Pela primeira vez, FBI divulga relatório sobre a morte de Kurt Cobain

No mês passado, e discretamente, o FBI divulgou, pela primeira vez, um arquivo sobre a morte do vocalista da banda Nirvana Kurt Cobain.

O documento de 10 páginas fazia parte de uma investigação e agora está localizado na biblioteca online Freedom of Information, The Vault, que inclui duas mensagens de texto datadas de 2006 a pedir para investigar as suspeitas de que o músico foi assassinado.

Em 5 de abril de 1994, Kurt Cobain foi encontrado morto com um tiro de espingarda na sua casa em Seattle e deitado ao lado de uma nota de suicídio. Foi determinado que se tinha suicidado.

O e-mail e a carta que pedia ao FBI que a narrativa oficial fosse questionada citavam informações que circularam nos meios de comunicação. Os nomes dos autores foram redigidos no arquivo publicado.

“Milhões de fãs ao redor do mundo gostariam de ver as inconsistências em torno da morte esclarecidas de uma vez por todas”, lê-se no e-mail, originalmente publicado pela Rolling Stone e citado pelo jornal britânico The Independent. “É triste pensar que uma injustiça dessa natureza pode ser permitida nos Estados Unidos.”

Uma carta afirmava que o “assassino de Cobain ainda está por aí e agora, por causa da pressa do departamento de polícia, tem a oportunidade de fazer outras vítimas“.

O autor até compilou as evidências que apoiariam a sua teoria: que não havia impressões digitais na arma e que, na carta de despedida que Cobain deixou, não mencionava o seu desejo de tirar a própria vida, “exceto pela parte que estava com outra letra e que parecia ter sido acrescentada no final”.

O FBI respondeu à carta, dizendo que esse tipo de investigação não estaria no seu poder.

“Agradecemos sua preocupação de que Cobain possa ter sido vítima de um homicídio”, escreveu. “No entanto, a maioria das investigações de homicídio/morte geralmente cai sob a jurisdição das autoridades estaduais e locais… Com base nas informações que forneceu, não conseguimos identificar qualquer violação da lei federal dentro da jurisdição investigativa do FBI.”

O FBI anexou uma carta de um funcionário do Gabinete de Relações Públicas e Parlamentares dos Estados Unidos em resposta a uma carta dirigida a Janet Reno, que era a procuradora-geral dos Estados Unidos na época. A sua carta inicial não foi incluída nos documentos publicados.

O arquivo também incluía notas da produtora da série documental “Unsolved Mysteries”, que produziu um segmento em 1997 sobre Cobain que levantou questões sobre a sua morte.

  Maria Campos, ZAP //

 

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.