Pedido de patente da Microsoft revela planos para datacenters submarinos

O Projeto Natick, da Microsoft, é daquelas empreitadas que se parecem demasiado com filmes de ficção – mas que são totalmente reais. E se 50% dos homens vivem nas costas, porque não também os seus dados?

Para lidar com a necessidade de datacenters cada vez maiores e instalações mais complexas a cada dia que passa, a Microsoft quer construir instalações submarinas, que fiquem no fundo do oceano e funcionem de maneira autónoma.

Revelado pela primeira vez em 2016, o projecto ainda se encontra em fase preliminar de desenvolvimento, e não está sequer próximo do lançamento. Mas entretanto, um registo de patente pedido pela Microsoft mostra que a companhia quer proteger os servidores de intrusões – porque mesmo submersos, os dados precisam de ser protegidos.

As unidades estão a ser concebidas para funcionar de forma autónoma, exigindo quase nenhuma manutenção, mas isso também significa que guardas e segurança convencional também não estarão presentes no local – que, nunca nos vamos cansar de repetir, fica no fundo do mar.

Entretanto, a Microsoft está consciente de que hackers podem tentar chegar ao local usando veículos submarinos, drones ou mergulhado pessoalmente.

Por isso, a empresa de Redmond está a trabalhar em sistemas que detectariam qualquer tentativa de intrusão e invalidariam as informações dos servidores – o que inclui mesmo o uso da água como forma de destruir o equipamento e evitar a obtenção dos dados.

Além disso, o uso de mecanismos de criptografia de alto nível, intensificados ainda mais, torna qualquer tipo de ficheiro obtido indevidamente completamente inútil. Mas a Microsoft está até a preparar-se para a possibilidade de os criminosos recorrerem ao uso de “mamíferos treinados” ou outros animais para acederem o servidor.

Nestes casos, e também para evitar que qualquer vida marinha curiosa transforme o datacenter em morada, a empresa vai cobrir toda a estrutura com corais – o que não apenas serve para o ocultar, mas também contribui para o ecossistema aquático.

Ao cobrir os datacenters com corais, a empresa consegue ainda um arrefecimento extra para os servidores, o que impede os animais de encontrarem ao local também pelo bloqueio de temperatura: o isolamento do calor das máquinas dificulta a sua localização, uma alternativa que também pode confundir sistemas de localização que utilizem mapas de calor métrica.

O Project Natick ainda está em fase de planeamento, e a Microsoft está ainda a muitos anos de distância do início de testes e eventual lançamento.

Mas a ideia de um datacenter submerso pode mesmo acabar por ser a solução para a empresa, na medida em que as arquitecturas de cloud computing crescem a um ritmo acelerado, requerendo cada vez mais investimentos em estruturas físicas e pessoal qualificado.

A ideia é encurtar o percurso que os dados precisam de fazer, principalmente em zonas litorais – uma medida que, se transformada em realidade, pode melhorar a qualidade de ligações em locais remotos e representar uma alternativa económica para o futuro do cloud computing.

Quando apresentou o projceto, em fevereiro de 2016, a Microsoft comparou a iniciativa com o lançamento de um foguete — tudo precisa de dar certo, porque assim que os servidores estejam submersos, nada de errado por acontecer.

Basta então agora lidar com os eventuais mamíferos treinados para hackear servidores.

PARTILHAR

RESPONDER

Tamám Shud. Exumação de corpo pode resolver um estranho mistério com 70 anos

As autoridades da Austrália aprovaram uma exumação do corpo de Tamám Shud - ou "Homem de Somerton" - e, em breve, o mistério de 70 anos pode estar resolvido. Em 30 de novembro de 1948, vários …

Costa, Von der Leyen na Cimeira Social no Porto

Vacinação no bom caminho com 25% da população da UE vacina

A Comissão Europeia anunciou este sábado que 200 milhões de doses de vacinas anticovid-19 chegaram já à União Europeia (UE) e 160 milhões de europeus já receberem a primeira dose, levando a que a vacinação …

Libertados nos EUA os primeiros mosquitos geneticamente modificados

Foi a primeira vez que mosquitos geneticamente modificados foram libertados nos Estados Unidos. O objetivo é suprimir populações de mosquitos transmissores de doenças. De acordo com o site Live Science, a empresa de biotecnologia Oxitec lançou …

Descobertos os restos de nove Neandertais numa gruta em Itália

Os restos de nove Neandertais foram descobertos na Gruta de Guattari, em San Felice Circeo, na costa entre Roma e Nápoles, onde já tinham sido encontrados vestígios da presença Neandertal, anunciou este sábado o ministro …

Leis draconianas na Malásia. Fahmi Reza foi detido por insultar a rainha com playlist no Spotify

A sátira desempenha um importante papel na sociedade. Na Malásia, as leis draconianas estão a reacender o debate em torno da liberdade de expressão. Fahmi Reza, um artista gráfico e ativista social malaio, foi detido no …

António Barreto

Portugal vai ter "um problema de cor de pele" (por muitos anos e com conflitos)

O sociólogo António Barreto considera que Portugal vai "ter um problema" de "cor de pele" e "por muitos anos". Uma ideia defendida numa entrevista onde se reporta para "o que se passa em toda a …

Um laboratório vivo. Há residentes "superimunes" à covid-19 numa pequena cidade italiana

A pequena cidade de Vo, no norte de Itália, tornou-se um dos primeiros locais com um surto de covid-19 da Europa em fevereiro de 2020. Agora, os cientistas descobriram que a cidade abriga um número …

Portugal com duas mortes e 406 novos casos nas últimas 24 horas

Portugal registou hoje duas mortes atribuídas à covid-19, 406 novos casos de infeção pelo coronavírus e nova descida no número de internamentos em enfermaria e em cuidados intensivos, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo …

Portugal "tem nível de rendimentos baixíssimo". Muitos municípios que perdem população desde o final II Guerra

Portugal tem municípios que perdem população desde o final da II Guerra Mundial e dificilmente fenómenos como o teletrabalho irão alterar esta paisagem, na opinião do geógrafo Álvaro Domingues, da Universidade do Porto. Em entrevista à …

Gestora em teletrabalho esqueceu-se da filha no carro. Bebé encontrada sem vida sete horas depois

Maria Pilar, uma bebé de dois anos, morreu esta sexta-feira, depois de ter ficado esquecida dentro do carro durante cerca de sete horas. A menina de dois anos esteve cerca de sete horas dentro do carro, …