Ex-líder do culto lança petição para extinção da Associação das Testemunhas de Jeová

Uma petição dirigida à Assembleia da República e à Comissão da Liberdade Religiosa pede a extinção da Associação das Testemunhas de Jeová e o cancelamento da sua inscrição no registo de pessoas coletivas religiosas.

Foi lançada uma nova petição, dirigida à Assembleia da República e à Comissão da Liberdade Religiosa, que pede a “imediata extinção” da Associação de Testemunhas de Jeová (ATJ) e o consequente “cancelamento imediato do seu assento no registo de pessoas coletivas religiosas”.

Promovida por Ricardo Pimentel, ex-líder de culto das Testemunhas de Jeová, a petição pretende “denunciar e chamar a atenção dos mais altos representantes da nação para situações de violação de normas constitucionais no âmbito dos direitos, liberdades e garantias praticadas pela entidade coletiva que representa a comunidade religiosa”.

No texto da iniciativa, disponível no site da petição pública, explica-se que não está em causa proibir a “expressão da fé e do culto dos indivíduos”, mas sim colocar em causa e entidade coletiva religiosa que representa juridicamente as Testemunhas de Jeová.

Segundo o Diário de Notícias, no que diz respeito “à entidade coletiva religiosa que representa juridicamente as Testemunhas de Jeová, o caso deve merecer o escrutínio atento do legislador”.

Na petição, o autor sustenta o seu pedido na Constituição da República e em textos fundamentais de direitos humanos, pedindo a intervenção da Comissão da Liberdade Religiosa para que chame “os representantes da comunidade das Testemunhas de Jeová e de representantes das vítimas das políticas de ostracização da associação”.

Ricardo Pimental defende que o grupo deve ser obrigado a reformar a política em relação a “membros e ex-membros por forma a respeitar os seus direitos constitucionais e não mais os oprimir e coagir através de práticas discriminatórias e de ostracização, podendo assim reabilitar-se perante a lei e voltar a ter um estatuto reconhecido pelo Estado português”.

Segundo o autor, a ATJ “prega o ódio à pessoa que sai”, justifica no texto, dando exemplos de como se cortam laços familiares e de amizade com quem abandona a comunidade, afirmando querer que este tipo de descriminação pare.

“Se alguém tem um pensamento dissonante, as antenas todas ficam logo no ar”, disse ao DN. “No meu caso foi a minha própria esposa que me entregou. É o poder da doutrinação, que leva a que pais entreguem filhos, filhos e pais, maridos e mulheres…”

Ricardo Pimentel não sabe se o Parlamento admitirá a sua petição, como aconteceu com uma iniciativa semelhante, apresentada em janeiro por terceiros, na qual se pedia para “libertar as pessoas que vivem oprimidas numa seita”. Ao DN, a ATJ recordou que a petição anterior foi recusada pelo Parlamento.

De acordo com o jornal, esta nova petição passará pelo mesmo crivo e será avaliada pelos serviços. Até ao momento, a petição recolheu 647 assinaturas, sendo precisas mil para os peticionantes serem ouvidos e mais de quatro mil para subir a plenário.

O seu objetivo não é pedir a proibição de uma religião. “Aquilo que está a ser pedido é a única coisa que a lei de liberdade religiosa permite: o cancelamento da inscrição por via da extinção por via judicial da associação religiosa, sem prejuízo da liberdade individual de religião e de culto e de reunião constitucionalmente garantidas”, explica.

Para Ricardo Pimentel, o Estado falhou no seu dever de fiscalização quando aceitou inscrever a ATJ no registo de pessoas coletivas religiosas, já que o “assento deveria ter sido recusado, com base no artigo 39.º da lei, no qual se estabelece que a inscrição só pode ser recusada por violação dos limites constitucionais da liberdade religiosa”.

Assim, os peticionários citam a lei para notar que “as associações extinguem-se quando o seu fim seja sistematicamente prosseguido por meios ilícitos ou imorais” e “quando a sua existência se torne contrária à ordem pública”.

Ao longo do texto, os argumentos explicam que há uma “política de excomunhão nas Testemunhas de Jeová” e de “ostracização social praticada” pela ATJ que “viola direitos e liberdades fundamentais constitucionalmente protegidas”.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Mas essa pratica sempre foi aplicada nas testemunhas de JEOVA. Só lá entra quem quer, por outros interesses ou se é inocente(para não dizer outra expressão) ! O ser humano é que coloca as religiões das formas que lhes convém, em todas elas. O ser humano é que deve utilizar a sua inteligência p/ analisar se deve ao não pactuar com este tipo de “prisões” e não ser levado pelas palavras dos outros… Utilizem a v/ cabeça se não querem ser enganados e mesmo assim… é preciso estar muito atento e com os nossos sentidos em alerta seja com quem for!

RESPONDER

"Em Casa d’Amália": RTP comemora cententário da fadista

A Fundação Amália Rodrigues junta-se à RTP para assinalar o centenário da fadista. O programa Em Casa d’Amália tem estreia marcada para a próxima sexta-feira (10) e reúne várias figuras da música portuguesa da atualidade. O …

Desapareceram 21 milhões de números de telefone na China. Mas o mistério foi resolvido

O porta-voz de uma das três maiores operadoras chinesas confirmou o desaparecimento dos utilizadores, mas deu uma explicação para este mistério. Nos últimos dias, surgiram vários relatos de notícias que davam conta de que, entre janeiro …

Mercadona doa 20 mil quilos de chocolate aos profissionais de saúde e aos mais carenciados

A Mercadona anunciou, esta quarta-feira, a doação de 20 mil quilos de chocolate ao Banco Alimentar Contra a Fome do Porto. O objetivo é proporcionar uma Páscoa mais doce aos mais carenciados e aos que …

"Paciente 1" em Itália recupera (e dá as boas-vindas a Giulia, a sua filha recém-nascida)

Giulia, a filha recém-nascida do "paciente 1" de Itália, veio para trazer alguma esperança ao país, em plena pandemia de covid-19. Mattia, de 38 anos, foi internado no dia 20 de fevereiro no hospital de Codogno, …

Investigadores transformaram o coronavírus em música (e já o podemos ouvir)

Uma equipa de investigadores do Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT) conseguiu transformar em som a estrutura da proteína spike, que permite que o novo coronavírus adira às células para infetá-las. Até agora, já pudemos ver …

Autoeuropa quer recorrer ao lay-off (e retomar produção a 20 de abril)

A administração da Autoeuropa quer promover um regresso gradual ao trabalho a partir de 20 de abril, pretendendo recorrer ao lay-off simplificado para os trabalhadores que não regressem ao trabalho nessa data. “O regresso ao trabalho …

Ex-mulher de astronauta acusada de mentir sobre o "primeiro crime espacial"

A ex-mulher da astronauta da NASA Anne McClain, Summer Worden, foi acusada formalmente de mentir sobre o "crime espacial" que McClain terá cometido. Em agosto de 2019, o jornal norte-americano The New York Times noticiou que …

Em Singapura, os parques de estacionamento são agora quintas urbanas

A pandemia de covid-19 está a obrigar alguns países a adaptarem-se. É o caso de Singapura, que está a transformar os parques de estacionamento em quintas urbanas para aumentar a produção alimentar. Só 1% do território …

O empresário mais odiado do mundo quer sair da prisão (para desenvolver um medicamento para a covid-19)

Martin Shkreli, o empresário mais odiado do mundo, quer sair brevemente da prisão para ajudar a desenvolver um tratamento para a covid-19. Num artigo publicado no site da empresa de Shkreli, Prospero Pharmaceuticals, juntamente com outros …

Ceferin acusado de ganância. "Manter a Liga dos Campeões foi um ato criminoso irresponsável"

O primeiro-ministro da Eslovénia, Janz Jansa, teceu duras críticas à forma como a UEFA e o seu presidente, Aleksander Ceferin, lidaram com a fase inicial da pandemia de covid-19. "Manter a Liga dos Campeões foi um …