Perdemos 30 minutos de sono por noite. Mas dormir mais ao fim de semana pode não ser a solução ideal

O trabalho pode ser um adversário contra o tempo de sono diário. Um novo estudo mostra que dormimos cerca de 30 minutos a menos do que precisamos por cada noite da semana de trabalho. Talvez por isso a maior parte das pessoas argumente que o fim de semana é a oportunidade perfeita para “recuperar o sono”, mas esta pode não ser a melhor solução para a saúde.

No estudo, publicado a 19 de agosto, foram incluídas 100 pessoas com idades entre 60 e 71 anos, que foram acompanhadas ao longo de dois anos – na sua transição para a reforma. Foi-lhes medido o sono em três momentos diferentes, com um ano de distância, de forma a comparar os hábitos de sono enquanto as pessoas estavam a trabalhar e quando estavam reformadas.

Após a reforma, os participantes mostraram que dormiam todos os dias como se fosse sempre fim de semana, ou seja a duração do sono diário aumentou, o que significa que os reformados dormiam o mesmo tempo todas as noites da semana.

O tempo de sono que as pessoas costumavam ter aos fins de semana, enquanto ainda trabalhavam, correspondia à duração do sono que preferiam ter e não ao sono ideal de “recuperação” que era suposto, explica o Bussiness Insider.

As noites dormidas ao fim de semana não compensam o sono perdido durante a semana de trabalho. Isso significa que os participantes do estudo tiveram privação parcial crónica do sono enquanto trabalhavam, o que corresponde a cerca de 2,5 horas por semana — uma média de meia hora por noite.

Embora seja recomendado que os adultos durmam pelo menos sete horas por noite para serem saudáveis, as necessidades de sono variam entre as pessoas. A verdade é que alguns estudos indicam que é fundamental dormir menos quando se é mais velho do que quando se é mais jovem.

As pessoas são diferentes e por isso têm necessidades distintas, o que torna difícil decidir o que constitui “pouco” tempo para o sono de qualquer indivíduo. Porém outros estudos descobriram que dormir apenas seis a sete horas afeta a atenção e o tempo de reação negativamente, por isso o tempo ideal de sono será de oito a nove horas.

A privação parcial do sono como resultado do trabalho pode durar anos, razão pela qual os efeitos acumulados devem ser considerados. Dormir menos de sete horas regularmente está relacionado com o aumento do risco de várias doenças, como a diabetes, AVC e depressão.

Ir para a cama a tempo de dormir horas suficientes e ainda acordar para ir trabalhar nem sempre é fácil, sobretudo para a maioria da população, que tem o “relógio biológico” atrasado. Isso significa que estas pessoas preferem dormir mais tarde e acordar mais tarde do que as pessoas com um relógio biológico adiantado.

Pessoas com um relógio biológico atrasado têm tendência a adiar a hora de ir dormir e têm dificuldade em acordar ao fim de semana. Quando o relógio biológico não está sincronizado com o relógio social, o horário imposto pela sociedade, pode ocorrer um “jetlag social”.

Embora os padrões de sono se tornem mais estáveis ​​após a idade da reforma, as pessoas ainda vão para a cama e acordam cerca de meia hora depois aos fins de semana, em comparação com os dias de semana. Isso pode dever-se a fatores sociais – como visitar amigos ou ir a festas.

Outra conclusão do estudo mostra que os participantes reformados com um parceiro que ainda está a trabalhar em tempo integral, mudaram menos o seu tempo de sono do que os demais, destacando que o sono é social, e não um fenómeno puramente individual.

Ainda assim, há algumas coisas que podem ser feitas para ajustar os padrões de sono ao trabalho, e evitar o “jetlag social” que teima em surgir à segunda-feira de manhã. A luz da manhã atrasa o relógio biológico, tornando mais fácil adormecer à noite.

Também ajuda priorizar o sono e manter uma rotina de sono mais regular, mesmo nos fins de semana. É possível estar um tempo extra na cama nas manhãs de fim de semana, mas deve-se evitar perder muito tempo a dormir, pois assim é mais difícil entrar num ciclo vicioso de perda de sono.

O estudo sugere assim que o trabalho faz com que as pessoas percam horas de sono e impede-as de dormir de acordo com o seu ritmo natural, mas tentar recuperar o tempo perdido ao fim de semana pode descontrolar totalmente o nosso relógio biológico.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Em apenas três anos, a Austrália perdeu um terço dos seus coalas

A seca, os incêndios florestais e a desflorestação na Austrália levaram o país a perder um terço dos seus coalas nos últimos três anos. A Austrália perdeu cerca de 30% dos seus coalas nos últimos …

Há modelos matemáticos que preveem se uma música vai ser viral — os mesmos utilizados com a covid-19

O uso de modelos matemáticos para antecipar o nível de sucesso de uma música pode começar a ser usado, a partir da publicação do presente estudo, por artistas e editoras para melhorar o desempenho dos …

Alemanha. Funcionário de posto de combustível abatido a tiro por cliente que se recusou a usar máscara

Um homem de 49 anos matou um funcionário de um posto de combustível na Alemanha, após tentar comprar cerveja sem utilizar a máscara. No país, o uso deste equipamento de proteção é obrigatório para entrar …

Um violino gigante flutuou no Grande Canal de Veneza (ao som de Vivaldi)

No passado fim de semana, um violino gigante, com quase 12 metros de comprimento, desceu o Grande Canal de Veneza. A bordo estava um quarteto de cordas, que tocou Four Seasons de Vivaldi. O Noah's Violin …

Assembleia de credores aprova recuperação da Groundforce

Esta quarta-feira, os credores da Groundforce aprovaram a recuperação da empresa. Em causa está uma dívida de 154 milhões de euros. Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores, no tribunal de Monsanto, …

Europeus acreditam numa "guerra fria" entre os EUA e a China e Rússia

A maioria dos cidadãos da União Europeia (UE), 62%, considera que os Estados Unidos (EUA), com apoio das instituições comunitárias, estão numa nova "guerra fria" com a China, mas recusam envolvimento nacional, revelou um inquérito …

Desenho de Van Gogh esteve guardado mais de 100 anos. Agora, é exibido pela primeira vez

O Museu de Amesterdão, nos Países Baixos, ganhou um novo inquilino: Study for 'Worn Out', um desenho recém-descoberto de Vincent van Gogh. O holandês Vincent van Gogh ainda continua a impressionar o mundo inteiro com a …

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã, com receio de que os avanços dos últimos 20 anos tenham sido conquistados em vão. A Vice falou com algumas professoras afegãs que garantem continuar …

Apenas um terço das crianças em 91 países tem acesso a uma alimentação adequada, alerta UNICEF

Apenas um terço das crianças com menos de dois anos em 91 países em desenvolvimento têm acesso aos alimentos que necessitam para um crescimento saudável, revelou um relatório da UNICEF, apontando que nenhum progresso foi …

Preços das casas voltaram a aumentar no segundo trimestre

Entre abril e junho, o índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu 6,6% em termos homólogos. A revelação foi feita esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O Índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu …