Esta ave mostra que não é preciso ter um grande cérebro para formar uma sociedade complexa

Crisco 1492 / Wikimedia

Pintada-vulturina (Acryllium vulturinum)

A pintada-vulturina, uma ave proveniente de África, sugere agora que cérebros grandes não são necessariamente um requisito para viver entre sociedades complexas.

De acordo com o Science Alert, investigadores do Instituto Max Planck e da Universidade de Konstanz, na Alemanha, acompanharam as interações sociais de uma população de mais de 440 espécimes da ave pintada-vulturina, no Quénia, durante vários anos.

Mesmo no meio da multidão, o Acryllium vulturinum pode encontrar os seus amigos, e acompanhar o seu status social com centenas de outros indivíduos, um feito anteriormente conhecido apenas em mamíferos.

Estes animais são frequentemente observados em grupos, o que por si só não é incomum entre os pássaros. No entanto, o que é diferente neste caso é que esses grupos também têm associações consistentes com outros grupos.

Entre a população analisada, os cientistas descobriram que era composta por 18 grupos sociais, com 13 a 65 indivíduos em cada um, que consistiam em vários machos e fêmeas, incluindo pares reprodutores e não reprodutores.

Estas aves misturam-se com outros grupos durante o empoleiramento comunitário à noite e durante as atividades diurnas. Por exemplo, determinados grupos optam por juntar-se uns aos outros à noite, mesmo que não partilhem o mesmo território ou que não se relacionem durante o dia.

Depois de socializarem, determinados pássaros dividem-se de forma consistente dos seus grupos originais, o que significa que entendem quem faz parte do grupo e quem não faz. Os investigadores até suspeitam que estas aves tenham algo semelhante com grupos menores de amigos dentro desses grupos.

“Do que sabemos, é a primeira vez que uma estrutura social como esta é descrita no universo das aves”, disse o etólogo Danai Papageorgiou num comunicado do instituto.

Como tal, parece que esta espécie mantém círculos sociais complexos e de vários níveis, apesar de possuir um cérebro bastante pequeno.

“Esta descoberta levanta muitas questões sobre os mecanismos subjacentes às sociedades complexas e abre possibilidades interessantes de explorar o que é que fez essa ave evoluir um sistema social que é, em muitos aspetos, mais comparável a um primata do que a outras aves”, afirma também o etólogo Damien Farine.

Os investigadores observam ainda, no estudo publicado, este mês, na revista científica Current Biology, que as condições ecológicas moldam as interações entre os diferentes grupos desta ave, com maiores reuniões entre grupos observadas durante a abundante estação chuvosa.

“O nosso estudo não afirma que viver numa sociedade complexa não favorece um cérebro grande, antes sugere que podem haver maneiras alternativas e mais simples de alcançar os mesmos resultados sociais”, explicou Farine à Cosmos Magazine.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Acesso à Internet deve ser considerado direito humano básico

Uma nova investigação, levada a cabo pela Universidade de Birmingham, no Reino Unido, concluiu que acesso à Internet deve ser um direito humano básico, pois significa a capacidade participar na vida pública. Merten Reglitz, professor de …

Fórmula 1 quer atingir emissões zero de CO2 até 2030

A Fórmula 1 pretende reduzir a zero as emissões de CO2 até 2030, com base num plano que pretende “pôr em marcha de imediato”, anunciou esta terça-feira a Federação Internacional do Automóvel (FIA). O plano divulgado …

A Tesla vai lançar a sua misteriosa pickup “cyberpunk” elétrica ainda este mês

A nova Tesla Cybetruck já tem data de lançamento após um longo tempo de espera. O fundador da empresa, Elon Musk, anunciou que a carrinha "pickup" será revelada no dia 21 de novembro. O anúncio foi …

Asteróide "potencialmente perigoso" aproxima-se da Terra esta quarta-feira

Um asteróide com 147 metros de diâmetro, caracterizado pela NASA como "potencialmente perigoso" vai aproximar-se da Terra esta quarta-feira. Em causa está o corpo rochoso UN12 2019, explica a agência espacial norte-americana, dando conta que o …

Encontrado submarino da II Guerra Mundial que esteve perdido durante 75 anos (devido a um erro de tradução)

Uma equipa de exploradores oceânicos privada encontrou na costa do Japão um submarino do exército norte-americano do tempo da II Guerra Mundial, que estava desaparecido há 75 anos por causa de um erro num dígito …

Uma casa esteve a afundar-se no Tamisa para alertar para a subida do nível dos oceanos

No passado domingo, quem passou junto ao rio Tamisa, em Londres, não deverá ter ficado indiferente à típica casa dos subúrbios ingleses que se afundava perto da Tower Bridge. Felizmente, de acordo com a agência Reuters, …

A defesa de Lage é a melhor do Benfica em quase 30 anos

A defesa de Bruno Lage leva apenas quatro golos sofridos em 11 jornadas, o que faz dela a melhor defesa do campeonato e a melhor do Benfica desde a temporada de 1990/1991, escreve o jornal …

OE2020. “Não vamos para negociar”, esclarece Jerónimo de Sousa

O PCP vai reunir esta quarta-feira com o Governo com vista ao Orçamento de Estado para 2020. Jerónimo de Sousa esclareceu esta terça-feira que os comunistas não vão para negociar, sendo "manifestamente exagerado dizer que …

Benjamin "morreu" enquanto cumpria pena de prisão perpétua. Agora está vivo e quer a liberdade

Um norte-americano, de 66 anos, que cumpre pena de prisão perpétua por ter espancado um homem até à morte em 1996, pretendia ser libertado, uma vez que o seu coração parou por breves instantes. Em 1996, …

“Máfia do Sangue”. Ministério Público deixa Octapharma fora da acusação

O Ministério Público (MP) deixou a farmacêutica Octapharma fora da acusação da operação "O Negativo" por considerar que o ex-administrador Lalanda e Castro montou um esquema de corrupção para a venda de plasma ao Serviço …