alternativas e mais simples de alcançar os mesmos resultados sociais”, explicou Farine à Cosmos Magazine.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Aeroporto do Montijo avança com luz verde da Agência Portuguesa do Ambiente

O projeto do novo aeroporto no Montijo, na margem sul do Tejo, recebeu esta terça-feira uma decisão favorável condicionada em sede de Declaração de Impacte Ambiental (DIA), anunciou a Agência Portuguesa do Ambiente (APA). Em comunicado, …

Vírus da China faz nona vítima mortal. Já há casos em Macau e nos Estados Unidos

O número de mortes causadas por um novo tipo de pneumonia na China subiu esta quarta-feira para nove, com a morte de mais três pacientes, enquanto o número total de infetados é já superior a …

A cura para todos os tipos de cancro pode estar no nosso sistema imunitário

Em laboratório, uma equipa de cientistas da Universidade de Cardiff, no Reino Unido, conseguiu usar células do nosso próprio corpo para matar células cancerígenas. O nosso sistema imunitário é a defesa natural do nosso organismo contra …

Foi um asteróide (e nada mais do que um asteróide) que dizimou os dinossauros

Uma equipa internacional de cientistas acaba de reafirmar que foi um asteróide - e nada mais do que este corpo rochoso - que dizimou os dinossauros da face da Terra há cerca de 66 milhões …

Descoberta classe de objetos bizarros perto do enorme buraco negro da Via Láctea

Astrónomos da Iniciativa Órbitas do Centro Galáctico da UCLA (Universidade da Califórnia) descobriram uma nova classe de objetos bizarros no centro da Via Láctea, não muito longe do buraco negro supermassivo chamado Sagitário A*. "Estes objetos …

David Lynch lança curta-metragem no Netflix em dia de aniversário

O realizador norte-americano lançou no Netflix, esta segunda-feira, uma curta-metragem de 17 minutos. David Lynch lançou, esta segunda-feira, no dia do seu 74.º aniversário, uma curta-metragem de 17 minutos no Netflix, escreve o jornal Público. "What Did …

Dois homens confessam ter roubado (e depois devolvido) quadro de Klimt

A dupla de assaltantes disse que tinha roubado a pintura, em fevereiro de 1997, e que a devolveu "como um presente para a cidade". Dois homens confessaram ter roubado, e logo depois devolvido, a pintura de …

Ozzy Osbourne revela que tem Parkinson

O músico britânico, de 71 anos, revelou, esta terça-feira, que foi diagnosticado com a doença de Parkinson. De acordo com o The Guardian, Ozzy Osbourne fez esta revelação durante uma entrevista no programa Good Morning America, …

Jorja Smith regressa ao NOS Alive em 2020

A cantora britânica é a mais recente confirmação do NOS Alive 2020. O Passeio Marítimo de Algés volta assim a receber Jorja Smith pelo segundo ano consecutivo. “A artista que fez história com um dos concertos …

Confirmada a autenticidade de um raro auto-retrato de Van Gogh

Os principais especialistas holandeses da obra de Van Gogh concluíram que um auto-retrato de 1889 foi realmente pintado pelo artista. A notícia é avançada pelo jornal local holandês Dutch News, que recorda que a autenticidade desta …